Comentários
Dyonathan Lavall Dyonathan Lavall Author
Title: [REVIEW] LOST: IMPRESSÕES DA 6ª TEMPORADA
Author: Dyonathan Lavall
Rating 5 of 5 Des:
"No dia 22 de Setembro de 2004 uma jornada começou" Todo Começo tem um fim . E, chega ao fim o especial de 10 anos de L...

"No dia 22 de Setembro de 2004 uma jornada começou"

Todo Começo tem um fim. E, chega ao fim o especial de 10 anos de LOST do DDS com a review da ultima temporada da melhor de todas. Começando a escrever, é impossível não se lembrar de como descobri Lost: após o Fantástico, descobri que ia passar no lugar do “Domingo Maior” o pilot de uma série sobre um avião que caia em uma ilha. Resolvi assistir, e, vi a primeira temporada toda pela Globo. A exibição era de segunda a sexta, após o jornal da Globo. Eu estudava pela manhã, estava na 7°série, e acompanhei a fio, indo como um zumbi para o colégio. Meu vicio por séries tinha começado um pouquinho com 24 Horas, mas, foi LOST que despertou. Após acabar a primeira temporada, acompanhei tudo pela internet. Dá até saudade.

A última temporada de LOST foi exibida de 2 de Fevereiro de 2010 até 24 de Maio de 2010. Ela ficou marcada pela realidade alternativa que foi apresentada já no inicio do primeiro episódio. Se antes tivemos os Flashbacks (passado) e os Flashforward (futuro), nessa sexta temporada tivemos a introdução dos Flashsideways, que são eles no pós-vida, no “Mundo espiritual”, uma espécie de purgatório, como é revelado na ultima cena, são eles no pós-vida, para que eles pudessem se encontrar e seguir em frente, e, para isso, eles tinham que lembrar tudo que aconteceu durante a vida deles, tudo que viveram na ilha.

O Lostpédia ajuda a entender esses Flashsideways: "Dessa forma é possível dizer que não houve flash-sideways. Um exemplo é a ferida de Jack que aparece no avião no primeiro episodio da 6ª temporada. Essa ferida foi feita, na realidade, durante o series finale, na luta entre Jack e a fumaça na forma de Locke. Pode-se considerar, portanto, a ferida de Jack como um recurso narrativo para mostrar que os acontecimentos do flashsideways eram na verdade um flashforward, que pode ser interpretado como um purgatório onde os personagens da serie foram justificados, após a morte, como seria a vida deles se não existisse a ilha. Como se apenas fosse possível seguir em frente sem o questionamento da vida real que eles tiveram e como, mesmo nas dificuldades e sofrimento na ilha, eles encontraram a felicidade a partir dos laços de afeto que construíram nesse período."

Mesmo após 4 anos, tem gente que questiona se todos estavam mortos o tempo todo...

NÃO, ELES NÃO ESTAVAM e basicamente:
TUDO QUE ACONTECEU FOI REAL NA ILHA, TUDO. FLASHBACKS, FLASHFORWARD, TUDO REAL. Apenas os flashsideways da 6° que mostraram eles no pós vida. Como Christian fala para Jack na Igreja: “Você é real, tudo que aconteceu com você foi real. Todas essas pessoas aqui na igreja... elas são reais também. Todo mundo morre algum dia, filho. Alguns antes de você, alguns depois de você e alguns muito depois de você (Hurley, que vira guardião da ilha).”

Após essa explicação, voltamos ao inicio da 6° temporada: em “LAX” a imagem que mais choca, além de Desmond no Avião, e todos os easter eggs que acontecem, mostrando que algo aconteceu, é a ilha submersa. Você olha e pensa “Que merda é essa? A bomba explodiu?”. Só que daí, retorna para a ilha, mostrando que a bomba não explodiu. Dividindo assim as duas “realidades”.

Adoro essa cena, na boa.

Essa última temporada mostrou coisas que os fãs queriam explicações faz um tempo: Origem de Richard, Jacob, Homem de Preto, Os Candidatos de Jacob. No episodio “Ab aeterno” foi mostrado a história de Richard Alpert, como ele chegou à ilha, como a estatua de 4 dedos foi quebrada, como ele ficou imortal, não envelhecendo desde então, seu encontro com Jacob e o homem de preto. Detalhe do episodio é Richard falando que a ilha é o inferno, e todos estão mortos, haha, teoria antiga de alguns fãs de Lost.

“Across The Sea” foi outro excelente episódio, dando respostas sobre Jacob, o Homem de Preto, e, sobre aqueles esqueletos encontrados na caverna por Jack e Kate na primeira temporada, que são o Homem de Preto e a mãe de Jacob. Esses corpos tinham uma bolsa com pedras. Uma branca, e uma preta. Foi Jacob que colocou os corpos ali. Se lembrarem bem, Jack fala que esses corpos não têm mais que 50 anos. Só que eles têm séculos. Talvez as viagens do tempo da ilha ajudem a explicar o fato. Eu, sempre acreditei que esses corpos seriam a chave de tudo. Damon falou uma vez que após todos os mistérios de Lost fossem solucionados, os fãs olhariam para aqueles esqueletos e diriam que eles (os produtores) sabiam de tudo desde o início. É, realmente.

Curiosidade: Obama (O VICIADO EM SÉRIE QUE VÊ TUDO ANTES) Mudou a data de um dos seus discursos porque ela coincidiria com a estreia da 6°temporada. Os produtores, Damon e Carlton falaram que o presidente podia faze qualquer pergunta sobre qualquer mistério ainda não resolvido. Obama perguntou sobre os esqueletos.

Tá ficando grande, né? haha Mas a 6ª temporada merece. Bem, vamos falar da series finale... =(

A Series Finale de LOST foi vendida como ‘o evento do século’: Lost series finale event. Todo mundo queria respostas, todo mundo queria ver, saber, saber. Para muitos, a series finale foi uma mer..., péssimo, ruim, muitos acharam que todos estavam mortos até, e não entenderam (após a exibição do episódio na tv americana, apareceu os destroços do avião nos créditos, o que deu essa ideia para alguns. Depois, foi explicado que o programa que viria a seguir, por ser um programa jornalístico, acharam que cairia melhor mostrar os destroços na transição do final de Lost, para o inicio do programa). Eu, particularmente, achei genial esse final. Um final lindo, como vários dos atores falaram no vídeo de despedida de Lost. Acredito que foi um series finale incrível, não estragando a série. São 8 ou 80, ou você vai achar incrível, ou uma porcaria total, não tem outra.

Outra Curiosidade: No dia que foi exibido o series finale de LOST, o “Pânico na TV” desbancou a série dos assuntos mais comentados no twitter, MUNDIALMENTE, liderando os TTs com o assunto “Gorete”. Nesse domingo, o Pânico exibiu a transformação de Gorete no quadro “Gorete quer ser Gisele” (que no fim, ficou parecida com a Marcia Golshimidt). Emilio chegou a falar no programa, ao vivo, que o programa tinha desbancado LOST e estava liderando só TTs mundiais. Nesse dia, o Pânico atingiu a maior audiência da sua historia com 13 de média (não chegou a serem 13 redondos, foi 12 alguma coisa, mas, não lembro ao certo rs) e 17.6 (18) de pico. E 20,3% de share. Hoje, o programa dá 4 pontos de media na Band.

Por fim, foi uma honra fazer parte desse especial de 10 anos de Lost aqui no DDS. Além de relembrar coisas da série, espero que vocês tenham gostado das reviews e dessa semana especial. Quatro anos após LOST, muitos tentam vender novas séries como ‘o novo lost’ foi assim com Alcatraz e com Flashforward. Só que eles não entenderam ainda que LOST é ÚNICA e é insubstituível. Nada vai chegar perto do que foi LOST. A série mudou a televisão, o jeito de fazer seriados, como diz Daniel Dae-Kim no vídeo da ABC de despedida do elenco: “É impossível falar de tv no século XXI e não falar de LOST”.


Foi um prazer, namaste!


Reações:

Sobre o Autor

 
Top