Comentários
Michelle Louise Michelle Louise Author
Title: [REVIEW] ONCE UPON A TIME - S04E11: HEROES AND VILLAINS.
Author: Michelle Louise
Rating 5 of 5 Des:
“Eu vou te contar uma história. Sobre heróis e vilões. Onde os vilões sempre perdem”.  Me desculpem a certa demora, dentro do que...

“Eu vou te contar uma história. Sobre heróis e vilões. Onde os vilões sempre perdem”. 

Me desculpem a certa demora, dentro do que prometi, para escrever essa review. Demorei um pouco para conseguir parar de rever as cenas, falas e momentos que tanto me abalaram dentro desse episódio. E se alguém, algum dia, me dissesse que iria sofrer tanto com Once Upon a Time, eu teria rido.

Que Winter Finale fantástica nós recebemos. Marcadas por despedidas, fortes despedidas e por resoluções de histórias que, no fim das contas, deixarão sua saudade. No balanço geral, Frozen não foi uma das minhas pontas favoritas na série, muitas vezes o plot me deixava sem paciência e eu acaba desgostando, porém, foi um plot muito positivo também. Eles conseguiram manter a essência do filme e dos personagens do filme dentro da série até o seu final e eu sentirei extrema falta de Anna e toda a sua sinceridade e falta de jeito, do Kristoff que mal esperava a encrenca que havia se enfiado quando resolveu casar com Anna e Elsa que, finalmente, depois de tanto tempo se aceitou. Amei, incondicionalmente, que eles terminaram esse arco da mesma forma que termina o filme, sabem?! Com aquele cheiro incrível no ar? CHOCOLATE! Ah, outra dúvida que surgiu: O portal. Para mim, em meu simplório entender, ele sempre esteve lá porém, a vassoura apenas o revelou. 

Sentirei falta desses personagens andando pelas ruas de Storybrooke e por isso deixo aqui uma leve crítica deste fim do arco. As despedidas foram simplórias perto do que poderiam ter sido. Se esse episódio fantástico pecou em algum ponto foi em mostrar coisa demais para 43min e as coisas ficarem corridas. Porque não mostrar a despedida de David e Anna, por exemplo? Porém,  a atenção do episódio estava em outro ponto. Estava naquele que nós sempre soubemos onde a fraqueza estava. O plot era Rumple e, claro, a introdução das Rainhas da Escuridão Cruella, Maleficient e Úrsula. 


Rumple achou que poderia conseguir tudo que queria e estava usando Hook para isso, porém, uma Belle que mal vinha aparecendo no decorrer da temporada resolveu agir. A frase dela é justamente o que eu senti na personagem e se foi essa a intenção dos produtores, eles acertaram bem “Eu me perdi tentando ajudar você a encontrar você mesmo”.  Belle sempre teve essa fé cega em Rumple e na mudança dele, sem parar para perceber pequenos detalhes que estavam visíveis pra ela. Ele sempre escolheria o poder, afinal, não foi por isso que ele foi capaz de abandonar o próprio filho? Não são todos que recebem a segunda chance e fazem bom uso dela, como Regina fez. A diferença entre dizer Adeus e Desapegar é muito grande. Belle desapega de Rumple, ela o comanda a ir para fora da cidade. Tudo que ela queria era ele, e tudo que ele queria era...tudo. Não se pode ter tudo e agora, ele não tem nada. Nem mesmo Belle pode mais ver o homem por trás da fera. 

Hook, com a ajuda de Emma recupera seu coração e foi bom ver que ele se manteve um sobrevivente apesar de tudo, salvo por Belle ele pode agora ter seu coração de volta, achei fofo Emma perceber que algo estava errado com ele e gostei da gentileza empregada pela moça para devolver o coração dele no peito (similar a forma como Regina coloca o da Marian, olha vocês duas cavalas....). Dando créditos a Hook, achei lindo ele mesmo sobre comando do Crocodilo conseguir pedir ajuda a Emma segurando no pulso dela daquela forma. 


Quando eu cito a diferença entre dizer adeus e desapegar como eu falei acima fica clara na cena que destruiu aquilo que eu ainda tinha de coração shipper para ser destruído. Robin escolheu, finalmente. Depois de tantos episódios de dúvidas, agora, com Marian acordada para ver o que se passava ele escolhe seu coração. “My heart took me here” lembram? Eles eram destinados a estarem juntos. Porém, não seria uma finale de Once Upon  a Time se Regina terminasse feliz, então...shits happen. 

Resquícios da maldição estavam presentes em Marian e, a partir do momento que Regina coloca o coração dela de volta, ele seria atingido. Ela precisa deixar a cidade e viver em um mundo sem magia. Ela precisa sair de Storybrooke. No fim, Robin nunca teve poder de escolha, porque mesmo que seu coração gritasse em querer ficar, ele precisava sair. E então, Regina diz adeus. Ela não suportaria ouvir ele dizer que a ama e, então, deixar a cidade. Deixar ela. Ela sabe o que ele sente, ele sabe o que ela sente e não havia necessidade das três palavras serem ditas já. Esse não é o tipo de coisa que se diz em despedidas, eu espero isso em um reencontro. 

Quando ele se vai, todas as esperanças dela em um final feliz se vão junto, e não há sinal mais claro disso do que um momento muito simples, um ato muito simples. Rasgar aquela página 23 que poderia ter sido sua história, é sinal de que ela perdeu a esperança em ser feliz, porque no fundo, ela sabe que a felicidade dela estava com ele. Quando Robin cruza a linha da cidade para não voltar o happy ending dela e toda a felicidade que aquele “Eu escolho você” trouxeram se vão. 


Porém, Regina também mostra o quanto cresceu. Quando Rumple tenta convencê-la que seria mais fácil tirar Marian do caminho, ela pensa sim na possibilidade. Ela pensa nas possibilidades infinitas que isso daria para ela, mas não. Ela não é mais a Evil Queen, ela é a Regina que cresceu e abraçou as segundas chances que lhe foram dadas, mesmo isso significando a perda de sua maior segunda chance. Ela cresceu demais para recuar agora, ela faz o que é certo. E o que é certo, nem sempre é fácil. “Eu sei que fiz a coisa certa porque eu terminei infeliz”, é a frase que ela fala para a Emma e que corta meu coração demais, porém, é a dura realidade dentro dessa série. 

Rumple e Regina são os dois opostos da mesma moeda, um abraça as segundas chances e resolve fazer a coisa certa o outro perde tudo aquilo que havia conquistado simplesmente porque sua ânsia de poder foi maior do que tudo. Dentro desse contexto de sede de poder e de querer finais felizes entram as três vilãs que irão compor a segunda parte desta quarta temporada. Querendo seus finais felizes, querendo que as coisas mudem, Úrsula, Cruella e Maleficient vão se unir a Rumple para buscar o autor do livro e tentar encontrar o seu final feliz. 

O que foi positivo, no fim das contas, porque se Rumpe quer voltar ele precisa quebrar o feitiço deixado pela Snow Queen para poder ver Storybrooke novamente e nisso, Robin pode se aproveitar da situação e voltar. Úrsula, praticamente comprou o acordo e falta saber onde encontraremos Cruella (diva fantástica que já me ganhou em menos de um episódio com toda aquela perfeição) para voltar a cidade. É importante lembrar que Maleficient está em Storybrooke escondida no subsolo da biblioteca e isso tem gerado dúvidas. Emma matou ela, sim, em forma de dragão, lembram? Porém Regina havia dito antes disso que ela havia colocado um feitiço na Maleficient e, sob qualquer forma, ela estaria sempre na biblioteca. Hoje, ela está na forma de cinzas, mas está lá. A questão é como ela “viverá” novamente.  


E se a Operation MoMgoose, digo, Mongoose perdeu um membro com Robin, ela ganhou outro. Que sabe exatamente a hora de dar discursos de esperança e a hora de ser parceira na bebida. Sabe, Regina, eu também ficaria mais conformada sabendo que Rumple também rodou nessa brincadeira. Os livros e todas as possibilidades quase infinitas de novas histórias foram encontrados por Henry e isso volta a alimentar as esperanças de Regina. Acho que ficou evidente que o escritor é o feiticeiro, já que os livros estavam na casa dele, porém, encontrá-lo é a missão atual por todos os vilões que agora estão na série. Porém, eu ainda aposto em minha própria teoria, e eu sei que tem mais gente que pensa assim. Acho que eles mesmos são os autores do livro, cada um faz o seu destino baseado em suas escolhas. E as escolhas de cada um moldam como será seu futuro. Regina e Rumple tiveram escolhas diferentes, por isso acredito piamente no happy ending dela. Rumple é vilão por essência.. O feiticeiro pode até escrever a história, ou a introdução dela mas o livre arbítrio que rege os personagens faz com que as histórias possam ser modificadas, como Regina conseguir ficar com Robin depois de tanto tempo. 

Heróis e vilões nos aguardam em março, e eu estarei aguardando vocês lá também. Obrigada por todo o carinho que recebi esse ano e por todos os comentários que sempre me motivavam a escrever sempre melhor. Ver as reviews ficando nas matérias mais lidas da semana sempre me deixava muito feliz e vocês são responsáveis por isso, então, muito obrigada.

Boas festas e até março!

PS1: tentáculos escrotos daquela Úrsula! Volta Evil Queen e todo o seu...“Dilemma”
PS2: Chorei e ainda choro revendo essa cena que vai me doer a vida toda. VOLTA ROBIN.
PS3: Só CS e SQ terminaram essa bosta de episódio feliz. Ta legal, ta bacana
PS4: Lana, roubou o episódio para si. ATUAÇÃO DO CAPETA QUE ME DESESTRUTURA. 



Reações:

Sobre o Autor

 
Top