Comentários
Lucas Faria Lucas Faria Author
Title: [REVIEW] HOUSE OF CARDS - S02E02: CHAPTER 15
Author: Lucas Faria
Rating 5 of 5 Des:
É hora de arrumar a casa. Após um "Chapter 14" agitado, House of Cards entrega uma sequência que tem como função estabelecer ...

É hora de arrumar a casa. Após um "Chapter 14" agitado, House of Cards entrega uma sequência que tem como função estabelecer os novos rumos da série.  Dirigido novamente por Carl Franklin, neste episódio vemos Frank em uma situação peculiar. Sua ascensão a vice-presidência traz, a priori, uma potência aparente, e não um poder real. Isso pode ser visto durante quase todo o episódio. Sua casa é transformada em uma fortaleza (nem jogar God of War: Ascension ele pode) e na imprensa o tratam apenas como um tapa-buraco até 2016. Toda a privacidade lhe é tirada. Até suas ligações podem ser expostas pelo solitário Lucas, que através da Deep Web tentará provar que Frank está diretamente ligado as mortes de Russo e Barnes. Porém, o ápice de sua impotência se mostra na cena em que é obrigado a condecorar McGuiness, um militar que no passado estuprou Claire.

Aliás, nesses novos rumos que a série está tomando, Claire ganha mais destaque. A forma como ela lida com o estupro mostra uma mulher pragmática que utiliza de sua raiva para alcançar seus objetivos. Para ela as emoções devem ser ferramentas de auxílio na obtenção de nossas ambições. É essa a mensagem que ela passa para seu marido enquanto conversam na cama.


A partir daí Frank mostra que, apesar de algumas situações, ele não é nada impotente. Mesmo cercado, ele usa a dica de Claire contra Raymond Tusk, o bilionário que exerce enorme influência sobre o presidente Walker. Assim, através de um jogo político envolvendo a Secretária de Estado Catherine Durant, ele consegue magistralmente controlar a atitude do presidente em relação a China, que acaba por prejudicar os negócios que Tusk tem no país. Com isso ele passa a reverter a situação inicial e aumentar sua influencia na presidência em detrimento de seu antagonista.

Já no que tange à política doméstica, a saga de Jackie Sharp pelo cargo de líder da maioria toma forma. Arrisco até a dizer que esta trama foi a mais interessante de todo o episódio. Nesse ponto é interessante notar que Frank acerta em cheio ao defini-la como implacavelmente pragmática.

Mesmo Jackie colocando Howard Webb e Wes Bunchwalter um contra o outro, era necessário mais para impedir que eles se unissem. Assim, para ter reais chances de vencer a corrida pela liderança, ela não mostra remorso (na verdade ela o demonstra por alguns segundos) ao humilhar e enterrar a carreira política de Ted Havemeyer, seu padrinho político. E detalhe, ela faz isso informando a imprensa da filha ilegítima dele que sofre de paralisia cerebral. Só Frank mesmo para achar alguém tão pragmático quanto ele.


Dessa forma, "Chapter 15" pode não ter tido o mesmo impacto que o episódio anterior, mas foi extremamente competente em começar a definir as bases do desenvolvimento da nova temporada. E sabe de uma coisa, me fez até esquecer de Zoe Barnes.

Esse episódio teve tanta quotes geniais que não poderia deixar de colocá-las aqui. Segue a lista:

  ''Cathy, se não gosta de como a mesa está posta, vire a mesa'' - Frank a Secretária de Estado Catherine Durant
 ''Você só pode me oferecer é Ética, que ninguém quer''. - Howard Webb a Wes Buchwalter. Apesar do contexto, é emblemático que num ambiente tão sujo a ética é dispensável. Qualquer semelhança com a nossa Câmara dos Deputados não é coincidência.
  ''Estou a um passo da presidência e nenhum voto foi feito em meu nome. A democracia não é tudo que dizem.'' - Frank quebrando a quarta parede em sua posse como Vice-presidente.
Reações:

Sobre o Autor

 
Top