Comentários
Dessa Piccinini Dessa Piccinini Author
Title: [C.NERD] RESENHA - MALDITA
Author: Dessa Piccinini
Rating 5 of 5 Des:
 Madison Spencer, a menina morta mais animada do universo, prossegue com sua aventureira vida após a morte, iniciada em "...


 Madison Spencer, a menina morta mais animada do universo, prossegue com sua aventureira vida após a morte, iniciada em "Condenada". Se no primeiro livro Chuck nos trouxe um inferno brilhante que só ele poderia imaginar, em "Maldita" a Terra é magistralmente retratada como o purgatório na obscura e retorcida visão apocalíptica deste provocante contador de histórias... Depois de um ritual de Halloween que deu errado, Madison fica presa no purgatório, ou, como é popularmente conhecido por mortais como eu e você, a Terra. Ela pode ver e ouvir cada detalhe do mundo que deixou para trás, no entanto, é invisível para todos os que ainda estão vivos. As pessoas não só podem olhar por entre ela, como andam através dela também. À medida que Madison revisita a dolorosa verdade do que aconteceu ao longo desses anos (incluindo um encontro perturbador e finalmente fatal em que... bem, deixa pra lá), sua saga de condenação eterna assume um novo e sinistro significado. Satanás teve Madison em suas vistas desde o início: por meio dela e de seus pais, verdadeiras celebridades narcisistas, ele planeja projetar uma era de condenação eterna. Para todos.


Ctrl+Alt+Chocada!  

Não era de se surpreender em saber que Maldita seria um livro, sem outra palavra, chocante. Mas tchê, pegou pesado guri! Lendo no ônibus a caminho de Porto Alegre eu não podia externar minhas reações conforme as coisas iam acontecendo e quando vi eu precisei parar de ler antes que gritasse um "PUTA QUE PARIU MADISON!" no meio do transporte.

Acompanhamos Maddy em sua nova jornada no purgatório, lugar que eu e você, pré-mortos, chamamos de Terra. E que situação desconfortável. Além de topar com fantasmas alheios, ver - e escutar - seu pai traindo sua mãe (com uma amiga conhecida) e relembrar tudo o que aconteceu, Mad também vai chegar a conclusão de que, talvez, ela nunca realmente teve liberdade sobre si mesma. 

Dessa vez somos apresentados ao motivo de Maddy ser tão, nas palavras dela, gorda - discordo de isso ser um problema, mas é pintado como um por todo mundo ao redor dela e ela própria - e, nas situações em que ela passou, creio eu que qualquer uma seria também.

Vemos o mundo aceitando uma nova religião, o Rudismo, onde falar porra, buceta, caralho em qualquer situação, até como agradecimento, é visto como completamente normal. Os criadores do Rudismo? Os pais de Maddy que, depois de receberem os conselhos da filha de como passar o resto da vida, acreditam que estão levando todos para o céu. 

Além de tudo isso, conhecemos os avôs maternos de Madison e o que aconteceu naquele verão para que Mad afundasse em comida. Longe de dar Spoilers, mas... Bem [AVISO DE SPOILER] Mad acaba matando o próprio avô (ou acreditando que fez isso até o último segundo). E não é de uma maneira legal. Nem um pouco. Digamos que essa capa (clique aqui) define bem o capítulo do livro. E, bem, basta dizer que Chuck tem um gosto pelo pervertido. [FIM DO SPOILER]. 

Como se não bastasse ser "cria" do Satã, Madison descobre que seus amigos que recentemente fez no Hades vem controlando a vida de sua família há, pelo menos, 3 gerações e que seus pais sempre souberam que ela iria morrer em seus 13 anos. Souberam e por essa razão, tentaram não amá-la o suficiente. Chuck, poderia, por favor, fazer uma personagem que passa por coisas menores, sim? Ah, e eles adotaram Goran querendo que ele fosse o ASSASSINO de Mad. Ou seja, eles não adotaram um filho, adotaram um assassino, de propósito. Isso lá faz sentido? Não. Mas esse livro quase nunca faz sentido. 

Ah, e também que Deus, que chegou bem atrasado para festa devo dizer, é seu criador tanto quanto o Satã. Afinal, Madison é cria do Satã, de agente secreta de Deus ou fruto de seus amigos? E quando que ela vai ser "cria" dela mesma?

Com um final surpreendente, de novo, e em aberto, fico aqui me perguntando se há mais um livro a ser lançado ou se nunca iremos saber o final da saga de Madison Spencer. Eu leria fácil mais um livro, ainda mais com esse final. Então, Chuck, mais um livro?


Devo dizer que não foi tão rápido como o primeiro para esse livro me prender. Exigiu-se duas semanas, uma viagem e mais uma manhã para que eu terminasse o livro. Levei quase que o mês todo - sim, claro, devemos considerar que agora eu tenho minhas aulas, mas hey, leria fácil se quisesse o livro. - 

Mesmo assim, ali pertinho do final, Chuck conseguiu me pegar. E o livro que eu não estava gostando tanto, virou um livro muito bom - mas não excelente.

Por onde começar? Eu havia achado o outro maluco e pervertido? Bem, Condenada não é um terço do que Maldita se mostrou ser. Não sei se eu não sou acostumada com isso, ao menos, nunca achei que me incomodasse, mas levando em conta a história Vô x Maddy, eu quase berrei ao ônibus inteiro um "PUTA MERDA MADISON! MAS QUE DROGA É ESSA?" Mas né, talvez matar seu avô - [SPOILER] que depois descobrimos que já estava morto e foi POSSUÍDO pelo próprio Satã - decepando a "piroca" dele (como Maddy mesmo fala) com o livro de Charles Darwin em um banheiro público, pode ser uma coisa, um pouco, estranha, certo? [FIM DO SPOILER]. 

Porém, toda a história Madison no campo foi meio chata. Não completamente, mas me deixou dormindo em alguns momentos. Claro que, Mad ainda é a garota que me apaixonei por, do primeiro livro. Fez um diário falso para que seus pais lessem e achassem que ela estava transando com animais - o que levou ela a ser mandada para o interior para viver com os avós -. Ainda no campo, acidentalmente matou um pervertido, que descobriria ser seu avô, no banheiro público. Depois de voltar do interior, namorou Jesus apenas para incomodar os pais e ver o circo pegar fogo. Mas ainda sim, faltou alguma coisa durante boa parte do livro, e isso me incomodou. 

Mas nem tudo foi ruim. Descobrimos logo no começo do livro que os "amigos" de Maddy, os que ela conheceu no inferno, são amigos coisa nenhuma. Na verdade, eles vem controlando a família de Maddy desde a adolescência de sua avó, sendo eles a causa de tudo que já aconteceu na vida de Madison. Isso mesmo, eles são os culpados pela fama, e riqueza, de seus pais. Por ela ser mandada para o campo, e, finalmente, por ela ser morta e tratada do jeito que foi por seus pais, afinal, como eles poderiam amá-la se sabiam quando ela iria morrer? O que tentaram fazer foi concentrar-se nos defeitos dela e evitar qualquer aproximação. Cruel Chuck, muito cruel. 

E não posso me esquecer o do Rudismo. A nova religião da moda, a de ser mal educado o quanto quiser, com uma santa própria - Ave Maddy - e dois famoso criadores. Rudismo, por mais estranho que pareça, se mostrou muito útil em certos aspectos. Madison mesmo percebeu que os integrantes dessa religião não tinham preconceitos. Aram negros, gays, judeus, ricos e pobres juntos para atingir um prêmio: o Céu. 

No final, ficamos com a pergunta que Maddy também não sabe responder, mas quer provar para todos. Que ela é sua própria criação. Não a cria - e esposa, eca! - do Satã - sim ele deseja ter filhos com a Madison, mas vale lembrar o que ela fez com o "bilau" dele. - agente secreta de Deus, como Jesus, Moisés e outros - que precisa dizer para parar com as pesquisas de células tronco e OS AVANÇOS DOS DIREITOS DAS MULHERS! Mais uma vez: cruel!-, ou moldada por seus ditos amigos, que controlaram a vida inteira dela E dormiram com seu pai (muito bom Babbete! Uma Succubus hein, quem diria!). E fico aqui sem saber se realmente haverá algo para me contar o fim da história. 

No geral um livro bom, com seus altos e baixos. Divertido e surpreendente. Para todos que gostaram de Condenada, vale ler Maldita. E agora tenho vontade de ler algo diferente do autor. Afinal, Chuck é completamente pirado, mas excelente autor. 

"- Deixe pra lá, Maddy - diz minha mãe. - A vida na Terra é tão ontem." - Página 380.



AUTOR: Chuck Palahniuk
NÚMERO DE PÁGINAS: 384
EDITORA: Leya
LANÇAMENTO: 2014
ONDE COMPRAR: Clique aqui.


Reações:

Sobre o Autor

 
Top