Comentários
Jéssica Ohara Jéssica Ohara Author
Title: [LIVROS] RESENHA - O CHAMADO DO MONSTRO / SETE MINUTOS DEPOIS DA MEIA NOITE
Author: Jéssica Ohara
Rating 5 of 5 Des:
A escuridão, o vento, os gritos. Os olhos estatelados, a respiração entrecortada. É o pesadelo de novo, como em quase todas as...





A escuridão, o vento, os gritos. Os olhos estatelados, a respiração entrecortada. É o pesadelo de novo, como em quase todas as noites depois que a mãe de Conor ficou doente. A escuridão, o vento, os gritos – e o despertar no mesmo ponto, antes de chegar ao fim.



Sua mente acreditará em mentiras confortadoras ao mesmo tempo que também sabe das verdades dolorosas que fazem essas mentiras necessárias. E sua mente o punirá por acreditar em ambas.

Em algum momento, a vida vai te mostrar que você não pode controlar tudo, essa revelação pode ser feita de um jeito suave ou doloroso, mas geralmente o último modo é o mais comum. Ler O Chamado do Monstro (ou sete minutos depois da meia-noite) também se apresenta como um dos caminhos para entender toda a frustração e dor que está na descoberta do incontrolável.

De repente, na vida de Conor, um monstro gigantesco e ameaçador aparece na sua janela. E resolve começar a aparecer de vez em quando.  Mas sempre sete minutos depois da meia-noite. Para alguns esse seria o ponto de terror ou pânico das suas vidas, mas não para Conor porque sua mãe está doente, sua avó se mantém a abismos de distância emocional dele e seu pai resolveu construir uma outra família do outro lado do mundo.  Então, uma velha árvore virando uma criatura sobrenatural nem parece o maior problema no momento.

Em princípio, foi um pouco difícil criar uma empatia com Conor, apesar de estar profundamente mergulhada na leitura. Ele é teimoso, um pouco grosso e não o tipo de menino fofo, ingênuo que vemos em tanto sick-lit por aí, também não é o geek esquisito introvertido. Mas depois de constatar que ele não se encaixava nessas categorias, percebi que isso se devia ao fato dele ser normal e suas reações serem totalmente compatíveis com alguém passando pela sua situação. Bom, e nesse momento, eu já o amei. 

Nunca havia lido nada do Patrick Ness (nem da Siobhan Dowd, de quem foi a ideia original para história), ou seja, não tinha uma pista de como seria sua escrita ou o que esperar. Dizer que eu fiquei surpresa seria pouco para o que esse cara me proporcionou, a melhor definição para o que ele faz é “escreve com força”, como se cada frase que fosse colocada no papel também ficasse marcada de algum modo dentro de você, mas de um modo sutil.

São como aqueles cortes que aparecem do nada e você não faz ideia de como se machucou, só se dando conta que está ferido quando percebe que está sangrando muito tempo depois. Os personagens de Ness entram dentro da consciência e quando você se dá conta, eles continuam lá, a contar suas histórias, não sendo domadas pela passagem do tempo, se comportando como as coisas selvagens que elas são.

A emoção também é essa forma bestial, mas durante boa parte do livro está contida, o que não impede de ouvirmos seus rosnados. Mesmo nas partes mais calmas é possível sentir a tensão, algo não contado, não resolvido, que precisa ser colocado para fora antes que seja tarde demais. Estamos no centro de um furacão e o monstro nos joga e retira, ao mesmo tempo, dos ventos violentos.

Aqui um pouco mais dos livros do Ness, aqui algo sobre a Siobhan, e também deixo o trailer do filme que vai estrear ano que vem, e olha, tá prometendo ser uma adaptação maravilhosa.




AUTOR(A): Patrick Ness - Siobhan Dowd (ideia original)
PÁGINAS: 224
EDITORA: Editora Àtica / Novo Conceito
LANÇAMENTO: 2011 / 2016
ONDE COMPRAR: Submarino
Reações:

Sobre o Autor

 
Top