Comentários
Lilian Zin Lilian Zin Author
Title: [REVIEW] NCIS - S13E22: HOMEFRONT E S13E23: DEAD LETTER
Author: Lilian Zin
Rating 5 of 5 Des:
“We are gonna find Jacob Scott. And we’re gonna kill him.” – Leroy Jethro Gibbs Durante a última semana, fiquei pensando se estava fa...
“We are gonna find Jacob Scott. And we’re gonna kill him.” – Leroy Jethro Gibbs

Durante a última semana, fiquei pensando se estava fazendo certo ao optar por uma review dupla na reta final da temporada. Depois de assistir aos dois episódios, percebi que fiz a escolha certa. Sim, foram ótimos episódios e mostraram exatamente a essência de NCIS. Mas algo estava me dizendo que não podia assistir aos dois separados. Pouco tempo depois descobri que era a situação de Fornell, que vou falar depois.

Homefront continuou com a equipe buscando vingança pela morte de Tom Morrow, sendo que DiNozzo havia sido enviado à Londres, e depois para a Rússia, para trabalhar em conjunto com o MI6 e rastrear outras pessoas que poderiam estar na lista. Não sei se fui a única, mas senti que esse episódio foi uma espécie de amostra do que será a série sem a presença do Very Special Agent. E isso só provou o quanto não estou preparada para o episódio dessa semana. Porém agora a única coisa que consigo imaginar é Tony imitando James Bond e tentando encontrar Q, para conseguir algumas coisas tecnológicas interessantes. E, DiNozzo: cuidado com as fotos. Tem certas ocasiões em que o compartilhamento de informações é desnecessário.

 “Because you're not alone, Anne. One of the reasons we hold these round tables is to stay connected to our military families. Special Agent Gibbs. I've been briefed on everything you've done for Anne's family, and from what I heard, you've gone above and beyond.” – First Lady Michelle Obama

Antes de mais nada, o que dizer da incrível participação de Michelle Obama no episódio? Foi aí que fiquei com lágrimas nos olhos. É sério, vocês não imaginam a emoção de saber que parte da equipe contracenou com a Primeira Dama dos Estados Unidos e ainda ajudou na divulgação do Joining Forces, que é uma iniciativa linda. Não consigo encontrar outra palavra para descrever esse momento além de orgulho.

Gostei de toda a situação da invasão à casa dos Marshall, porque é exatamente isso que é NCIS: proteger as famílias e ajudá-las da melhor forma possível. Tudo o que Gibbs e a equipe fizeram para trazer segurança e encontrar quem estava rastreando Henry Marshall foi de extrema importância, inclusive para o caso Scott. Além disso, não posso deixar a interação entre McGee e o garoto passar batida. Eu juro, quando Tim pediu para Gibbs deixá-lo conversar com o menino pois ele o entendia melhor, quase chorei. Tim McGee é um anjo e merece ser protegido a todo custo. 


Outra coisa que adorei foi o #LivingRocks proposto pela Abby. É realmente muito difícil ver alguém celebrando algo hoje em dia, principalmente as pequenas coisas. Então eu gostaria de celebrar os 13 anos de NCIS e os inúmeros episódios ótimos que a série teve, como esse. Quero também celebrar que, a cada dia, a série tem a tendência a melhorar e seus personagens também. #LivingRocks

Agora vamos falar de Fornell, porque ele foi o motivo de eu ter escolhido a review dupla. Desde Yankee White (S01E01) eu já sabia que TC ia voltar várias vezes e, com o tempo, comecei a gostar cada vez mais do personagem. Depois dos aplicativos de namoro da semana passada, foi bem interessante saber que ele também tem um snapchat. Não nego: eu realmente consigo ver Fornell brincando com os filtros do snapchat enquanto não saem novos episódios de Sherlock. É por isso que eu insisto na aparição de Fornell em, pelo menos, cinco episódios por temporada. Como só depois de 13 temporadas fui descobrir o amor do agente do FBI pelo detetive inglês? Aliás, A+ para todas as referências à série e literatura, tanto do lado de Tobias quanto pelo de Vance. 


Antes de Dead Letter sair, eu já tinha plena consciência de que ele havia sido baleado. Mas três vezes? Achei um pouco exagerado. O que, por uma parte foi desesperador (estou falando da médica que disse ao Gibbs para se preparar), também serviu para trazer de volta a Emily e, meu Deus, como ela está parecida com a Diane! A preocupação com o pai, as ameaças para quem quer entrasse em sua frente, os xingamentos... Juro, eu vi a própria Sterling ali. Toda vez que ela chamava o Gibbs de uncle eu ficava ainda mais feliz, porque é muito interessante ver que, mesmo com toda a situação Gibbs/Diane/Fornell, o último sempre levava a filha para ver o uncle Gibbs. Para vocês verem o quanto um confia no outro: a única pessoa autorizada a anular a DNR de Fornell era Jethro.

Caso o destino de Tobias tivesse sido diferente, eu teria ficado extremamente revoltada. Poxa, a Emily mal se recuperou da morte da mãe e iria perder o pai também? O bom senso resolveu ficar dessa vez, porque, caso as circunstâncias fossem outras, eu garanto que veríamos um funeral nessa temporada. Outra coisa que pudemos ver foi que Fornell ainda guarda mágoa do Gibbs pelo tiro que ele levou em Past, Present and Future (S11E02).


Paralelo ao que acontecia no hospital, fomos apresentados à Agente Especial Tess Monroe, que trabalhava com Fornell no caso. Não sei se vocês se lembram, mas disse na review de Déjà-vu (S13E13) que os escritores planejavam colocar dois agentes na equipe Gibbs. Pelo andar da carruagem, ela é uma delas. Mas aí levanto o seguinte: como teremos dois Gibbs juntos? Porque ela é extremamente parecida com ele, tanto no sentido dos divórcios quanto na personalidade. Seria como colocar a Borin ali e, honestamente, eu ficaria com essa opção. Não é que eu não tenha gostado dela, mas é que ainda não consegui achar alguma coisa que vai fazer eu me apegar à personagem.

Ao contrário, quero o Clayton trabalhando no NCIS em tempo integral. Gente, que coisa mais linda esse agente do MI6! Pode ser que eu tenha deixado algo passar, mas parece que Gibbs não hesitou ao deixar Reeves entrar na investigação e até gostou da ajuda do mesmo. Acredito que a personalidade dele é bem diferente da de qualquer um dos agentes que já passaram pela Team Gibbs. Agora a verdadeira prova de como alguém vai se sair na equipe é passando um tempo com a Abby, e acho que ela o descreveria como um amorzinho.


Tive duas surpresas bem consideráveis durante o episódio. Acredito que a maior delas foi ver Trent Kort de volta. E sem o tapa-olhos. Sendo honesta: achei que ele já havia saído da CIA há muito tempo, pelo menos desde Dead Reckoning (S06E20). E pode ter certeza que toda vez que esse ser humano aparece, é para trazer dor de cabeça. Bom, no caso, trazer a quase-morte do Fornell e a ira de DiNozzo.

Eu já sabia que não havia sido Jacob quem atirou em Fornell e matou a ex-diretora do MI6. Se ele era ex-agente do MI6, como iria deixar uma pegada suja na casa de Gibbs? E o lance de ter uma digital em cada lugar que passava? Honestamente, Kort, você podia ter feito muito melhor ao esconder tudo isso. Mas o que o entregou mesmo foi um simples nome: Ziva. Só de ouvir o nome dela, DiNozzo já ficou uma fera. É claro que Trent iria atrás dela. Se não houvesse como provar a inocência de Jacob, então Kort estaria a salvo. E ainda bem que trouxeram ele de volta para a despedida de DiNozzo. Nada melhor do que ver ele lidando com seu nemesis em seu último episódio. E que seja o melhor que a série já fez.

 “I need my dad to be okay. And he needs you to get the son of a bitch who did this to him.” – Emily Fornell
Reações:

Sobre o Autor

 
Top