Comentários
Michelle Louise Michelle Louise Author
Title: [LIVROS] RESENHA - PEDRA NO CÉU
Author: Michelle Louise
Rating 5 of 5 Des:
 Qualquer planeta é a Terra para aqueles que nele vivem. O alfaiate aposentado Joseph Schwartz desfrutava de uma pacífica caminhada d...

 Qualquer planeta é a Terra para aqueles que nele vivem. O alfaiate aposentado Joseph Schwartz desfrutava de uma pacífica caminhada de verão quando, devido a um acidente em um laboratório na mesma cidade, foi involuntariamente transportado milhares de anos para o futuro. Chega então a uma Terra marginal e abandonada, cuja superfície é quase toda inabitável, e que fica às margens de um grandioso Império. Publicado pela primeira vez em 1950, Pedra no Céu foi o romance de estreia de Isaac Asimov e é um marco do que se tornaria o Império de sua mais famosa obra, Fundação. Complemento fundamental às outras histórias do autor, este romance também serve como porta de entrada para apresentar o leitor ao universo de Asimov. 


"Para o resto da Galáxia, se é que notam a nossa existência, a Terra é apenas uma pedra no céu." - pg.58

É difícil para qualquer ser humano conseguir dimensionar o tamanho do universo. Conseguir dimensionar que representamos apenas um pequeno pedaço dessa grande imensidão não é uma tarefa fácil. 

Pedra no céu foi o primeiro livro lançado por Isaac Asimov em 1950 e foi relançado pela editora Aleph em julho deste ano. Talvez por ter recentemente terminado de ler “O guia definitivo do Mochileiro das Galáxias” do Douglas Adams eu já estivesse pensando um pouco sobre a vida na terra e como somos realmente pequenos dentro de uma visão do universo como um todo. 


A escrita de Asimov, como sempre, é algo que te envolve de uma maneira muito única e em Pedra no Céu isso não poderia ser diferente. A obra é composta por diferentes núcleos iniciais que vão se unindo no decorrer da leitura.  Joseph Schwartz é um alfaiate aposentado que está caminhando lentamente pelas ruas da Terra, como sempre fez, quando acaba sendo transportado para o futuro onde tudo está completamente diferente e o seu planeta está longe de ser aquilo que foi um dia. 

Joseph se encontra agora na Era Galáctica, onde a história humana é completamente diferente e os terráqueos são excluídos e mal vistos pelo resto da galáxia. Para eles, a ideia de que um dia este planeta representou surgimento e apogeu da vida humana é absurda. A Terra como conhecemos já não existia, marcada por áreas com radiação e poluição atmosférica agora o planeta precisava lidar com o preconceito forte dos forasteiros (pessoas que eram de outros planetas) que abominavam as pessoas que aqui viviam.


Schwartz passa então a vagar por este lugar desconhecido, tentando achar seu caminho de volta para casa, quando acaba encontrando Arbin, Loa e Grew. Mas toda a emoção de encontrar novamente pessoas é substituída pelo pânico quando ele nota que o idioma utilizado por eles era completamente desconhecido. Mesmo assim, eles lhe fornecem comida e moradia e é através destas figuras que ele chega nas mãos do Dr. Sheket e sua invenção: O Sinapsificador, um aparelho que poderia ajudar a melhorar a capacidade do cérebro tornando as pessoas mais inteligentes. Com isso, ao participar forçadamente da experiência, ele rapidamente aprende o novo idioma, assim como desenvolve capacidades psíquicas até então nunca vistas e que mudarão o destino da Terra. 

Estas histórias, por sua vez, se conectam com a do antropólogo Dr. Arvardan, que veio para a Terra com o intuito de provar sua teoria de que aqui foi o berço da humanidade. Ele encontra no pobre Joseph características nada comuns a seres humanos daquela época, tendo assim o mais primoroso exemplo de fóssil vivo. 


Essa ficção cientifica fantástica, elementos maravilhosos sobre o universo e a vida, toma um viés mais profundo quando paramos para pensar na situação que estamos presenciando. E então, uma obra escrita a sessenta anos atrás se faz atual. Encontramos ali debates sobre pessoas e principalmente em como enxergamos o outro. A xenofobia é algo escancarado no livro. Não era aceitável para um forasteiro se relacionar com um terráqueo. Terráqueos não eram dignos e poderiam transmitir doenças para as outras pessoas, na visão do resto da galáxia. E esta questão é tão forte que o próprio Dr. Arvardan, um forasteiro que se orgulhava por não ter preconceitos e tratar os humanos como “iguais”, entra em um debate interno ao se apaixonar por uma terráquea. 

É preciso desmitificar a ideia de que livros clássicos e, principalmente, os de ficção cientifica são de difícil leitura. Asimov vem com uma escrita fluida mostrar que isso não é verdade. Asimov vem, mais uma vez, mostrar que suas obras são atemporais e sempre existe um ou outro elemento que você vai conseguir associar com algo presente dentro da nossa sociedade. 

Desde experimentos com seres humanos, passando por preconceitos de maneira bastante forte e enfática, até tratar de assuntos mais internos como o egoísmo e a busca desenfreada pelo poder, o autor vem nos lembrar porque ele é considerado um dos gênios da literatura capaz de te entreter, te amarrar a obra e te fazer pensar e compreender o que ele de fato quis nos dizer.


Ler esta obra e ver o preconceito sofrido pelos terráqueos é algo que deveria fazer todas as pessoas pensarem em seus próprios preconceitos. O autor te faz um convite silencioso a se colocar no lugar dos terráqueos do futuro e pensar em como você se sentiria se estivesse o lugar deles. Ao praticar esse pequeno gesto de empatia, talvez fossemos ser capazes de perceber o quão absurdo é praticar os tantos gestos de preconceitos que praticamos com aqueles que nós enxergamos como “diferentes”. 

Além da história maravilhosa, da escrita espetacular, não seria justo deixar de fora os parabéns a editora Aleph pela edição maravilhosa do livro. Não é novidade para ninguém que a editora é meu "xodó" e não é para menos. É um cuidado com a edição, com a capa e a lombada (que fica linda na estante) que não tem como não se encantar. As páginas amareladas e a diagramação excelente, dão um toque final para aquelas que foi uma das minhas melhores leituras desse ano. 

Título: Pedra no Céu
Autor: Issac Asimov 
Editora: Aleph
Páginas: 312
Ano: 2016
Onde comprar: Site Editora Aleph

Reações:

Sobre o Autor

 
Top