Comentários
Jéssica Ohara Jéssica Ohara Author
Title: [C.NERD] RESENHA- OS DEIXADOS PARA TRÁS (THE LEFTOVERS)
Author: Jéssica Ohara
Rating 5 of 5 Des:
O que aconteceria se, de repente, sem nenhuma explicação, pessoas simplesmente desaparecessem, sumissem no ar? É o que os perple...





O que aconteceria se, de repente, sem nenhuma explicação, pessoas simplesmente desaparecessem, sumissem no ar? É o que os perplexos moradores de Mapleton, que perderam muitos vizinhos, amigos e companheiros no evento conhecido como Partida Repentina, precisam descobrir. Desde o ocorrido nada mais está do mesmo jeito - nem casamentos, nem amizades, nem mesmo o relacionamento entre pais e filhos. O prefeito da cidade, Kevin Garvey, quer acelerar o processo de cura, trazer um sentimento de esperanças renovadas e propósito para sua comunidade traumatizada. Ainda que sua família tenha sido desfeita com o desastre - sua esposa o deixou para se juntar a um culto cujos membros fazem voto de silêncio; seu filho, Tom, abandonou a faculdade para seguir um profeta duvidoso chamado Santo Wayne; e sua filha adolescente, Jill, não é mais a dócil estudante nota dez que costumava ser. Em meio a tudo isso, Kevin ainda se vê envolvido com Nora Durst, uma mulher que perdeu toda a sua família no 14 de Outubro e continua chocada com a tragédia, apesar de se esforçar para seguir adiante e recomeçar a vida.



A história começa um três anos depois da “Partida Repentina”, e o mundo não sabe direito o que aconteceu, como era de se esperar muitos creem no Arrebatamento e tentam se ligar a diversos cultos e religiões em crescimento para descobrir porque não foram e se um dia irão.  No meio desse quase pós-apocalipse temos os personagens principais que são os próprios narradores. Quatro deles são da família Garvey, Kevin é o prefeito da cidade, no começo parece um pouco durão, mas se revela um cara sensível e muito preocupado com todos ao seu redor. Ele é o que de fato está se esforçando pra vida seguir em frente, não se preocupando tanto com o porquê do que aconteceu e até lida bastante bem com as consequências, mas no fundo se sente solitário. Ele é o personagem que causa mais empatia por sua força e o seu caráter.
Laurie, esposa de Kevin, também é apresentada de um jeito mais sereno no começo, tão aberta quanto o marido, mas logo essa fachada cai e ela se vê perdida e confusa. Tom é o filho mais velho que é fortemente abalado pelo o que aconteceu e Jill um adolescente prestes a se formar que não consegue entender como um evento que não a atingiu diretamente pode virar sua vida de cabeça para baixo. A outra principal é Nora, a única que realmente perdeu alguém, na verdade ela perdeu o marido e os filhos, entrando numa espécie de depressão com nuances de até loucura.  
Somos apresentados também a Aimee , Meg e Cristine, que apesar de não narradores são essenciais na história.


É interessante nesse livro como eles vão descortinando os fatos, primeiro que você não começa a ler desde o caos, os personagens já tiveram tempo de se refazer, de sentar e pensar, teoricamente tudo deveria correr melhor daí. Mas logo Laurie e Tom entram em parafuso e começam a seguir crenças no mínimo bizarras, deixando uma Jill revoltada e um Kevin sem saber o que fazer.
Gostei de como o autor não se deixou cair em estereótipos e lugares-comuns, apesar de uma mudança completa Jill ama muito o pai e não o culpa pelo o que aconteceu, ou mesmo a mãe, não a fica atacando, ela só quer entender porque Laurie se tornou uma Remanescente Culpada, que tipo de paz ela alcançaria com isso.
Outro ponto muito legal é esse das religiões, os Remanescentes são um grupo fechado, que pratica o voto de silêncio e tem como prioridade lembrar o que aconteceu, todo envolto em mistérios (que a propósito, não são totalmente esclarecidos nem no final). Temos os Santo Wayners , liderado pelo Wayne criador do Abraço que Cura, que tiraria a saudade ou culpa daqueles que ficaram, essa é o culto que Tom se une no começo, mas logo perde a fé e começa a se questionar depois de ver o seu líder sendo transfigurado pela ambição e o poder. E temos os Pés Descalços, que seriam espécies de hippies modernos, que consideram que o sumiço das pessoas é o sinal que se deve aproveitar até o último momento e nunca sentir dor, eles pregam o prazer antes de tudo. As crenças tradicionais não são muito representadas no livro, é como se elas tivessem ficado sem respostas.
O que mais chama atenção é como muitas pessoas estão se sentindo carentes, sozinhas ou revoltadas pelo o que aconteceu. O objetivo do livro não é explicar o porquê, mas como é a reação. Nora é um exemplo muito bom disso, ela está tentando se reerguer com todas as forças, e como ela, o leitor também percebe que isso está falhando. Ela está em cacos. Quando ela conhece o Kevin é muito bonito e nos dá alguma esperança.
As relações é que salvam as pessoas nessa história. Como a de amizade de Jill e Aimee, onde uma ajuda à outra apesar das imensas diferenças, ou a de Tom e Cristine (ela sendo a escolhida por Wayne como a mulher que gerará a criança que vai salvar o mundo), e mesmo a de Laurie com a sua nova recruta Meg. Tudo se volta para as pessoas que você pode contar e que estarão ao seu lado.
O livro alterna-se entre relatos cheios de emoção e dúvidas com outros de mistério e arrependimento. Eu esperava uma coisa dele e veio outra, acho que posso dizer que ele é muito indireto e vago sobre o evento propriamente dito o que vai de encontro com o que o autor queria explorar. Uma leitura mais que recomendada. Ainda não vi a série, vou começar a acompanhar pegando o ritmo do livro.


 AUTOR: Tom Perrotta
 PÁGINAS: 320
 EDITORA: Intrínseca
 LANÇAMENTO: 2012
 ONDE COMPRAR: http://www.submarino.com.br/produto/119905317/livro-the-leftovers-os-deixados-para-tras-

Reações:

Sobre o Autor

 
Top