Comentários
Lilian Zin Lilian Zin Author
Title: [REVIEW] NCIS - S14E01: ROGUE [SEASON PREMIERE]
Author: Lilian Zin
Rating 5 of 5 Des:
“First time for everything” – Eleanor Bishop Apesar de ter ficado bem ansiosa para várias outras season premiere de NCIS , essa foi...
“First time for everything” – Eleanor Bishop

Apesar de ter ficado bem ansiosa para várias outras season premiere de NCIS, essa foi a que mais esperei. Primeiro porque queria ver como seria toda a dinâmica da equipe sem DiNozzo. Depois porque é NCIS e eu estava morrendo de saudades do Gibbs, mesmo assistindo episódios antigos quase todo dia. Admito: não fiquei nem um pouco desapontada.

Quando o carro da família Campbell explode, a equipe é chamada para investigar a morte do Navy Commander George Campbell e a tentativa de homicídio à sua esposa, a JAG Lucia Campbell, e sua filha Amanda Campbell. Porém o motivo da explosão foi o que incentivou ainda mais a equipe: o fato de Lucia ser irmã de um agente do NCIS. E todo mundo sabe muito bem como os olhos ficam cheios de sangue quando algo acontece com alguém da agência ou familiar. Só que ninguém conhecia o tal agente. Ninguém além de Alex Quinn.

O que mais me chamou atenção no caso foi justamente o fato de que o fechamento dele também era um fechamento de um dos casos de Mike Franks. Juro, a morte do personagem é difícil de aceitar, logo depois da Kate. Porém a melhor cena do episódio foi McGee conversando com o Captain Roberts. Ver o Bud com os cabelos brancos daquele jeito me deu uma saudade de ver JAG. Queria que ele tivesse ficado lá por mais tempo, que conseguisse terminar de contar como Harm e Mac estão... Queridos roteiristas, por favor, tragam o Patrick Labyorteaux mais vezes! E também o David James Elliot, a Catherine Bell, o John M. Jackson (que já apareceu em Damned If You Do) e mais alguns rostos familiares. Afinal, a fonte verde e o barulho quando aparece o nome da localização já está igual ao JAG, então, por que não?


Antes de falar dos novos membros da equipe, eu ainda quero concluir que achei o caso bom e o desfecho interessante. É claro, majoritariamente pelo jeito que Nick lidou com toda a situação, mas que foi bom, ah, isso é inegável. Só tenho que reclamar um pouquinho da falta de espaço para alguns personagens. Sim, eu sei que o episódio foi basicamente feito para apresentar Quinn e Torres, mas não podemos deixar Abby, Jimmy e Ducky de lado. Abby apareceu duas vezes, sendo uma delas fora do prédio. Onde estava a festa que Sciuto faz toda vez que sai do prédio? E Ducky e Jimmy? Além da informação desnecessária vinda do Autopsy Gremlin, eles apareceram só em uma outra cena na autópsia. Foi reconfortante ver que, se algum dia o bom doutor precisar ir, o departamento médico do NCIS estará em boas mãos. E que venham mais histórias para Palmer nessa temporada!

Agora vamos às novidades. Primeiro gostaria de tirar um momento para falar que ADOREI Alex Quinn. Não estou brincando, ela me conquistou no minuto que saiu do elevador batendo palmas e elogiando Gibbs pelo recorde em demitir probies. Eu já imaginava que algo do tipo iria acontecer, mas oito agentes em tão pouco tempo? Até eu queria aplaudir. Pelo que eu pude ver, ela vai trazer uma dinâmica bem divertida para a equipe, já que adora fazer uma brincadeirinha com um ou outro membro, além de se empolgar demais quando descobre alguma informação útil. Além disso, parece que ela tem uma memória invejável, então vai ser interessante ver como isso vai ser desenvolvido.


Já Nick Torres... Eu queria usar um belo de um palavrão para descrevê-lo, mas vou manter o nível por enquanto. Com esse episódio eu fiquei mal acostumada e vou querer episódio focado nele uma semana sim e a outra também. Estou definitivamente encantada com o personagem. Quer dizer, não só pelo espanhol dele, mas também pela ótima habilidade de observação e a coragem de encarar qualquer um que entre na frente dele, mesmo se for o Vance. Ao que tudo indica, a relação entre ele e Gibbs vai ser baseada na confiança e na brincadeira, já que o chefe estava se divertindo bastante com o fato de Nick estar sentado em uma bomba e ainda encenou uma briga com ele, para ver se fazia o probie reconhecer que estava seguindo o caminho errado.

Quanto ao terceiro novato, quero Clayton Reeves o mais rápido possível. Achei que ele já ia aparecer logo no primeiro episódio, mas me enganei. Sorte da Bish que pôde aproveitar um tempo de qualidade com ele na Escócia. E sim, estou no Team McGee achando que os dois têm mais coisas do que apenas fazer trilha. E por falar no Senior Field Agent, que orgulho do meu baby assumindo a mesa do Tony! Sim, vai ser bem difícil substituí-lo, porém, se tem alguém que consegue fazer esse trabalho perfeitamente bem, é Tim.

E é claro que não posso deixar de falar do mais novo roommate de Gibbs. Quando baixei o episódio, só abri para ver a abertura, mas não me segurei quando vi que Fornell agora está vivendo no sofá de Jethro. Além de ficar pensando onde a Emily se encaixa nessa situação, estou esperando que ele fique ali por um bom tempo. Vai ser realmente engraçado ver cada um dos visitantes de Gibbs ficando ali um tempinho a mais para conversar, beber ou acabar com Tobias no poker. 

P.S.: Amei a nova abertura. Tem de Gibbs rindo a McGee sendo badass, bem do jeito que gosto;
P.S.2: É claro que sinto falta do Tony, mas fiquei tão focada nos novos personagens que mal pensei nele. Um pouco preocupante, mas bom saber que a série continua a todo vapor.

“Well, this time, it wasn't about finding an agent that your team needed; it was about finding an agent that needed your team” – Alex Quinn
Reações:

Sobre o Autor

 
Top