Comentários
Leandro Cardoso da Cruz Leandro Cardoso da Cruz Author
Title: [REVIEW] LUKE CAGE - PRIMEIRA TEMPORADA
Author: Leandro Cardoso da Cruz
Rating 5 of 5 Des:
E a Netflix nos entrega mais uma boa série de super-herói, seguindo uma linha de narrativa bem diferente das anteriores, o que nos permi...

E a Netflix nos entrega mais uma boa série de super-herói, seguindo uma linha de narrativa bem diferente das anteriores, o que nos permite sonhar com algo ainda mais surpreendente para o futuro. Aah Netflix, você odeia que nós tenhamos vida social não é mesmo?


Se Demolidor trabalhou a clara jornada do herói, de apanhar e se levantar cada vez mais forte e Jessica Jones trouxe uma heroína que não queria ser isso, apenas trabalhar para pagar suas bebidas, Luke Cage seguiu um novo caminho. Nosso herói já era conhecido da série de sua ex-namorada, mas faltava entendermos sua história pessoal e isso foi mostrado com uma narrativa em que ele era herói para alguns e vilão para outros. Diferente do caso do Demolidor, que em sua primeira temporada não era herói para quase ninguém e se vale do medo, Luke não se esconde atrás de uma máscara e luta por um bairro que ele acredita.


Mas foi necessário algo acontecer para que Luke assumisse seu posto e a morte de Pop foi esse fato. Corajosa decisão de matar um personagem carismático, mas não a última decisão corajosa da série. Mudanças de rumo serviram para crescer alguns personagens. Se a morte de Pop ajudou no crescimento de Luke, a morte de um vilão auxiliou o outro. Mas já chegamos lá.


A origem de Luke foi muito bem explorara em mais boas cenas de prisão. Não ganha da luta do Justiceiro na segunda temporada de Demolidor, mas foi quase lá. Toda a relação com Reva, que ainda não foi totalmente explorada, além de sua história de lutador com os policiais foi bem interessante de ver. Ver como alguém chega ao fundo do poço e depois ganha uma segunda chance. Válido também trazer de novo o médico que o criou, deixando até mesmo um gancho para sua volta numa segunda temporada.


Entre os personagens secundários, o núcleo feminino se destacou. Misty Knight foi excelente do começo ao fim, mesmo levando em conta que alguns episódios ficaram meio cansativos nas suas histórias. Não culpo a atriz, mas sim o timing dos roteiristas. Só faltou o braço biônico. Mas fica a expectativa ainda. Já Claire, uma eterna coadjuvante em Demolidor e Jessica, acabou ganhando um papel ainda maior. Séra que ela volta em Punho de Ferro? Defensores pra mim é certeza!



Entre os vilões, foi talvez a melhor parte da relação Netflix-Marvel. Não que Rei do Crime e Killgrave não tenham sido excelentes, mas o lance de usar vários, com o crescimento deles foi muito bem pensado. Boca de Algodão começa no auge, mas sempre fica claro que existe um peixe maior por trás. Black Mariah sempre mostrou que não queria se envolver com o crime, mas que tinha um lado sombrio. Shades era o eterno capanga, mas que sabia a hora de trocar de barco e de envenenar quem ele precisava. E Kid Cascavel foi a força bruta, aquele que tinha uma rixa pessoal com Cage. Ponto negativo pra velha tática da Marvel de usar vilão e herói com mesmos poderes, entendi que era necessário para enfrentar o Luke, mas como o gancho do final deixa a entender que o Cascavel vai ganhar poderes, isso me preocupa.


Uma série correta, com deslizes e por vezes episódios cansativos, mas que entrega o que prometeu. Conhecemos Luke. Conhecemos seus vilões e sua história. Estamos prontos para vê-lo em ação com os Defensores e em uma segunda temporada. Os ganchos estão aí. Cuidado com Black Mariah e com o Shades. Cuidado com a volta de Kid Cascavel. Na dúvida, chame um advogado, a Claire conhece um bom...

Reações:

Sobre o Autor

 
Top