Comentários
Ticianni Zabulon Ticianni Zabulon Author
Title: [REVIEW] IZOMBIE- S01E01, S01E02 E S01E03
Author: Ticianni Zabulon
Rating 5 of 5 Des:
Sempre que assistimos séries e filmes com zumbis nos colocamos no lugar do sobrevivente, aquele que foge, que é atacado, que luta por su...

Sempre que assistimos séries e filmes com zumbis nos colocamos no lugar do sobrevivente, aquele que foge, que é atacado, que luta por sua vida e para não perder a si mesmo em um mundo que está sendo/foi tomado por criaturas meio mortas meio vivas. Agora temos uma nova mitologia zumbi pra descobrir, temos a chance de um novo ponto de vista, o do morto-vivo.

A morta-viva, no caso, Olivia Moore era uma futura médica, com um futuro promissor pela frente, que certa noite, ao ir a uma festa, se viu em meio a uma espécie de apocalipse zumbi no qual acabou sendo transformada, acabando todos os seus planos. Cinco meses depois, vemos uma Liv zumbi cuja vida está totalmente desestruturada. Agora trabalhando em um necrotério, para facilitar sua alimentação (baseada em uma dieta de cérebro e molhos), ela tem afastado sua família, amigos e agora ex-noivo, para protegê-los caso perca o controle.

Um dos maiores acertos, foi a protagonista. Olivia já é candidata a entrar na minha lista de protagonistas favoritas, e olha que hoje em dia encontrar uma protagonista que não te deixe entediado com seus clássicos dilemas é raro. E isso ocorre porque o dilema de Liv me interessou, convenhamos, sua história não é daquelas que se vê todo dia. Com sua "morte", como a própria nos conta, Liv perdeu sua motivação. Seu corpo se mantem intacto mas seu psicológico sofre com a mudança. Ela queria fazer algo com sua vida, ajudar as pessoas e agora mesmo estando meio morta, ela recebeu essa oportunidade.

Certas coisas aconteceram rápido demais, como por exemplo a fácil aceitação do chefe de Liv. Ok, Dr. Ravi ter aceitado facilmente que Liv é uma zumbi, dá uma certa agilidade a trama, mas o Detetive Babineaux simplesmente levar uma garota, que ele mal conhece, que se diz psíquica, acreditar nela e leva-la pra ajudá-lo em sua investigação... ele devia estar mesmo muito desesperado pra resolver um caso. Poderiam ter mostrado também um pouco mais da adaptação dela nessa nova condição.

O caso da semana não foi lá essas coisas, mas serviu bem para exemplificar a dinâmica que a serie vai seguir. As melhores partes vem com o humor da serie e com as características que Olivia absorve dos cérebros dos mortos, não apenas em relação aos flashes de memoria mas principalmente pelo que ela incorpora em si mesma.


No segundo episodio, “Brother, Can You Spare a Brain?”,  Liv adquiriu as habilidades e a sensualidade de um artista onde mais uma vez, o lado comédia se mostrou um ponto alto da série. Com sua sensibilidade - tanto a artística quanto a emocional - aflorada, Olivia encontrou-se em várias situações estranhas além de tê-la impulsionado em relação a sua paixão pelo ex-noivo.

Porém a parte mais importante do episodio veio com a introdução a Blaine, o zumbi que transformou Liv na tal "festa apocalíptica". Ele veio tentando ganhar sua confiança para conseguir alguns cérebros fáceis e talvez a amizade dela. Que bom que Liv é esperta e já percebeu que Blaine não é flor que se cheire e já deu um chega pra lá no cara. Agora sobre ele transformar pessoas propositalmente, seria apenas para lucro ou existe algum plano por trás disso tudo? Teorias?

Sobre o caso da semana, foi um clichê clássico (até porque o próprio Detetive no inicio do episódio, já havia desvendado qual seria o rumo da história). Mas isso não quer dizer que tenha sido ruim, a investigação coube bem no episodio de forma que pôde encaixar todos os elementos da série.


No terceiro episodio, “The Exterminator”, pudemos ver uma nova faceta de Liv. Dessa vez ao adquirir as características do cérebro de um sociopata, vimos sua desenvoltura em uma personalidade mais fechada, não tão leve quanto nos episódios anteriores o que nos levou a um pouco mais de drama. Como não se comover com Peyton consolando Liv no final?

Essa nova personalidade de Liv, mexeu sua percepção em relação ao seu relacionamento com Major, a colocando em dois extremos em comparação ao episodio anterior: antes, seu lado poético a jogou nos braços do ex-noivo e nesse, ela agiu com indiferença ao novo relacionamento dele. Essa personalidade também afetou seu relacionamento com Peyton e ainda colocou a vida de Ravi em perigo.

Por falar no Dr. Ravi, estou amando o desenvolvimento da amizade deles, vem coisa boa aí pela frente. Finalmente tivemos algum acréscimo a mitologia zumbi da serie com o aparecimento de Marcy em um estagio "Zumbi The Walking Dead" e a descoberta da irreversibilidade para caso um zumbi chegue àquela situação (ou seja, mantenham Liv bem alimentada). Sem falar que tivemos a aparição do "modo zumbi completo" de Olivia mais uma vez.

Em relação ao caso da semana, confuso define. Deu a impressão de que tentaram colocar uma informação dentro da outra para que no final houvessem reviravoltas que pudessem causar alguma surpresa mas acabou ficando uma bagunça.

Liv sabia que deveria sentir algo, mesmo que não sentisse naquele momento, devido ao cérebro do sociopata. Temos o destaque dos dois momentos em que ela hesitou em relação a continuar ou não se alimentando daquele cérebro:
- A primeira vez foi no inicio, onde se continuasse iria ter aquele mal estar de não sentir as coisas, de não se importar em ferir os sentimentos dos outros, mas se parasse, não poderia ajudar no caso, fazendo com que um assassino saísse impune. Ela continuou seguindo de forma altruísta.
- A segunda vez foi no final, onde ela se questionou se realmente queria sentir todos aqueles sentimentos que estavam guardados e que devido os acontecimentos do episodio seriam liberados assim que ela parasse. Ela parou deixando a mensagem de que a dor é algo que nos mostra que ainda estamos vivos

Acredito que nesses momentos em que há essa pausa para analisar a situação em que ela se encontra, as opções, a escolha certa, as suas consequências e as lições, esses momentos são os grandes trunfos do seriado, junto com o humor, é claro.

Ps1 : É muito estranho dizer que em certos momentos eu quis provar a comida da Liv?
Ps2: Sobre o sotaque do Ravi, acho que estou apaixonada.
Ps3: Já tem gente shipando? Quais casais? Ainda estou me decidindo.
Ps4: Qual o melhor cérebro até agora? Cleptomaníaca, artista ou sociopata? Adorei a sociopata, mas ri tanto da Liv artista descrevendo as coisas e secando as pessoas.


  PROMO DO PRÓXIMO EPISÓDIO: 

Reações:

Sobre o Autor

 
Top