Comentários
Lilian Zin Lilian Zin Author
Title: [REVIEW] NCIS - S13E16: LOOSE CANNONS
Author: Lilian Zin
Rating 5 of 5 Des:
“Good-bye, Tony.” – Jeanne Benoit-Woods Senti que esse episódio tinha muito clima de “closure” . Para Taft e Gibbs. Para Tony e Jeann...
“Good-bye, Tony.” – Jeanne Benoit-Woods

Senti que esse episódio tinha muito clima de “closure”. Para Taft e Gibbs. Para Tony e Jeanne. E, de certa forma, para os fãs. Afinal, não falta muito para perdermos um dos personagens mais amados da série.

A equipe investiga o assassinato do Petty Officer First Class Lamar Finn, morto enquanto tentava evitar que rifles M-16 fossem roubados. Sua parceira, a Petty Officer First Class Janet Shor havia sido levada ao hospital juntamente com um dos atiradores, que não resistiu à cirurgia. É nesse momento que a equipe recebe um novo membro temporário: Doutor Cyril Alan Harper Taft. 


Com uma descoberta feita por ele e Ducky, a investigação se voltou para os médicos que atuam no sul do Sudão, levando a equipe a trabalhar juntamente com David e Jeanne Woods, ou “Jeanne Benoit, really?”. De início, Tony estava tentando descobrir quem era o médico que havia colocado um implante no braço de Fritz Beimler. Durante a autópsia, uma bala foi encontrada no corpo do mesmo, o que levou a investigação às negociações do finado La Grenouille, ou o sapo, como Gibbs costumava chamá-lo, causando a ira de Jeanne.

Se formos comparar as interações entre Tony e Jeanne em Saviors (S13E08) e em Loose Cannons, parecia que eles estavam na quinta temporada da série, quando ela descobriu que Tony DiNardo era na verdade um agente do NCIS investigando seu pai. Só acho que não deve se mexer com a perfeição. Ela estava feliz com o marido. Não precisava ter feito os dois se reencontrarem e deixar a relação dos Woods uma bagunça. Acredito que com aquele “good bye”, a história do antigo casal foi encerrada, fazendo com que o círculo de Tony comece a se fechar.


Outra coisa que chamou bastante a atenção no episódio foi a relação entre Jethro e Cyril. Desde que Gibbs e Alan Harper Taft foram chamados para o mesmo caso, previ vários momentos cômicos entre os dois. Desde a cena do xadrez até o fim do episódio, é bem perceptível como os dois se tornaram próximos. Até o agradecimento que a esposa de Taft faz à Gibbs é emocionante.

Como já é de conhecimento geral da nação, Jethro é muitas vezes descrito como “mudo funcional”, sendo um ótimo ouvinte tanto para os colegas de trabalho quando para outsiders, como Cyril e Fornell. As sessões entre os dois acabaram se tornando um desabafo do médico, enquanto Gibbs apenas o ouve, fala algumas palavras e é só. Não consegui entender como o Boss não percebeu logo de cara que a mulher das palavras cruzadas era a psiquiatra de Taft. Eu mesma já tinha desconfiado.

O que me deixou triste foi justamente isso: Cyril passando o bastão para Grace. Sim, ela pode ser uma ótima profissional, mas jamais será como o bom doutor. É claro, depois que seu carro explode e quase mata sua esposa, você começa a questionar se as decisões tomadas estão certas ou não. Acho que o arco de Taft foi bem interessante, ainda mais com Jon Cryer dando vida a um personagem tão amável. Apesar da participação do mesmo ter sido muito pequena, é um personagem que com toda certeza fará certa falta.

P.S.: A cena da explosão do carro de Cyril me lembrou muito de quando o carro de Tony explodiu em Bury You Dead (S05E01). Déjà vu extremo esse episódio...
P.S.2: Taft não conseguindo controlar a língua contando para Jeanne sobre as armas foi ótimo. Mas não tão bom quanto a dinâmica entre ele e Ducky, incluindo a piadinha.
P.S.3: Quero mais Abby! Mal a vi no episódio. O mesmo é válido para Vance e Jimmy, que acredito que só veremos no episódio 300, do jeito que a situação está.

“And if I had one wish, Jeanne, I would turn back the clock, to right when we got back from South Sudan. Because I think that was a much better ending for both of us.” – Anthony D. DiNozzo Jr.
Reações:

Sobre o Autor

 
Top