Comentários
Yara Oliveira Yara Oliveira Author
Title: [OLD, BUT GOLD] CASTELO RÁ-TIM-BUM
Author: Yara Oliveira
Rating 5 of 5 Des:
Castelo Rá-Tim-Bum  -  4 temporadas, 90 episódios (e um especial), 1994/1997 Ahhh os anos 90! Com certeza a época de ouro da TV Brasil...

Castelo Rá-Tim-Bum - 4 temporadas, 90 episódios (e um especial), 1994/1997

Ahhh os anos 90! Com certeza a época de ouro da TV Brasileira, produções importantes foram ao ar nessa época, novelas como Mulheres de Areia, Rei do Gado... todas aquelas produções que fazem sua mãe te dizer "na minha época era melhor", nisso temos que concordar!
Nos anos 90, mais especificamente em maio de 1994, a TV Cultura lançou uma série que marcou a infância de muita gente, criado por Flávio de Souza e Cao Hamburger, Castelo Rá-Tim-Bum veio para inovar na programação infantil.

Plift Ploft Still, a porta se abriu!



Era essa frase que colocava Zequinha (Freddy Allan), Biba (Cinthya Rachel) e Pedro (Luciano Amaral) no mundo mágico do castelo, moradia de um menino de 300 anos chamado Antonino Stradivarius Victorius II, Nino (Cássio Scapin) para os íntimos, seus tios, a Bruxa Morgana (Rosi Campos) e o Bruxo inventor Doutor Victor (Sérgio Mamberti) e algumas criaturas mágicas.
A história da série era bem simples, Nino ao observar a cidade de São Paulo por um telescópio do auto do castelo, enfeitiça uma bola e leva as três crianças que a perseguiam para o Castelo, lá Zeca, Pedro e Biba ficam amigos de Nino e a partir dai visitam o castelo todos os dias, mas a vida no castelo não é fácil assim, a cada episódio o dono de uma empreiteira, Doutor Abobrinha (Pascoal da Conceição), tramava planos malucos para fazer Nino assinar um "contrato de venda do castelo", tudo para conseguir construir um "prédio de cem andares", mas "Pompeu Pompílio Pomposo" era sempre desmascarado  pelas crianças (geralmente pelo Zequinha).
Já deu para lembrar, né?!

Você Assobiou... CAIPORA chegou!



O Castelo era lar de diversas criaturas, o Gato falante da biblioteca, a depressiva cobra Celeste  (nooooossssaaaa), os passarinhos cantores, as botas falantes Tap e Flap, as fadinhas Lana e Lara (Fabiana Prado e Theresa Athayde) que viviam no lustre do castelo, a gralha Adelaide e as duas criaturas de espécies não definidas que moravam nos encanamentos do castelo Godofredo e Mau.
Fora os personagens fixos, o castelo sempre recebia visitas ilustres, das folclóricas às siderais, quem não lembra da Caipora ( Patrícia Gasppar)? Ela aparecia sempre que alguém assobiava, algumas vezes arrumava confusão, outras ajudava as crianças... mas uma coisa é certa! Ela sempre tinha uma boa história para contar. Outro personagem que aposto que todos adoravam, era o Etevaldo (Wagner Bello), um alienígena azul que chegou até mesmo a levar as crianças para o espaço! E quem não se lembra do Bongô (Eduardo Silva) o entregador de pizzas mais simpático e musical da história da TV!

Passarinho... que som é esse?



Muitas canções marcaram essa série, como "Lavar as mãos"  (tempo para você procurar no YouTube e relembrar o passado)... as músicas do dedo "Fura-Bolos" e seus amigos, as músicas do ratinho, em especial a do banho... "Tchau Preguiça! Tchau Sujeira..." e claro as canções dos três passarinhos que viviam em um ninho no alto da árvore da Celeste, e a cada dia nos apresentavam um instrumento novo...


É só o Mau correndo pelos encanamentos do Castelo!



Os quadros de Castelo Rá-Tim-Bum conseguiam conciliar  o divertido com o educativo, a Bruxa Morgana contava passagens da história da humanidade, desde as descobertas de Galileu Galilei até a história do cinema, o Gato Pintado (Miaaaau) sempre lia um poema da literatura brasileira, Lana e Lara brincavam enquanto ensinavam sobre objetos, Fura-Bolos cantava um bom e velho Rock'n Roll e ainda nos ensinava a contar, somar e subtrair, Tele Kid (Marcelo Tas) respondia as perguntas do Zequinha (Porque sim não é resposta!), Tíbio e Perônio (Flávio de Souza e Henrique Stroeter) que eram os caras da "Ciência senhor Branco!"  e os meus queridos Mau e Godofredo que sempre vinham com uma boa charada! (Não, eu não falei de TODOS os quadros... É MUITA COISA!)

Diversidade, feminismo e atemporalidade



Em comemoração aos 20 anos da série a TV Cultura voltou a exibir o programa e claro que eu não pude deixar de rever alguns episódios, o fato é que é impressionante ver a atemporalidade dessa série, assuntos como bullying já eram retratados ali, sem ficar chato. Mas para mim o mais legal é ver personagens femininas fortes (o que ainda está em falta na tv), Biba com seu jeito "menininha" era a mais racional do grupo (e fazia um ótimo macarrão), a Bruxa Morgana tinha um amplo conhecimento de história e a jornalista mais cor-de-rosa da tv, Penélope, era excelente em sua profissão, inteligente e intuitiva como um bom jornalista tem que ser.
Além de tudo as classes sociais eram representadas sem clichês, até porque elas não eram tão importantes, mas é legal reparar no clip "Lavar as mãos" crianças de todas as etnias, lugares e idades estarem lá sem separações.

E ai, sentiu saudade? Saiba que o MIS está com uma exposição maravilhosa que vai até dia 12 de outubro desse (2014), vale muito a pena ver de perto toda essa história:


http://www.mis-sp.org.br/icox/icox.php?mdl=mis&op=programacao_interna&id_event=1602


PS: Não pensem que eu esqueci do filme de 1999, mas tinha tanto para falar sobre a série, que não encontrei espaço para falar do longa... sorry :/

Morcego, ratazana, baratinha e companhia, está na hora da... FEITIÇARIA!!!


Reações:

Sobre o Autor

 
Top