Comentários
Lilian Zin Lilian Zin Author
Title: [REVIEW] NCIS - S13E07: 16 YEARS E S13E08: SAVIORS
Author: Lilian Zin
Rating 5 of 5 Des:
Nas últimas duas semanas, NCIS apresentou episódios que traziam consigo histórias interessantes. Seja por interferências na investiga...


Nas últimas duas semanas, NCIS apresentou episódios que traziam consigo histórias interessantes. Seja por interferências na investigação, ou pela volta de fantasmas do passado, ambos os episódios trouxeram a mudança, assunto já discutido ao longo das reviews anteriores.

O que me chamou mais a atenção em ambos os episódios é a maneira em que a mudança que começou com Gibbs começa a atingir ainda mais a equipe. Porém volto a bater na mesma tecla: quero logo que a situação de Ellie e Adorable Jake se resolva, e da melhor maneira possível, claro. Digo que é um tema que vem se arrastando ao longo da temporada, porque é citado aqui e ali, mas sempre com aquele ar de dúvida. Fico me perguntando: e a filha de Jimmy? Gostaria muito de saber como anda a pequena Victoria. Ao invés disso, ficamos na expectativa de saber o que anda acontecendo no perfeito relacionamento de Bishop e Malloy.

“Please Gibbs, just fix this. You always fix things. Please, fix this, too.” – Abigail Sciuto

Quanto ao primeiro episódio, 16 Years, a morte do Tenente Comandante Runyan Hayes traz à tona a investigação de um assassinato que colocou seu filho Michael em uma prisão para servir sentença de prisão perpétua. O homem havia sido acusado de forma errônea, por um teste de Comparação de Cabelos por Análise Microscópica, um teste que, atualmente, é desacreditado. Quando isso foi apresentado à Gibbs e ele disse o nome do Fornell, já fiquei esperando logo o Joe Spano. Mas, ao que tudo indica, só daqui a alguns episódios teremos a ilustre presença de TC Fornell.

Voltando ao problema apresentado ao longo do episódio: o teste havia sido feito por Abby. E, como todos sabemos, ela se sente completamente culpada por qualquer coisa que ela possa ter feito e incriminado alguém inocente. Porque essa é a Abby. De coração puro e bondade extrema. Fiquei muito feliz com o fato de terem conseguido provar a inocência de Michael. A cena do reencontro dele com a filha, e quando ele disse para a Abby que ela era aquela que o havia tirado de lá, me deixaram em lágrimas.

A grande mudança desse episódio foi Ducky. Como já disse diversas vezes anteriormente, adoro quando o foco do episódio fica em personagens como Ducky, Abby, Jimmy e Vance. Claro, histórias que envolvem Gibbs, Tony, McGee e Bishop tendem a ser boas, mas geralmente têm uma carga dramática um pouco maior. Toda a história de fazer parte da "The Sherlock Consortium for Investigation", um grupo de detetives amadores, deixou Ducky ainda mais encantador. É claro que fiquei triste quando ele apresentou todas as alternativas que encontrou para encontrar a pessoa certa para ele (como vimos ao longo das temporadas, Ducky nunca teve muita sorte no amor, diga-se de passagem), mas gostei muito de terem encaixado algo assim na história do personagem, já que sempre imaginei o jovem Donald Mallard fazendo parte de uma sociedade secreta. Outra coisa que achei muito fofa foi Ducky dando sua vaga na equipe de Sherlocks para Jimmy. Não consigo me lembrar se já foi citado algo sobre o pai de Palmer ao longo da série, mas vejo a relação entre o médico legista e seu assistente como se fosse algo entre pai e filho. E isso me deixa extremamente feliz.

P.S.: McGee e toda sua “You cannot spell manicure without M-A-N.” recebendo apoio de Gibbs garantiu boas risadas, assim como DiNozzo se machucando toda vez que mexia em alguma árvore.

“None of us is immune, Jethro. We're all running to or from something at various times in our lives. But no matter your speed, the truth is always just that bit faster.” – Donald Mallard

Confesso que estava um pouco ansiosa para assistir Saviors. Desde que havia lido a sinopse e quem voltaria, fiquei curiosa para saber o motivo e o que aconteceria. Uma espécie de abrigo em que alguns médicos do International Doctors Group trabalhavam em Todu, uma pequena vila no sul do Sudão, foi atacado, deixando algumas vítimas: três dos cinco médicos voluntários, sendo uma das vítimas a Tenente Liz Cortland. Pouco antes de morrer, a Tenente havia ligado para o Agente Especial Stan Burley, aquele que trabalhou com Gibbs antes da chegada de DiNozzo, que entre em contato com Gibbs e sua equipe, na esperança de encontrar os outros dois médicos desaparecidos: a Ensign Joni Ryan e o Doutor David Woods, o líder da equipe.

O que ninguém esperava era que a esposa do Dr. Woods era a Doutora Jeanne Woods, também conhecida como “Jeanne Benoit? Really?”. Esse episódio foi um dos poucos em que realmente gostei da Jeanne. Sempre achei que ela e Tony combinavam, mas nunca aceitei, pois atrapalharia Tiva. Porém devo admitir que me surpreendi com o desenvolvimento da personagem. Tanto a Scottie Thompson quanto o Michael Weatherly arrasaram no reencontro de Benoit e DiNozzo após oito anos. Toda vez que Tony ia tentar falar com ela, queria logo que Jeanne pelo menos o escutasse um pouco, ao invés de cortá-lo sempre. Acredito que, com o episódio terminando daquele jeito, pode ser que haja espaço para uma volta da agora Doutora Woods. Talvez em algum dia em que Zoe visite DiNozzo no trabalho. Sim, adoro um conflito.

Outra mudança, porém perceptível apenas a aqueles que acompanham a série e conhecem cada personagem muito bem, foi em Stan. Desde o começo, quando ele falava sobre Liz com tanta vontade de pegar quem a havia matado, já comecei a achar algo estranho. Poderia ela ser a tal noiva de alguns anos atrás? Minha teoria caiu por terra quando o próprio Burley falou que depois de ter terminado com a noiva, conheceu Liz. Acredito que, se os dois tivessem juntos, seria muito pior, porque Stan teria sede de vingança, como Fornell na temporada passada. Espero revê-lo ao longo da temporada. É um personagem que gostei de cara.

É imprescindível falar o que aconteceu com Gibbs. Cedo ou tarde ele iria perceber que voltou ao trabalho cedo demais. Stress é uma das coisas mais complicadas de lidar no dia-a-dia, digo isso porque sei bem como é, e o Boss prefere lidar ficando cada vez mais calado. Porém, como uma solução mágica para todos os problemas, o Doutor Cyril Alan Harper Taft apareceu, mesmo que para saber de notícias sobre a amiga desaparecida. Foi ótimo Gibbs ter tido um ataque justo quando Taft estava lá. Ele precisava sim de uma boa bronca. Só fiquei esperando depois desse novo ataque o antigo Gibbs de volta. Sinto falta dele com o cabelo estilo militar.

 “Life threw you a major-league curve. You have a lot of support, but at the end of the day, when your head hits the pillow, it's just you. Admitting at least that much might be half the battle. Everybody's afraid of something. Even the great Leroy Jethro Gibbs.” – Cyril Taft
Reações:

Sobre o Autor

 
Top