Comentários
Gabriel Diniz Gabriel Diniz Author
Title: [REVIEW] CSI - S15E11E12: ANGLE OF ATTACK AND DEAD WOODS
Author: Gabriel Diniz
Rating 5 of 5 Des:
15x11 - ''Angle Of Attack'' Cuidado, você pode ser atingido a qualquer momento por alguém utilizando um wingsuit ! ...

15x11 - ''Angle Of Attack''

Cuidado, você pode ser atingido a qualquer momento por alguém utilizando um wingsuit!

Posso começar essa review com a certeza de que essa é, verdadeiramente, uma das melhores temporadas que estamos tento nesses últimos anos. Com enredos, histórias e temas excelentes, ‘‘Angle Of Attack’’ não ficou pra trás. O episódio, pra mim, foi extremamente bem elaborado nos mínimos detalhes, nas menores histórias do enredo, desde aquele vidro quebrado que a equipe remontou, até o ‘borunfunfum’ entre o piloto e o major. E como eu falei em uma das minhas primeiras reviews, CSI já está a muuuito tempo no ar e por isso os escritores precisam sempre encontrar novos assuntos para que mudem um pouco a temática dos episódios. E nesta temporada estão conseguindo fazer isso muito bem.

Por início, podemos até acreditar que alguém morra caindo do céu, tendo pulado de algum prédio, pra se suicidar. Mas quando um homem é encontrado com índicos de que caiu do céu ou então pulou de algo, sem ter nenhuma edificação por perto, fica meio complicado, né? Pois foi isso que vimos nesse epi. Um simples assassinato de um contador revelou ser uma história muito maior, envolvendo a força aérea e projetos do governo. 


Desde o início do episódio até mais ou menos os 10 minutos temos tantas informações e que não parecem fazer o menor sentido: Um objeto voador (que seguia em alta velocidade pelos ares de Vegas) atinge um prédio de 30 andares, acerta um homem inocente, que é arremessado a uma distância de 90 metros e cai na rua. Depois disso a equipe precisa descobrir que objeto é esse e onde ele foi parar, e quando eles conseguem descobrir, somos levados a outra parte da cidade, onde um táxi foi atingido por alguém em uma wingsuit - e a única coisa inteira lá é uma bota com metade de um pé (???). Quem não ia querer saber o que tinha acontecido ali?

Não sei vocês, mas na primeira vez que Russell entrevistou o Major Mills junto com a esposa de Holland achei que os dois estavam tendo um caso, pelo jeito que ele se comportou e também percebi como se ele estivesse querendo se limpar, jogando a culpa pra cima do Capitão. E Mills tinha mesmo um caso, mas não com Amanda... E sim com seu marido. Nessa hora a maioria deve ter se surpreendido, porque por mais que alguém pensasse que ele era mesmo o assassino, ninguém imaginava que houvesse um caso entre os dois.


Todo o desenvolvimento do episódio fez com pensássemos que o verdadeiro assassino era Claudia Mason, por conta das evidências, que nos levaram a pensar que ela e o Capitão Holland tinham um caso e que antes das suas praticas de voo, eles tinham relações sexuais. Mas ela era mesmo só a chefe que se achava e que queria sempre mais e mais de seus funcionários. Além disso, a morte do outro capitão Ferris foi um meio de nos fazer acreditar que ambos os capitães tinham desenvolvido uma doença por causa das inúmeras horas que passavam trabalhando.


Vendo toda a história do caso, percebemos o tanto de reviravoltas e também o que o amor e um relacionamento fora do casamento podem causar. Holland terminou com o Major Mills porque a sua esposa já estava desconfiando de algo e porque ele realmente a amava. Mas Mills queria o piloto só pra ele, e em certo ponto até pensou que isso aconteceria de verdade. Porém ele caiu do cavalo e ai toda a raiva acabou num assassinato brutal.

Pra fechar, como eu disse no início, achei esse episódio muito bem produzido e elaborado em todos os momentos, além de um tema bem legal, que nos remete ao amplo mundo das tecnologias de hoje e também as que vem por ai num futuro bem próximo. E assim podemos continuar a temporada por mais algum tempo: com ótimos episódios.

PS 1: Você sempre terá a escolha certa pra se fazer, então basta escolhe-la e não jogar sua vida por água abaixo.
PS 2: O apoio que Russell deu a Amanda foi bem legal. E o seu momento de ‘’inocência’’ lá na sua teoria junto com Greg foi engraçado.
PS 3: As conversas e teorias que Hodges e Henry fazem geram sempre cenas bem legais.

15x12 - ''Dead Woods''


Esse foi, sem dúvidas, o episódio mais emocional dessa temporada até aqui. Um caso de dez anos atrás que envolve o assassinato de quase uma família inteira e que mexeu realmente com a nossa CSI veterana que já viu de tudo um pouco, desde riscos de vida, ameaças de morte até o assassinato do pai pela própria mãe.

Essa review vai ser praticamente toda voltada pra história de Sara e Abby. Nós já sabíamos de algumas coisas do passado de Sara, mas quando os escritores decidem fazer episódios assim, em que temos vários flashbacks de algum tempo atrás, acabamos nos envolvendo e meio que relembrando o que ainda não vimos, pois o enredo nós faz pensar que aquela cena já aconteceu, mas nunca foi mostrado realmente durante algum episódio do passado.  

Nesse episódio conhecemos mais do lado forte, bravo e incansável por justiça de Sara, assim que Abby Fisher, a única sobrevivente de um terrível massacre tem pequenas lembranças. O bom de ser ver episódios que nos levam ao passado, é que além de nos fazer conhecer outro lado da vida dos personagens, vemos que pequenas coisas podem trazer lembranças de volta, como por exemplo, o cheiro de alguma coisa, que neste caso, fez com que Abby se lembrasse de parte do rosto do assassino de sua família e assim fazer com que o caso fosse reaberto.


A CSI ficou extremamente envolvida profissionalmente e emocionalmente, claro. Todo aquele caso, todos aqueles momentos que Abby passou fez Sara lembrar da sua infância conturbada, quando sua mãe matou seu pai. Mesmo sendo uma obra fictícia, todos nós sabemos que isso ocorre – e muito – na vida real. Seja marido que mata a esposa ou a esposa que mata o marido.  Muitas vezes vimos Sara passar por dificuldades, por momentos de recaídas. E naquela época ela tinha a Grissom para lhe confortar. Mas já que agora tudo se foi, ela se identificou em Abby por conta de todas as suas dificuldades. E Greg estava lá pra conversar com ela sobre um dos assuntos mais difíceis que ela tinha pra contar.

Sara foi sempre forte, esteve lá pra fazer com Nick não desistisse do emprego, esteve lá pra defender pessoas de alguns assassinos, esteve lá sofrendo. Quase perdeu a vida por causa de um vírus mortal. Esteve lá quase morrendo, mas mesmo assim foi em busca de ajuda. Quase morreu presa de baixo de um carro por causa de uma maníaca. Tomou a decisão de sair de Las Vegas e dar um tempo naquilo e de quem ela mais gostava. Voltou quando um dos seus melhores amigos morreu em seu próprio carro. Se viu beijando seu amado quando ele renunciou a tudo e a todos para ficar com ela. Retornou a sua casa e foi ajudar sua família novamente. Viu a partida de 2 amigos que estavam lá desde o início de tudo, e chegada de 2 inteligentes e fascinantes membros, e que hoje formam uma nova família. Quase perdeu de novo contaminada por um vírus mortal diferente. E mesmo com todas as suas dificuldades, suas perdas e seus momentos de tristeza, ela lutou, foi forte e deu a volta por cima. Hoje ela é a nossa Sara Sidle. E que seja por mais muito tempo.

E agora falando sobre o caso, foram poucos os suspeitos, mas de cara eu já percebi que Fogel não era o assassino. Ele realmente não parecia ter matado toda aquela família, ainda mais a sua filha à sangue frio. Então quando Sara e Morgan foram naquele clube, eu já imaginava que alguém ali era o culpado. E quando Nick encontrou o principal suspeito morto, minhas suspeitas sobre Randy ser o assassino praticamente se confirmaram. Quem mais teria motivo pra matar Fogel? E outra, quem mais saberia que os CSIs iriam atrás dele?

E mais uma vez falo da história de Sara. Esse foi um daqueles episódios que ela parecia ser a própria vítima, que lutava e fazia de tudo pra conseguir a verdade, e não porque era simplesmente o seu trabalho, e sim porque ela queria a poder dar a verdade pra quem passou anos odiando o pai, por pensar que ele tinha assassinado sua mãe, sua irmã e se matado depois.


Eu penso que esse episódio marcou essa temporada por ser um pouco mais brutal do que o normal, pois quando se envolve crianças inocentes tudo que já é triste fica ainda mais triste e nós nos revoltamos em busca da justiça e da verdade. E ainda mais pelo motivo que fez aquele homem matar toda uma família e acabar com o futuro de várias pessoas.

E pra finalizar, tenho que falar da relação entre Sara e Abby. A CSI é quase que uma mãe para a menina, uma pessoa que cuida de alguém como se fosse sua filha, como se fosse da sua própria família. Sara é realmente a que toma conta e pega no pé de Abby. Por conta de sua infância difícil, Sara tinha tudo pra se tonar uma serial killer, uma sociopata, alguém com raiva da vida e com ódio das pessoas. Mas não. Ela preferiu ajudar aqueles que tem ou que tiveram momentos tristes e trágicos como os dela. Sua relação de amizade com Greg também foi aquele momento em que os CSIs se abrem e independente de quando seja, sabem que vão ter um amigo ali para lhe escutar. E é por isso que eu amo tanto essa série.

PS 1: Pra quem não sabe, Jorja Fox é vegetariana e protetora dos animais na vida real. Acho que aquela fala ‘’Ele queria viver’’ deve ter sido acrescentada por ela mesma. E gravar aquela cena com todos aqueles animais empalhados deve ter sido difícil.
PS 2: Não sei se aquele equipamento que o Greg usou para detectar as substâncias pelo cheiro é verdadeiro, mas é bem legal.
PS 3: O oficial Akers dando cobertura pra Sara foi o único momento que eu dei uma risada nesse episódio (não que isso seja ruim).
PS 4: Mais momentos de conversas entre a equipe, por favor...
PS 5: O cenário na floresta foi o melhor desta temporada.
PS 6: Seria ótimo ver Abby voltando mais tarde, pra gente ver a relação das duas novamente.
Reações:

Sobre o Autor

 
Top