Comentários
Lilian Zin Lilian Zin Author
Title: [REVIEW] BULL - S01E03 ATÉ S01E09
Author: Lilian Zin
Rating 5 of 5 Des:
 “Punctual as always and full of surprises, as always.” – Doctor Jason Bull Acho que a frase de Bull acima me define na situação das ...
 “Punctual as always and full of surprises, as always.” – Doctor Jason Bull

Acho que a frase de Bull acima me define na situação das reviews, principalmente se for lida com um tom de sarcasmo. Sim, me enrolei muito com quase tudo na minha vida, o que, infelizmente, inclui as séries. Mas agora estou de volta e, pelo menos enquanto não tenho aula, pretendo manter as reviews em dia.

Antes de falar sobre cada episódio, tenho que admitir que continuo apaixonada por Jason Bull e sua equipe. Os roteiristas estão acertando em cheio nos casos, os atores estão interpretando os personagens muito bem e a série é, atualmente, uma das melhores para se fazer uma maratona.  Porém o que mais gosto é o fato de que, além de provar a inocência dos réus, Bull ainda trás o verdadeiro culpado de toda a história. Afinal, nada mais justo do que trazer um fechamento para as famílias que tiveram que sofrer por, não só, perder quem eles amavam, mas também enfrentar um julgamento. Agora vamos aos episódios.

 “I couldn't stand up for myself then, but I am stronger now”– Reese Burton

Unambiguous trouxe como principal crítica a manipulação feita pela mídia, algo extremamente comum. No caso do episódio não foi a grande mídia, mas sim aquela independente, dos tais “formadores de opinião”. Porém, é claro, que os primeiros acabaram tirando um pouco da casquinha da fama que Ellen Huff estava ganhando com as informações cuidadosamente escolhidas para serem comentadas em seu podcast. Porém esse não foi o assunto mais interessante que foi discutido ao longo do episódio. A questão dos ataques de pânico sofridos por Reese Burton é importante e não foi muito explorada. Muita gente sofre disso e não tem a menor ideia de como é e como proceder para tentar se acalmar. A técnica de colocar os números em ordem, como usada por Jason, parece bem interessante, já que você ocupa a mente tentando repetir os números.

Não preciso nem mencionar o quanto amo quando Colón é o representante. Já disse uma vez e vou continuar dizendo (talvez até repita na review): quero proteger Benny a todo custo. Quando a Amanda apareceu, já logo pensei que haveria mais alguma coisa entre eles e fiquei bem chateada vendo meu baby triste. Sim, a atitude dele foi um pouco egoísta, ainda mais por pensar que ela deixaria o emprego para o seguir, mas ninguém pode culpá-lo. Porém, se fosse eu no lugar da Amanda, talvez eu seria a Renée Zellweger dele. 

 “You can't take on the world all alone.” – Doctor Jason Bull

Já em Callisto tivemos a volta de Dr. Bull à Callisto, cidade que o causa terror e todo e qualquer tipo de comentário engraçadinho sobre como “Callisto’s not gonna catch me with my pants down again”, o que não aconteceu, de certa forma. Como estudante de Química, adorei o caso. O maior problema foi justamente o fato de o remédio sintetizado por Kerry Ketchum ter a mesma composição de um feito pela WindGen Pharmaceuticals, que nunca funcionou. A questão é: ela tinha os componentes, mas a forma como ela sintetizou foi diferente da forma como a WindGen sintetizou. E duas coisas iguais sintetizadas de formas diferentes podem gerar dois compostos sem nenhuma semelhança. Ainda bem que Windemere desistiu do processo.

Com esse episódio já deu para perceber o quanto Bull agrada da mesma forma que desagrada a algumas pessoas. Seus métodos de distração estão entre os melhores que já vi e seu entrosamento com a equipe, principalmente com Cable, me faz gostar cada vez mais da série e querer que demore bastante para a primeira temporada acabar. Não posso deixar de mencionar que, sim, shippei Marissa e Merle, apesar de saber que foi uma coisa mais de momento mesmo, e que amei o mock trial feito por Benny com as crianças. Genial.

 “The jury's only seen you fall apart in the confession video. I think it's time they see the real you.” – Doctor Jason Bull

Just Tell the Truth trouxe a confissão do assassinato de Layla Everton feita por Richard Fleer, seu noivo.  Foi nesse ponto que comecei a pensar em como a maior parte das confissões são feitas na base da coerção e tortura – seja ela psicológica ou física. Como já aprendi que os clientes de Bull sempre serão inocentes, queria logo era saber quem era o assassino, torcendo para que o detetive tivesse um jeito de se redimir pelo que fez.

Também achei interessante a instalação do co-co e de como ele foi extremamente útil nessa situação. Além disso, a dinâmica da equipe só melhora, principalmente na parte de Danny e Cable. Não sei se as duas vão continuar só na amizade ou se vai acontecer outra coisa, mas espero que elas continuem assim, insistindo em pesquisar tudo sobre o encontro de Chunck e trabalhando tão bem juntas.

 “I know it's not my place, or any consolation but I was adopted. Not a day goes by that I don't thank my parents for giving me a home. There are a lot of ways to make a family.” – Marissa Morgan

Bedside Manner foi, para mim, o episódio mais chato da temporada. O caso foi bom, mas a personalidade do Dr. Robeson me irritou desde o começo. Eu até entendo – e me simpatizo – pelo fato de ele ser péssimo para falar com as pessoas, saindo como ignorante na maioria das vezes, mas já estava passando um pouco dos limites. As únicas coisas boas que saíram dessa atitude dele foram os momentos com Colón e ele finalmente ter falado o quanto amava Marissa.

Aliás, ela foi o destaque desse episódio, se simpatizando tanto pelo ex quanto pela situação da vítima. Gosto muito da personagem e espero que os roteiristas deem mais destaque para ela ao longo da temporada. Outro personagem que apareceu e me deixou extremamente feliz foi Liberty, a advogada que apareceu no piloto. É claro, o motivo pelo qual Bull a chamou não foi o melhor possível (sim, Benny é extremamente carismático), mas trouxe leveza ao episódio e foi uma aposta certa.

 “Michelangelo's David was chiseled from a very large, imperfect block of marble other artisans wouldn't touch.” – Doctor Jason Bull

Never Saw the Sign trouxe uma das maneiras de convencer o júri mais geniais e que, se pararmos para pensar, é o que realmente acontece. John Phillips estava sendo acusado de ter causado o acidente que tirou a vida de sua esposa – Karen – enquanto voltavam de um jogo de seu filho. E, como é de praxe em qualquer julgamento, vídeos sempre vão aparecer para colocar a credibilidade do réu em questionamento, como foi esse caso. A questão é: John não gostou da atitude do técnico, que levava jogos de baseball extremamente a sério, ter tirado seu filho do jogo, causando o aumento de seu estresse. Para a acusação isso foi um prato cheio. Mas a verdade por trás do acidente foi ainda mais interessante.

Ele simplesmente não se lembrava do que estava escrito na placa. Isso acontece com todo mundo. Eu mesma passo na frente de várias placas na universidade e não consigo me lembrar o conteúdo de uma inteira. O fato de o advogado ter feito o mesmo no closing argument foi o que me encantou no episódio. Isso e o fato de Cable e Danny estarem trabalhando juntas e muito bem, por sinal.

 “I love what I do, and I love not having to justify it to anyone.” – Doctor Jason Bull

Too Perfect era um episódio que eu estava bem ansiosa para ver. Afinal, não é todo dia que a empresa da ex-mulher de Bull, e irmã de Benny, é processada devido à morte de Olivia Brooks. Bella recorre à TAC, apesar de não acreditar muito na trial science. Esse episódio também foi bom por mostrar o quão o padrão da perfeição afeita o julgamento das pessoas. Bella pode ser a melhor pessoa do mundo (não digo que ela seja, mas enfim), porém só por parecer ser muito perfeita, ganha o ódio de metade daqueles que compram seus produtos ou assistem seus vídeos.

Outro motivo que foi bom ter ela por perto foi finalmente ter resolvido toda a questão com Benny. Ela culpava Jason por ter roubado o irmão quando ele só queria, pela primeira vez na vida, tomar uma decisão por si só. Também foi ótimo apresentarem um pouco do passado do Doutor, citando o quão difícil era o casamento e como ficou insuportável depois da perda do filho. Não sei se pode acontecer um relapse entre os dois, mas, caso aconteça, acho que ninguém veria problema nenhum nisso.

 “Would've been nice to have Dad up here to see how things turned out.” – Doctor Jason Bull

E por último, mas não menos importante, Light My Fire trouxe ainda mais informações sobre Jason Bull, mais especificamente sobre o tempo em que o mesmo morava em Kavanaugh, New Hampshire e sobre como a maior parte da população odeia qualquer um que carregue o sobrenome Bull. Essa questão de sobrenome é uma das coisas mais complicadas que existem, como Peter Walsh mostrou. O fato de Jason ter ajudado o garoto, não só por se sentir injustiçado com todo esse ódio direcionado a um sobrenome, foi o ponto alto para mim. Isso e os boatos que rondaram o episódio. Todo mundo adora uma fofoca e compartilhar a mesma por aí já virou parte do dia-a-dia. E existem pessoas que são muito mais suscetíveis a mudarem seu comportamento e linha de pensamento com o que ouvem. Por isso é que gostei tanto do caso. Pois mostrou o quão fácil é manipular a mente das pessoas com uma simples mentira postada na internet.

E é claro que não poderia deixar de mencionar o fato de que os daddy issues do Bull iriam aparecer, uma hora ou outra. Só não pensei que fossem tão graves a ponto de fazer quase uma cidade toda o odiarem. Mas é bom, pois assim dá para ver o motivo de o personagem ter crescido e se tornado quem é hoje. Além disso, os planos arruinados da equipe trouxeram certa leveza, principalmente a teimosia de Benny em conseguir pescar algo. Até ficar perdido no meio do mato com o Chunck ele conseguiu. Por mais episódios assim!

P.S.: Michael Weatherly, seu Jason Bull tem um pouco de Tony DiNozzo;
P.S.2: Se você está assistindo Bull na esperança de ter Tiva de volta, ou se achou que a ex dele se parece com a Ziva, pode ir parando por aqui. Já ficou chata essa história.


“I'm Dr. Jason Bull. I'm not a lawyer. I'm an expert in what's called trial science. I study the jury's behavioral patterns. I know what they're thinking before they do. Everything my team learns gets plugged into a matrix, which allows us to assemble a mirror jury that is scary in its predictive efficiency. The verdict you get depends on me. And that's no bull.” – Doctor Jason Bull
Reações:

Sobre o Autor

Postar um comentário Blogger

 
Top