Comentários
Michelle Louise Michelle Louise Author
Title: [REVIEW] OUAT S04E06/S04E07 - FAMILY BUSINESS/ THE SNOW QUEEN
Author: Michelle Louise
Rating 5 of 5 Des:
Vou começar essa review me desculpando imensamente por todo esse atraso, porém, esse último semestre na faculdade estava cruel comigo e...

Vou começar essa review me desculpando imensamente por todo esse atraso, porém, esse último semestre na faculdade estava cruel comigo e, além de tudo, fiz o favor que ficar de cama/hospital por alguns dias. Não tive cabeça para fazer reviews. Mas, tenho três boas notícias. 

Primeira: meu semestre acabou e eu passei em tudo, logo, sem mais reviews atrasadas por ai. 
Segunda: Estou melhor, logo, sem desculpas para atrasos. 
Terceira: Essa review será dupla sobre o 4x06 e 4x07 e, seguidamente, postarei a review individual do 4x08. Assim, quando a série voltar semana que vem eu estarei em dia e pronta pro abraço. Sem mais delongas, vamos para a review.

S04E06 - FAMILY BUSINESS 

Tenho que admitir aqui que OUAT encontrou na linha narrativa de Frozen uma chance de expandir o seu roteiro  de uma forma que não tinha acontecido em OZ ou Neverland. A forma como as histórias em Arendelle e Storybrooke foram conectadas abre uma porta infinitas de possibilidades para a ligação e paralelos entre as histórias e parece que os escritores agora, na reta final da 4A, aprenderam a dominar. Family Business foi um episódio desses onde, bem escrito e bem elaborado (mesmo com algumas atuações me incomodando um pouco) foi um bom episódio. 

Antes eu tinha como vãos e até bobos os motivos da Snow Queen para ela fazer tudo que queria fazer. Porém, eles não são tão fúteis assim, ela quer crirar a família perfeita (vejo gente real matando por menos aí, gente), com ela, Emma e Elsa e, vamos combinar. As três são as mais fortes até agora. Ingrid, também, teve outro ponto bem alto, apenas ela conseguiu colocar Gold em um local nunca antes atingido, abaixo de alguém. Não podemos contar Pan, porque ele era pai de Rumple, logo, estar abaixo e com medo era o rumo natural das coisas. 


Porém Rumple recupera sua vantagem quando tem o chapéu em sua posse, e o jogo de interesses entre ele e Ingrid (me permitiam chamá-la assim, porque Snow Queen é outra coisa pra mim) está me deixando curiosa. Nessa de “eu tenho a vantagem e agora não tenho mais” e “eu sei o que você quer, e eu quero dar para você" (#IngridTaQuerendo) as coisas vão tomando um rumo interessante no qual Rumple toma o centro ao lado de Ingrid, mantendo a série focada nos protagonistas, coisa que eu sempre quis.

Mas, o episódio teve foco em como Belle conheceu Anna antes e como ela não salvou sua vida quando teve a chance. Pois bem, me  julguem se quiserem, mas achei fraca a atuação de Emilie,o que me irritou porque todos sabem o quanto eu amo a Belle e queria ver seu personagem sendo mais explorado. A paixão de Belle pelos livros explicada juntamente com a morte da mãe dela ganhando uma atenção adicional, e eu gostei disso. Dar abertura para um personagem com tanto potencial como ela dentro da história é importante e nos mostra que a mãe dela foi, também, extremamente corajosa se sacrificando desta forma para salvar a filha. 


Quando o reflexo no espelho mostra para Belle que Rumple só está com ela por ser alguém fácil de manipular, é um ponto que, por mais que eu odeie pensar, faz sentido. Acho que todos gostam de se sentir amados, mas ele gosta disso e de estar no controle da mesma forma, logo, faz sentido o que o espelho diz. E ele fica claramente assustado quando ela fala da adaga. Porém, me nego a aceitar isso, eu ainda acho que ele a ama sim, mas, ele ama mais ainda o poder e não pode lutar contra ele.

Voltando a Ingrid e suas misteriosas irmãs, Anna achou estranho nenhum registro dessa tia. E eu achei estranho Grand Pibbie guardar um segredo desses por anos e falar para a Anna tão facilmente sobre ele. As memórias de todos serem apagadas sobre Helga e Ingrid foi estranho e gera a dúvida do que poderia ter acontecido. O que eu acho irônico, bem, não necessariamente irônico mas curioso, é o fato de Ingrid sair condenando as pessoas normais por achar automaticamente não irão aceitá-la, quando ela condenada Anna por achar isso, ela está condenando a pessoa que poderia justamente aceitá-la como ela é, assim como Anna aceitou Elsa a todo esse tempo atrás. 


E, mudando de núcleo, se depender do Robin desapaixonar da Regina para a Marian descongelar, teremos picolé de Marian até o fim dos tempos. Meu coração pesou quando Regina pede à ele para esquecê-la porque eu sei, e vocês também sabe, que essa éa última coisa que ela quer, a última coisa que ela precisa. Porém, ela sabe que não há perspectiva de cura mágica para a  esposa dele e ele mesmo precisa salvá-la, coisa que ele não pode fazer estando apaixonado por outra pessoa. Tudo tende a ficar mais complicado nesse plot, também, da série.

Family Business foi um bom episódio para introduzir questionamentos e explicar histórias e conexões de personagens. Histórias essas que foram muito bem explicadas no episódio que se seguiu a este.

S04E07 – THE SNOW QUEEN


Fomos apresentados a Ingrid e sua triste história. História essa que poderia facilmente ter sido a de Elsa, mas não foi. Once Upon a Time no fim é sempre uma história sobre a dualidade do amor e do ódio e do como a linha entre esses dois pontos é tênue. Tênue até demais, para meu bom coração.

Eu sempre penso que uma pessoa é a somatória daquilo que acontece com ela durante sua vida. Claro, isso não é uma regra, mas se as pessoas ficam gritando ao seu ouvido quase 100% do tempo que você é um monstro, se sua família te tranca em um jarro por medo de você, de certa forma é isso que você se torna. 

Ingrid não era má, ela procurou ajuda. Ela queria ser normal, afinal, ninguém pede para nascer diferente. Suas irmãs até a ajudam, quando as coisas fogem de controle e Ingrid acaba matando Helga, a irmã que eu achei mais doce, e tudo vira de cabeça pra baixo. Mais do que mostrar a história da Ingrid, pudemos perceber e fazer uma conexão com as histórias de Elsa e Emma. Rejeição e não aceitar quem somos pode ser um perigo, ainda mais quando tudo isso está velado, como está sendo com Emma.


Prender Ingrid, havia sido fácil até demais e que ela havia um plano era tão óbvio quanto dois e dois são quatro. Ela queria algo que jamais conseguiria sem ser presa, um momento à sós com Emma. E ali ficou claro que Emma ainda é uma criança com muito a aprender na arte da magia. Ela perde o controle se sua mágica porque Ingrid a desestabiliza e Emma é, no fundo, um caminhão de sentimentalismo que se faz de forte. 

Ingrid a desestabiliza emocionalmente e então  Emma mostra o quanto ela é guiada pelo que sente e pelo como se sente. E aqui eu abrirei espaço para falar de um personagem que teria papel fundamental para que Emma não se sentisse assim e este personagem se perdeu na série a muito tempo.

Todos sabem que eu estou incomodada com Mary Margareth a muito tempo e esse episódio amplificou as coisas, eu estou incomodada com as atitudes dela e isso feriu Emma de forma direta. Gritar com ela na rua como se Emma pudesse controlar o que ela estava fazendo e não deixar que ela segurasse o bebê foi absurdo. Emma sempre teve a síndrome de rejeição ligada a sua pessoa e a última coisa que ela precisava é que sua própria mãe, depois de tanto tempo, viesse com atitudes como essa. Foi triste e foi de machucar a Emma literalmente. Esse olhar de diferença que Mary Margareth dá para Emma apenas a firma como o diferente dentro da família Charming, a família perfeita. E não deveria ser assim.


Ingrid, pode ter essa forma bizarra de agir, mas ela quer que Emma entenda que ela entende a Emma no íntimo. Talvez a única pessoa que possa entender Emma dessa forma é Regina aqui em Storybrook e a própria Savior já disse isso, essa magia, esse diferencial que as torna única, as torna de difícil compreensão, de difícil entendimento.  As fitas que simbolizavam a união entre as irmãs, e para mim muito mais que isso se querem saber, acaba ficando em poder de Rumple e ainda acho que isso pode trazer problemas para alguém em Storybrooke. Agora é esperar pra ver.

E, por favor, alguém traga o Will aqui que eu quero abraçar aquele lindo e chamá-lo para ser padrinho no dia que Regina e Robin se casarem. Eu adoro como OUAT mostra o sentimento de formas tortas as vezes. E é interessante notar que as sutilezas são dadas de formas diferentes em cada personagem. Robin não consegue esquecer Regina, mesmo que ela já tenha pedido a eles duas vezes para fazer isso, e então o que ele faz? Isso, ele bebe.

Ele bebe e o homem que nunca erra o alvo, não consegue acertá-lo em um simples jogo de dardos. Pois bem, então entra Will na conversa (quase monólogo do Robin) para colocar uma voz de racionalidade na cabeça do perdido moço. Quando se encontra o amor verdadeiro, você luta por ele. E se você achar alguém que vale a pena arruinar a sua vida toda por, sempre vale a pena. Pois bem, Regina é isso para o Robin. Vale a pena abandonar todos os códigos e honras por alguém que você verdadeiramente ame, por algém com quais os momentos vividos tenham valor real e que não pode ser medido. Muita gente criticou Regina por ter correspondido ao beijo e , gente, de que planeta vocês são?! 

Se você ama alguém, você tenta fazer o que é certo para a pessoa e Regina tentou isso, ela tentou se afastar, ela tentou fazer ele esquecê-la, ela tentou. Mas quando o homem que você ama chega e te beija da forma como ele a beijou, como se ela fosse a única coisa para ele na Terra, me desculpem os puritanos, mas você corresponde sim. Porque existe sentimento envolvido  e, já sabemos, Regina sente as coisas com toda a alma dela. E a alma dela é amor. Não me digam que ela estava errada, porque ela foi correta em cada movimento. Ela foi Regina e ela deixou a vontade que de tê-lo para si tomar conta em um momento que ele também estivesse pronto para isso novamente. 


Adultério?! Gente, sério que esse é o argumento de vocês? A mulher dele estava morta e foi nesse período que ele desenvolveu sentimentos pela Regina. A mulher dele voltou, tudo bem, e agora está congelada e Regina está feito doida procurando a cura para isso. Mas nada muda o fato de que, gostem os haters ou não, eles sãs destinados a estarem juntos. E que o Robin passou anos tentando aceitar a morte da esposa e fez isso. Entendo que ele ainda esteja casado, teoricamente, porém, vocês terão de melhorar a argumentação de vocês com algo além de “adultério” para me fazer parar de shippar, afinal todos defenderam a Snow na época que David era casado. A situação era diferente sim, mas era ao mesmo tempo muito similiar. Porque ambos não conseguiam lutar contra o que sentiam. David tinha toda a questão de não lembrar de sua esposa e Robin enterrou a sua a muitos anos. Podem afirmar que as memórias do Charming na época eram falsas, porém, para eles elas eram reais. Para David e Mary elas eram reais e para eles aquilo era adultério. A justificativa era: eles são True Love. Robin e Regina são Soulmates, qual a diferença? 

Robin abandonou seus valores, Michelle. Okay, vamos debater sobre isso. O que é ser correto? O que é ser justo? O que é ser verdadeiro? O que é ter honra? Concordo que ele precisava conversar com Marian, mas a mulher ta congelada e acho que isso é uma pequena impossibilidade no momento. Ser justo, ser correto e ser bom é também ouvir seu coração. Isso é algo que todos falam o tempo todo mas que quando acontece, ninguém busca entender. Fico feliz que você nunca esteve numa situação de estar preso de alguma forma a alguém e não conseguir tirar outra pessoa da cabeça. Fico feliz que você não saiba o que é estar dividido e arriscar tudo ao escolher um lado. Fico feliz, mas saiba que a vida nem sempre é linda e bela dessa forma. E agora, sentem que Tia Mi vai dar bronca no fandão que tá merecendo. 

Usarei esta review para fazer um apelo: Eu aceito você não gostar de um shipp e, por seja qualquer que sejam os seus motivos, não gostar de um ator. Porém, é válido lembrar que atores são, antes de qualquer coisa, pessoas que sentem da mesma forma que vocês e que não gostam de serem ofendidos de forma gratuita. Não sou obrigada a aturar crise de 5 anos de pessoas no twitter xingando o Sean de forma infantil e besta, independente do motivo. Eu não aceito agressão gratuita e, sinceramente, o que ele fez para vocês? O que diabos a pessoa Sean fez para vocês? Parem. Tá feio.  Sinto informar, criança, mas mandar pra ele “você é um ator de bosta” não é crítica construtiva. Critica construtiva é eu vir aqui avisar vocês que, como pessoa e ser humano, ele merece respeito assim como qualquer outro ator e que é preciso, sim, parar com essas atitudes imaturas no twitter e em qualquer outra rede social. Parem de usar o anonimato que a internet te proporciona para xingá-lo desta forma. Colocar-se no lugar no outro não deveria ser um exercício tão difícil. Se coloquem no lugar dele e de qualquer outro ator que vive levando patada no twitter porque fala de um shipp que você não concorda, e pensem em como vocês se sentiriam. Aposto que metade dos tweets que vi, não teriam sido publicados se o “olhar para o lado” acontecesse dentro desse fandom. 

PS1: Me desculpem o desabafo.
PS2: Me desculpem a demora.
PS3: Me desculpem por existir.
PS4: Achou ruim? Achou OQ demais? Calma, teve Morning After, pode piorar ;) 
Reações:

Sobre o Autor

 
Top