Comentários
Michelle Louise Michelle Louise Author
Title: [REVIEW] CASTLE S06E17- IN THE BELLY OF THE BEAST
Author: Michelle Louise
Rating 5 of 5 Des:
Dear Rick, Muitas coisas passaram pela minha cabeça durante este episódio. Metade delas, ou mais, eu ainda não consegui absorver. Eu não ...
Dear Rick,

Muitas coisas passaram pela minha cabeça durante este episódio. Metade delas, ou mais, eu ainda não consegui absorver. Eu não sei muito bem o que pensar, escrever ou dizer. Esse episódio me sugou o ar que eu achava que restava para respirar nesta maravilhosa temporada. Este episódio chegou de mansinho, tomou seu lugar entre meus 5 episódios favoritos de Castle. Tomou o lugar de melhor episódio da temporada. Tomou minhas lágrimas. E, principalmente, Stana tomou o episódio para ela. Logo, tudo isso pertence a ela. Perfeita não pode descrever a atuação impecável e brilhante que apenas ela poderia dar para a série.
                                                          

I don’t know how much time I have, even to write this letter.


Eu poderia começar falando do momento fofo e mágico de um casal normal. Um casal comum, aproveitando o dia de folga. Escolhendo fontes de letras para um convite normal. Um casal normal que quer aproveitar o dia de folga de pijama às duas horas da tarde, lendo jornal. Um casal que quer aproveitar um ao outro. Um casal normal, prestes a casar.

Mas eu não posso falar de um casal normal. Eu não posso porque ela fala russo fluentemente e todos viram o que acontece quando ele não está com ela. Eu não posso falar em um casal normal porque o amor de um pelo outro beira ao absurdo. Eu não posso falar de casal normal, porque Caskett transcende qualquer tipo de normalidade.

What I do know now, is that I’m in this and the only way I’m gonna make it out alive is to see this through.

Quando Beckett foi trabalhar infiltrada, sem comentar nada com Castle e um cara apontou uma arma para ela no elevador todos sabiam que algo daria errado e que, muito provavelmente, os fãs iriam morrer com um ataque cardíaco coletivo. E não foi diferente. Beckett é uma detetive bem treinada. Segundo nosso amado Roy a melhor que ele já havia visto. E ela, mesmo dentro do mar de impossibilidades encontra sua maneira de deixar pistas para que a NYPD pudesse encontrá-la. Mesmo que morta. Ela vai cavando, cada centímetro, cada milímetro. Cada ponto que pudesse parecer vazio. Ela deixa suas pistas, ela mantém a calma. Ela se mantém Beckett. A Beckett que adotamos que dói no fundo do nosso coração quando qualquer coisa acontece a ela.

Eu não sei ser imparcial, porque meu amor e admiração pela Stana todos já sabem. Ele não é deste mundo e quando me perguntam o porque de amá-la tanto eu posso pensar em mais de um milhão de razões. Mas quando eu assisto essa série e a vejo em ação tudo que eu penso é que apenas uma atriz fantástica como ela, que se doa de corpo e alma pelo que faz, que ama o que faz, poderia nos deixar sem fôlego e sem chão a cada cena. Eu não respirava. Eu estava presa com nossa pequena Kate. Eu estava afogada em meus sentimentos e tudo que eu queria era pegar ela no colo e tirá-la de lá. Stana, mais uma vez, deu um show a parte. Ela é alma desta série digam os outros o que quiserem. Ela é o coração da série. Ela é o coração do fandom que pulsa e grita dentro de uma tela. Ela é o mais profundo amor do fandom personificado.

I’m sure everyone is looking for me and if they figure out I was here, 
CSU is gonna search this house. 

O caso era mais do que perfeito. A cada nuance que se apresentava eu pensava que não podia ser real. Eu não pensava, eu não respirava, eu não....eu não nada. Eu estava absorta demais pensando em como Beckett sairia daquela viva. Mas ela estava indo bem. Eu estava indo bem. Eu estava aguentando firme e ela também. E então eu desabei. Diante de um pequeno gesto, um pequeno gigante gesto de amor eu desabei. Eu quis realmente bater na pessoa quando soltaram o spoiler, sem qualquer aviso prévio, de que ela escreveria uma carta. Mas eu não poderia imaginar o que seria a carta. E eu não posso explicar o efeito dela sobre mim.

Beckett sobrevivia. E não falo do episódio. Eu falo dela no decorrer de sua vida. Ela não era feliz. Quando em "Knockout" Castle diz que ela poderia ser feliz, mas tinha medo..minha sensação era outra. Ela não sabia ser feliz. Beckett desde a morte de sua mãe, não sabia mais o que era a verdadeira felicidade e quando a possibilidade de ser feliz com Castle apareceu, ela se assustou. E ela demorou a aceitar que ela poderia ser feliz de novo. Foram quatro anos se acostumando com a ideia e entendendo com quem a felicidade dela estava. E então ela encontrou a felicidade. Quando ela diz em "Nanny McDead" que ela é mais “of a one and done type” e hoje ela aceita casar com Castle todos sabem o que significa.

They’re gonna look for blood and they will find it. 
Which will lead them to this letter.

Ela descobriu o que é a felicidade e ela gostou disso. Hoje ela sorri fácil e quando ela corre risco de vida é nele que ela pensa. Assim como vimos em “Still”, ela é movida pelos sentimentos por Rick. Eles a mantém firme, com vontade de lutar. A Beckett de quatro anos atrás jamais teria aguentado. Ela não tinha pelo que lutar. Mas hoje ela tem. Algo chamado amor. Algo chamado futuro. Hoje, com Rick ao seu lado, ela enxerga todas as possibilidades maravilhosas que o futuro pode reservar para ela. Ela consegue imaginar seu casamento, seu futuro marido e perceber que isso é tipo de coisa pela qual todos devemos lutar. Ela aguenta. Ela luta. E ela não desaba.

Tudo estava indo bem, Beckett estava conseguindo controlar a situação até aquele momento. Ela havia fingido, brilhantemente, o assassinato que deveria cometer. Havia conseguido mandar pistas para a NYPD, havia descoberto todo o esquema de dinheiro sujo. E então, ele aparece.

Babe, it’s your letter and I hope you never have to read this and 
I can tell you all of these things in person. 

Eu pensei em inúmeras pessoas do passado dela para voltarem. Eu pensei em todas as possibilidades. Menos essa. Nunca. Eu nunca imagine que Vulcan Simmons fosse voltar. Meu sangue gelou. Meu sangue gelou e não pensei em mais nada. Todos sabiam o que viria a seguir.

De todos os inimigos da Beckett, ele sempre foi o que mais odiei. Em Knockdown, meu episódio de Castle favorito até hoje, ele deu as caras e o meu ódio por ele foi maior do que posso explicar. Eu não poderia explicar o que eu senti quando eu o vi. Ouvi sua voz e quando ele diz “Detective Beckett” meu coração parou. Ele, de todos, sempre foi o que mais jogou sentimentalmente sujo com Beckett no sentido Johanna. Ela sempre abriu suas feridas, despertou o lado mais obscuro da Beckett e sempre me deu náuseas. Ele brinca com Kate, usa Johanna, sem dó. Ele é cruel e gosta disso. "Você é como sua mãe. Jogando em mundos os quais vocês não pertencem(...). Ela pagou por isso com a vida. Assim você também vai". Eu queria que a Beckett o jogasse contra o vidro da sala de interrogatório novamente. Eu queria que Roy, que conhecia sua história melhor que ninguém estivesse com ela neste momento. E eu queria que alguém fizesse alguma coisa e que aquilo parasse.

Eu não respirava. Quando o ar de Beckett se esvaiu levado pela água, o meu foi junto.  Mas ela se manteve firme, ela foi firme, ela queria lutar, ela precisava lutar. E ela não demonstra seu medo. Com aquela voz que de quem manda no jogo, ela não abaixa a cabeça. Uma filha de Johanna honra a mãe em todos os sentidos. Ela luta. Ela tem um motivo para viver. Eles disseram Always e ela quer viver e sentir esse Always.

But if something happens and I don’t make it.

Quando a ideia era matá-la e sumir com o corpo, meu coração parou esperando quem no universo iria salvá-la. Eu nunca imaginei que a própria Elena Markov a fazer isso. Com ordens de alguém. Com ordens de alguém grande. Com ordens de alguém de cima. Alguém que quando Beckett volta ao distrito, ninguém sabe quem seria...mas ela sabe. Ela no fundo já sabia. Só poderia ser ele.

Bracken. O Senador que ordenou a morte de sua mãe. O Senador que usa dinheiro sujo na campanha. O Senador que descobrimos em “After the Storm”, onde Beckett deixou uma pequena lembrança da existência dela a cada vez que ele se olhasse no espelho. O Senador que tinha uma divida com ela desde “Recoil” quando ela salvou sua vida. O Senador que hoje pagou o que devia. Sem mais dívidas. Agora é olho por olho, dente por dente. Da próxima vez (alguém sentindo cheiro de finale?) vai ser definitivo. Nos sonhos dela, ela é única que puxa o gatilho. E apenas desejo que, assim como os sonhos do Castle, os dela se tornem realidade.

                                     I need you to know that our partnership, our relationship

Bracken, Simmons, Beckett e a NYPD. Virou Guerra e todos sabem, ela acarreta perdas. Dores e sempre alguém sai perdendo. Não é fácil lutar uma luta desigual, uma luta injusta. Uma luta onde um se mascara, finge, manipula e mata. Sem pensar, sem dosar. Por querer.


Mas a luta fica mais fácil quando se tem razões certas para lutar. Castle estava mais do que preocupado com Beckett (nada comparado a Target/Hunt, mas tudo bem), e a aflição dele era evidente. Ele demorou quatro anos para conquistá-la. Quatro anos para ouvir em “Always” um "I just want you". Cinco anos para ouvir em “Still” que ela o amava. É muito tempo e o amor só cresceu, perdê-la não era opção para ele. Ele não pode, já vimos em “Valkyrie”, imaginar a vida sem ela. E podemos dizer que é recíproco. Quando ele olha a cadeira dela hoje, vazia, eu senti meu coração pesando porque a própria fez isso tantas vezes. Em todas as vezes que ele não estava lá, que a cadeira dele estava vazia, ela sentia. Acho, na grande realidade, que a cadeira é apenas uma marca da presença de cada um. O coração fica vazio e pesa sem o outro ali. É contraditório, mas é real. O coração pesa, porque o vazio que a falta do outro faz é tão grande e tão pesado que fica difícil aguentar. Fica difícil manter.

                                           is the greatest thing that has ever happened to me


Ele sempre esteve com ela. Em “Tick, Tick, Tick e Boom”, lá na segunda temporada. Em “Countdown”, em “Knockdown”,  em "Knockout" durante o tiro, em “Rise” a visitando no hospital. Ele estava com ela quando eles quase morreram por um tigre em “Cuffed” ou afogados em um carro como em “Pandora”. Ele esteve com ela quando ela estava sobre um bomba. Ele esteve com ela. Always. E hoje, ele está com ela também.

Algumas pessoas nós carregamos tão profundamente em nossos corações que não podemos mais separá-las de nós. É aquele momento mágico que nós esperamos uma vida toda para atingir. O momento em que dois se tornam um. O momento em que imaginar o seu futuro com aquela pessoa te guia e te move. Aquele momento que você ama alguém toda a força do seu coração e, então, lutar não é mais uma opção. Cada batida do seu coração, cada pensamento em sua cabeça. Tudo te leva a pensar nos momentos que você não quer perder. Ele esteve com ela o tempo todo e ele, mesmo de longe, deu forças para ela lutar. Isso te dá forças. Isso te guia e te move. Sem pensar, apenas sentir.

Beckett escapou viva. Mas não ilesa. Mesmo em alguém com ampla experiência no assunto, não sai ilesa a marcas como essa. Existem coisas que marcam, que chocam, que deixam cicatrizes. Ela já carrega uma no peito e outra na alma. Quantas mais nossa pequena pode aguentar?! Sempre me pergunto quanto tempo até o "Basta! Chega! Eu só quero viver. Eu só quero me sentir segura". Vimos uma Beckett leve durante a quinta temporada (mesmo em Recoil) e nesta temporada. Vimos uma Beckett sem medo. Mas agora, com tudo isso vindo a tona, eu apenas admiro nossa detetive mais e mais. E sabem porque?! Porque eu sei que ela vai lutar e se manter firme. Eu sei que ela vai querer o basta, ela vai querer viver. Mas ela vai desejar em silêncio enquanto luta e arrisca tudo para conseguir isso. Ela é Beckett. E ela tem Castle. Eles vão ficar bem. Nós vamos ficar bem. As coisas podem parecer obscuras agora, mas elas já foram obscuras antes. Elas vão clarear novamente. Eu sei disso e você, leitor, também sabe.

                                                              You’re an amazing man,

Um enigma se instala na série, um gancho para a finale foi armado e meu coração precisará passar por um check up. Um episódio perfeito que jogou adrenalina direto na minha corrente sanguínea e me deixou pedindo mais. Querendo mais. Mais de Caskett, mais sobre a relação deles. Mais de Stana. Queria ter visto como Lanie reagiu a tudo isso. Queria ver mais. 43 minutos não bastaram. 43 minutos não foram o suficiente. 43 minutos pareceram 5.

Obrigada Andrew, Obrigada Rob (amor da minha vida que mais uma vez foi perfeito, como sempre), e obrigada Stana. Obrigada por esse cuidado em manter a essência da série, manter episódios que te tiram o fôlego e te arrancam o coração o peito. Eu não posso explicar o que senti. Só posso explicar que não foi racional. Não foi lógico. Mas foi real.

Obrigada por me fazerem sentir real e viva. E por me mostrarem que “Even on the worst days there’s a possibility for joy”.

And I love you with all of my heart. 
Always.”


                                     PROMO S06E18: THE WAY OF THE NINJA

                        


PS1: Stana falando russo é o tipo de coisa que faz valer a pena estar vivo. Senhor, mulher!
PS2: Para quem não sabe, eu faço parte do PodCastle e ele foi gravado ontem, durante o episódio. Para maiores visualizações das reações segue a imagem. Obrigada meninas, por me ajudarem a ficar viva.
PS3: Codinome do Castle: Babe. E não. Eu não sei lidar com isso.
PS4: Sei lá o que escrever. Só estou feliz que fiquei viva para poder escrever  a review.
PS5: Eu sinto pena de cada um que não assiste Castle e que jamais vai entender o que este show significa. Eu sinto pena e nada mais.
Reações:

Sobre o Autor

 
Top