Comentários
Ayla Aguiar Ayla Aguiar Author
Title: [REVIEW] ONCE UPON A TIME S05E20/21 – FIREBIRD/LAST RITES
Author: Ayla Aguiar
Rating 5 of 5 Des:
Oi de novo gente. Então, essa semana saiu review dupla porque assim me revolto em uma tacada só. Tanto pelo episódio da semana passada,...

Oi de novo gente. Então, essa semana saiu review dupla porque assim me revolto em uma tacada só. Tanto pelo episódio da semana passada, envolvendo a Emma e o Hook, o que me dá sono, e o dessa semana, porque descobrimos que Robin acabou morrendo. Então, vamos lá.

S05E20

Esse episódio começa com Hades pedindo ajuda para o grupo para salvar a Zelena, sequestrada pelo Pan e Rumple, que, para isso, oferece a saída definitiva do Submundo para o pessoal. Enquanto vemos uma Emma já adulta querendo descobrir de onde veio (e vemos a famosa jaqueta vermelha em outra pessoa) nos flashbacks.

Sabe, nem foi de todo ruim. O que salva esses episódios com mais foco na Emma e no Hook são as histórias paralelas que continuam, enquanto os dois fazem alguma coisa. Então, o que mais salvou esse episódio foram as loucuras que aconteceram enquanto a Emma e o Hook iam atrás da ambrosia, a famigerada comida dos deuses, para salvar o pirata.



Vocês lembram do mito do Orpheu? Então, eles vão tentar seguir essa linha, porque ele e a Eurídice foram os únicos a entrar e saírem vivos do Submundo. Interessante é que na lenda só quem volta é ele, e quem entra vivo também.

Enquanto eles descem, para o campo da comida dos deuses, Emma tem que passar por um tipo de sacrifício, oferecendo o coração dela para ser pesado na balança da justiça (Horus, olá), galera lá em cima está dando jeito de ou escapar ou impedir que o grupo saia de lá, já que o Hades está ajudando eles a saírem pós-beijo true love da Zelena ter funcionado e a maldição dele quebrada. (Ou todo mundo achava que ele estava ajudando. E podem me crucificar, mas esse true love ainda não me convenceu, desculpa). Ainda tem Cruella querendo dar uma de psicopata, prendendo a galera no Submundo. Amiga, para de ser louca.



E temos ai algumas coisas para eu aplaudir: Hook criou vergonha e ficou no Submundo, uma coisa que me fez voltar a amar um tiquinho o pirata. Afinal de contas, Hades tramou como sempre para o grupo, e fez acontecer contra eles. Rumple, como sempre, pouco ligando para o grupo, mas ainda assim fez uma das melhores coisas dessa vida: armou contra o próprio pai, não entregou o coração do Robin, e ainda matou o Pan. Aplaudi de pé amigo.

As outras duas coisas lindas desse episodio, além claro, de todo mundo ter escapado com vida: a relação Zelena e Regina, chorei com elas. Regina confiou na irmã, apoiou e abraçou a relação com ela. Mesma coisa nossa verdinha. E a história da famigerada jaqueta só vai servir de lembrete pra Emma que ela tem que finalmente se livrar do peso de proteger, para enfim abraçar os que ama e protegê-los (coisa que não tá adiantando muito hein).

S05E21


Chegamos ao famigerado episódio em que o Arthur volta, trazendo o desfecho de Camelot; Hades no mundo dos vivos com o coração normal (e meu ódio incontrolável dele), uma morte (quando descobri quem era, a única coisa que eu pensei foi em tacar fogo nos escritores, e explico já), e todo um episódio que promete de tudo: raiva, emoção com direito a lágrimas e uma ressaca de dias.

Então, o nosso amado grupo consegue voltar em cima da hora para Storybrooke, com o Hades lá em cima também, como um coração normal, e a Zelena sendo feito de trouxa. Amore, me ajuda a te ajudar bebê. Eu sei que você o ama, mas o cara é o pior tipo de vilão dessa vida. Não tá fácil!


Assim, enquanto Zelena tenta ajudar o Hades, e com a filha junto, o pessoal tenta descobrir um modo de derrotar ele. Nisso o Hook, no Submundo, também tenta fazer o mesmo, enquanto ganha uma inesperada e louca ajuda: do Arthur, que foi morto pelo nosso Deus do Submundo. Zelena fica furiosa por achar que a irmã não acredita nela, e ocorre o mesmo, porém ao contrário com a Regina, que achava que havia sido traída pela irmã. Mas, ao mesmo tempo, é lindo de ver uma preocupada com a outra, porque é o que elas sempre quiseram, e já tiveram esse gosto, então fica difícil não querer defender, mesmo contra todas as provas.

Agora, chegamos onde eu queria. Como se estragar um personagem tão rapidamente, by Once Upon a Time: você vem com quase três temporadas desenvolvendo um plot lindo e maravilhoso, todo bonitinho, para dar um final feliz para dois personagens machucados pela vida através de terceiros. Até aí tudo bem. Pela lógica dos escritores essas duas almas estão destinadas a ficarem juntas, por serem alma gêmeas. Elas se apaixonam, começam um relacionamento, e quando você menos espera: começam a estragar. Como? Primeiro: ex-mulher volta do nada, depois de uma justificativa pachorra. Aí, para tentar consertar, o Robin escolhe a Regina, mas estragam de novo. E a partir dai amigos, é ladeira abaixo.


Foi irmã que era a ex pra tirar o happy ending da outra, que, por acaso, engravidou só pra ter a cereja no bolo (Robin, migo, não consigo te defender disso até hoje), e cara, acho que foi daí que comecei a ter um olhar mais crítico sobre a série e perceber o quanto ela decaiu. Porque, vejam bem, Once tem a capacidade de sempre ter uma parte da temporada muito boa, e outra muito ruim. Há uma temporada e meia que ela vem sendo de mediada a “quero morrer!”. Sério, não está sendo fácil, já que a 4B veio a base de força, 5A, nem se fala. Aí quando melhoram, acontece isso.

Como se dá um fim tão injusto a um personagem, me digam? Primeiro, tornam o ator regular, depois, na segunda parte da temporada, começaram a tirar o screentime dele e ferraram o Robin. Olha, se queriam tirar, tirassem, mas fizessem de um modo plenamente justo, não esse tiro no coração. Cara, eu shippo SwanQueen, mas meu coração ainda batia muito mais por OutlawQueen, e eles não mereciam isso. A Regina não merece isso, o Robin não merece esse final extremamente injusto para dar enfoque em outro. Com um detalhe ainda mais perturbador: Rumple morre e volta, David/Charming também, Hook tem uma temporada quase toda focada nele. Aí o Robin morre e deixa de existir. Vão procurar o que fazer! Vocês podiam deixar o Hook morto, não é não? Nada mais justo!


Mas claro, teve desrespeito no funeral: Hook volta, eles se pegam em frente ao caixão do Robin. Pelo amor de Deus viu! Além de a Regina ter, de novo, perdido o true love dela, a Zelena teve que matar o cara que ela amava. Pelo amor de Deus, respeito é o mínimo. O que os escritores tem na cabeça, me digam? Você chegar a esse nível com a Regina, para Emma esfregar da pior maneira possível que ainda tem o dela (que por um acaso deveria ter ficado no Submundo). Não se anula uma personagem pra elevar outra, principalmente quando a própria Regina é a principal e leva essa série nas costas atualmente. Vocês parem com isso! 

Sério, não estou conseguindo aceitar essa cachorrada com a Regina. Não é justo de maneira nenhuma! Sabe o que é pior? Deixar o Roland e a filha órfãos por pura birra de querer CaptainSwan o tempo todo (Sim, estou com ódio do casal, o Hook não me desce desde a 5A, porque se usar de suicídio pra chamar a atenção? Melhor ter morrido e ficado no Submundo. Além de outras coisas, como ser um relacionamento abusivo). 

Já sobre os maiores sentimentos com esse episódio: raiva, nojo e desrespeito com metade dos personagens e com a gente. Além do amor pela Regina e a Zelena, se consolando e abraçadas. Nunca vou superar a Zelena escolhendo o amor, a irmã e a filha. Minha verdinha. (Nhaw *-*). E outra coisa: medo do Rumple com o cristal, apenas. E para que colocar a Merida se não deram, again, o final dela? Sério, que coisa esses escritores comeram? Porque só pode estar estragada.


P.S: Deixo aqui as melhores frases dos dois episódios, consecutivamente.
1) Hook: “O amor verdadeiro é a magia mais rara de todas”. (por incrível que pareça).
2) Regina, chorando perto do corpo do Robin: “Isso é o que o amor verdadeiro significa. Sacrifício. É desistir de tudo pela pessoa que você ama.”
Chorei com essa 2ª frase? Nem um pouco. Regina! *abraça por tempo indeterminado*
Reações:

Sobre o Autor

 
Top