Comentários
Poliana Mendes Poliana Mendes Author
Title: [FILMES] THE NORMAL HEART - TELEFILME #1
Author: Poliana Mendes
Rating 5 of 5 Des:
“Não se pode parar de lutar por aqueles que você ama. Você já teve que lutar por alguém que ama?” The Normal Heart é um telefilme d...
“Não se pode parar de lutar por aqueles que você ama. Você já teve que lutar por alguém que ama?”

The Normal Heart é um telefilme da HBO sobre os primeiros e difíceis anos da descoberta da AIDS, recheado de artistas consagrados não só nas séries como nos cinemas como Mark Ruffalo, Julia Roberts, Matt Bomer, Jim Parsons, Jonathan Groff, entre outros. O filme é baseado na peça teatral homônima de Larry Kamer, responsável também pelo roteiro do filme e tem direção de Ryan Murphy (Glee, American Horror Story, Looking). Teve sua estreia na TV americana no dia 24 de maio e sua estreia no HBO brasileira será no dia 31 de maio às 22:00h.

O início dos anos 80 foi uma época de liberdade para os gays, boates gays brotavam, casas especializadas ao público alvo também e não pode esquecer o consumo que os gays geravam para a indústria de comércio de modo geral. Mas e quando do nada gays começam a morrer de uma doença nunca vista antes? E quando essa doença não atinge nenhum outro grupo? E quando se vê amigos morrendo dia após dia e o governo e a população de modo geral não faz nada para mudar isso?

Esses questionamentos e muitos outros acabam caindo na vida de Ned Weeks (Mark Ruffalo), um escritor conhecido por não ter papas na língua, gay assumido e que acha que a mudança só ocorre quando se faz barulho. Por muitos momentos é aquele que seus amigos evitam para discutir com autoridades a respeito dessa tal doença desconhecida, mas que ironicamente, é o único com coragem o suficiente para se expor numa situação complicada dessas.
Se no ano de 2014 já é difícil se assumir gay numa sociedade extremamente machista e homofóbica, imagine nos anos 80, com o tal “câncer gay”. A TV e o cinema ultimamente resolveram não mais negligenciar esse assunto, com diversos filmes e séries sobre gays, descobrimentos, homofobia, dúvidas, aceitação, mas quando o assunto é AIDS, como foi o início da doença e todos os problemas que ela causou aos gays, pouco se é falado. E é exatamente sobre isso que The Normal Heart trata, como a sociedade pode ser e é cruel quando o assunto se trata de minorias, como é difícil lutar por algo até mesmo dentro do seu grupo. 

Mais que luta sobre o "câncer gay", Ned clama por igualdade, essa igualdade que até hoje não encontramos. A igualdade de quem foi criado da mesma forma que seu irmão mais velho, Ben (Alfred Molina), que frequentou as mesmas escolas, teve os mesmo problemas com seus pais, mas que um é gay e o outro é hétero. A igualdade está lá, sempre esteve mas é difícil de enxergar, mais ainda, admitir que realmente são iguais e ao final, o abraço de irmãos, enfim Ben entendeu que tudo ali não se trata só sobre ser gay ou nao, é sobre seu irmão que ama alguém como ele próprio ama sua esposa, é sobre amor.

Ned é um homem que está cansado de tentar resolver as coisas de forma pacífica, de sorrir e assentir com a cabeça para as políticas voltadas para a descoberta dessa doença. Ele quer fazer barulho e o faz, chamando atenção da imprensa para o problema, desafiando figurões políticos que ainda se encontram no armário. No meio disso tudo ele não está só, ele conta com a ajuda da médica Emma Brookner (Julia Roberts), uma mulher que luta como pode para conseguir recursos e apoio para pesquisas sobre essa nova doença. E também dos seus amigos que decidem criar uma organização para (tentar) lidar com todos os problemas que o câncer gay (nome dado à AIDS na época) trouxe para todos.
Toda revolução é necessário um líder e Ned nunca se viu como um, ou até mesmo nem quis ser um, mas quando notou a omissão e o medo dos outros em se expor ele tinha que fazer isso não só por ele, mas pelos seus amigos que morreram, os que ainda irão morrer e principalmente ao seu amor, Felix Turner (Matt Bomer). Muitas vezes a batalha era travada só, porque quando até pessoas que deveriam lutar pela causa se omitem, a vontade de desistir pesa. Mas mais que revoltado com tudo, Ned e sua teimosia prevaleciam e por muitas vezes conseguiam chamar os holofotes para si e o conseguir algo de importante para a causa.

De um lado Ned e sua revolta, do outro o racional e passivo Bruce Niles (Taylor Kitsch). Bonito, militar, simpático, todos queriam (até eu), pouco polêmico, enfim, tudo o que a comunidade gay precisava no momento, que era alguém para mostrar a todos os outros que eles eram e são pessoas iguais aos outros, que eles não são espalhafatosos, chamativos e todos esses estereótipos que se encontram até hoje. A maioria gay acreditava que lutar sem chamar a atenção dos outros era mais importante do que tocar na ferida como Ned fazia. E o roteiro faz questão de esfregar na nossa cara quando tendemos a questionar se toda essa rebeldia de Ned é realmente necessária para a causa.
O filme que podia muito bem ser passado nas telas de cinema pelo mundo afora, de tamanha qualidade nas atuações que os atores conseguiram mostrar realmente todos aqueles problemas da época de uma forma real. Do roteiro que construiu de forma brilhante as motivações de todos os personagens e os seus respectivos medos quanto aqueles acontecimentos. A direção que conseguiu de forma espetacular dirigir cenas difíceis que poderiam passar por vulgares ou obscenas, mas que passaram por amor, simples e puro. Enfim, tudo funcionou da forma correta e que ao final ainda nos deixa com alguns questionamentos posteriores.

P.s.*: Não me admirará nenhum pouco The Normal Heart rapar todos os prêmios  desse ano na categoria Telefilme.

P.s.**: Uma salva de palmas para Mark Ruffalo que entregou um personagem muito bem feito e para Matt Bomer que emagreceu vários quilos para viver o aidético Felix.

P.s.***: Jim Parsons também atuou na peça teatral como o mesmo personagem do filme.

P.s.****: Brad Pitt ultimamente tá engajado nos bastidores, em The Normal Heart ele é produtor do filme. 
Reações:

Sobre o Autor

 
Top