Comentários
Leandro Cardoso da Cruz Leandro Cardoso da Cruz Author
Title: [PRIMEIRAS IMPRESSÕES] 3% - TRÊS POR CENTO
Author: Leandro Cardoso da Cruz
Rating 5 of 5 Des:
"Tá todo mundo aqui pra passar. E todo mundo vai fazer o que for preciso fazer pra passar" Finalmente estreou a primeira...

"Tá todo mundo aqui pra passar. E todo mundo vai fazer o que for preciso fazer pra passar"

Finalmente estreou a primeira série brasileira da Netflix. De cara com uma proposta interessante e já chega chutando a porta! 


Primeiro acho válido contar a história por trás dessa série: ela surgiu em 2011 como um projeto de alunos de Cinema da USP indo para o YouTube como uma webserie. Depois de ser recusada por vários canais de TV a Netflix assumiu o projeto. Ela foi criada por Pedro Aguilera, que escreveu o roteiro em 2009, com base em Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, e 1984, de George Orwell. E dá pra sentir essas referências.


É o ano 104 do Processo. Um processo que dá uma chance de jovens de 20 anos de ingressarem no mundo de Maralto, a sociedade perfeita. Essa divisão de classes é algo que volta e meia aparece em produções e livros sobre um futuro distópico. E vamos ser honestos que nem é difícil de imaginar algo assim não é? O que chama atenção logo de cara é que os candidatos nem sabem o que tem do outro lado. Mas com base na vida deles, deve ser melhor. Levando em conta que são pessoas de 20 anos, há muito aqueles que viviam no mundo Pré-Processo já se foram e os motivos que levaram à criação de Maralto se perderam.


Por serem só 8 episódios, a série não se preocupa em enrolar muito. Conhecemos os personagens durante o episódio, já sabendo logo de cara que ninguém é completamente bom ou ruim. Não existe preto e branco, zero e um. Não somos binários e nem eles. Alguns mistérios são apresentados e logo resolvidos, enquanto outros ficam no ar. Uma boa mistura.


Desde o início notamos que a série irá tratar de meritocracia. Por exemplo temos o Marco Alvarez, filho de uma família que passa sempre no Processo e que já vem sabendo disso. Ele serve pra mostrar que todos tem que passar nas provas e serem escolhidos. Sua ascendência familiar não importa. Ou será que importa?


Também vemos desde o início que existem regras no Processo, mas nem sempre aquelas com as quais estamos acostumados. Roubar pode não ser algo ruim. Que outras regras podem ser quebradas? O personagem Rafael também tem a questão do Registro falso e sua aliança forçada com Joana. Ambos parecem que sabem jogar e estão lá para isso.


Ezequiel é colocado como o aparente vilão, mas não devemos cravar isso. Mostrar ele sendo "investigado" prova que a sociedade de Maralto não é tão perfeita assim. Afinal, os interesses humanos se mantém. Sua relação com Michele e com a Causa deve ser bem explorada. É válido sempre apontar o seu discurso inicial e a acusação aos que querem derrubar o Processo. Em tempos em que estamos tão divididos politicamente, esse debate em um meio como uma série brasileira será muito bem vindo.


Temos aqui uma chance, uma chance de uma série que nos faça pensar para onde estamos indo. Mas também o que somos. Posso estar sendo otimista com ela. Mas acho válido dar essa chance. E vocês, vão entrar no Processo?

TRAILER DA SÉRIE

Reações:

Sobre o Autor

 
Top