Comentários
Camila Rheinheimer Camila Rheinheimer Author
Title: TOP 10 DDS - SÉRIES COM TEMÁTICA LGBT. Pt 3
Author: Camila Rheinheimer
Rating 5 of 5 Des:
As partes 1 e 2 (clique nos números para ver) do nosso TOP 10 foram tão bem recebidas que resolvemos ignorar o fato de ser um TOP 1...

As partes 1 e 2 (clique nos números para ver) do nosso TOP 10 foram tão bem recebidas que resolvemos ignorar o fato de ser um TOP 10 e estamos trazendo aqui mais algumas séries que abordam o tema. <3

SKAM (por Camila Rheinheimer)


OPA! Você não quis dizer SKINS? NÃO, não é Skins. Apesar de fãs ardorosos da já finalizada série Inglesa insistirem em comparar as pegadas, Skam situa a proposta em Oslo, a capital da Noruega. A série brotou assim do nada mesmo, foi lançada sem grandes expectativas e divulgações pelo canal NRK (Ahhh, mas foi uma grata de uma surpresa, o povo norueguês que o diga, ou melhor, a audiência que o diga...). A obra acompanha a vida de jovens estudantes de uma mesma escola, e o clichê para por aí. Skam é repleta de tonalidades e sensações, ao mesmo tempo que lida com os dilemas envolvendo idade e descobertas, de forma crua e direta, também consegue ser sensível e empática. As mídias sociais dominam as formas de comunicações, ou seja, existe esse vínculo bem próximo da nossa realidade. Outro fator importante de ser pontuado é a liberdade, é o autoconhecimento. Todos os dilemas são tratados assim, com tempo, muito tempo pra pensar e decidir o que VOCÊ quer e sente. Somos agraciados com a cultura local, no que tange o idioma, música e um tal de "Russ Bus". Cada temporada foca em um personagem, atualmente existem três temporadas. Alguns dos temas já abordados foram: Confiança, violência, sexualidade, drogas, religião, abusos, distúrbios alimentares e psicológicos, família e etc...

Os donos da temporada três: Isak & Even.




LOOKING (por Rafael Rodrigo)



Produzida pela HBO em 2014 e 2015, Looking teve uma vida curta, apenas duas temporadas, mas que teve sua história de forma curiosa, divertida e emocionante contada em 13 episódios e encerrada com um filme. A série conta a história de três amigos Patrick (Jonathan Groff), Agustín (Frankie J. Alvarez) e Dom (Murray Bartllet), eles vivem em São Francisco e buscam estruturar a sua vida pessoal e profissional e em meio a esta busca de desenvolvimento e crescimento, se envolvem em uma série de boas e más decisões, o que permite nos envolvermos em assuntos dos mais leves a mais complexos, com perspectivas e abordagens diferenciadas. E não estou falando apenas sobre HIV, a serie aborda questões sobre o luto, sobre relacionamento envolto em preconceito racial, étnico e claro, voltado a orientação sexual, e faz isso com maestria com seus personagens secundários interessantes que fogem de caricaturas e de padrões de beleza pré-estipulados. A série tem o selo HBO então espere qualidade de imagem, direção e fotografia, mas espere também alguns peitos e bundas a mostra em meio a cenas de sexo. E longe de mim falar isso como uma crítica, é apenas o aviso de um amigo que reconhece, que esta não é uma boa serie para se ver ao lado dos pais.






YOU ME HER (por Camila Rheinheimer) 


E o tema é POLIAMOR. Isso mesmo pessoal! Vamos nos abrir, vamos acompanhar sem pré-conceitos, preconceitos e libertos de julgamentos. Essa cultura, essa filosofia, esses tantos sentimentos merecem ser apreciados, principalmente no estado atual da nossa nada avançada sociedade. Apesar do tema cultural pesado, a ideia toda é transmitida de forma leve, fluida, já por se tratar de uma comédia romântica. E o legal é bem isso! Tudo ser natural dentro do 'não natural cultural'. O canal Audience Network nos oferece uma trama situada em Portland, Oregon. Quem já assistiu algo da comédia Portlandia, já sabe o que esperar da ambientação única, com aquele ar de aconchego e calmaria. Por sinal, calmaria até demais... 

Jack x Emma x Izzy



SUPERGIRL (por Camila Rheinheimer) 


Supergirl nos traz, além da já conhecida Supergirl / Kara Danvers / Kara Zor-El, sua irmã adotiva Alex Danvers. Alex lida com pressão, cobranças e necessidade de perfeição desde cedo, assim como a responsabilidade e instinto de proteção e sobrevivência quanto à sua irmã Kara. Sua vida pessoal, e seus relacionamentos nunca foram priorizados, nunca se fizeram sentir, nunca foram permitidos se deixar explicar... Mas isso será remexido, será trazido à tona, será desafogado da maneira mais surpreendente, delicada e leve dentro do universo heroico que compõe National City.

#Sanvers 



WILL & GRACE (por Rafael Rodrigo)


Uau, que responsabilidade. Sabe quando uma serie marca a sua vida, traz um significado e te ajuda de diversas maneiras diferentes a lidar com a vida encarando problemas e dificuldades de forma diferente? Esta foi Will & Grace para mim, e para muitos jovens, gays ou não, entre os anos 1998 e 2016. Foram 8 temporadas, 194 episódios, muitas risadas, diversas lágrimas e dezenas de prêmios conquistados. E tudo começou com uma linda história de amor, uma amizade entre uma decoradora e um advogado, que teria tudo para ser uma comedia romântica comum se o rapaz em questão não fosse gay, a assistente da designer não fosse uma rica, bêbada e louca mulher, e seu queridinho (amigo de Will, por sinal) um aspirante a ator e cantor, além de quebrado e bem interesseiro. E daí está formado o quarteto estelar desta serie linda. Will & Grace se trata de uma sitcom, então se você der uma chance a série, se prepare para as risadas de fundo e os jogos de câmera da época, mas também se prepare para uma serie de tiradas inteligentes com um humor ácido, diversas participações especiais de grandes estrelas (Cher, Madonna, Britney, e dai vai...) e muita história bacana com temas complexos e inspiradores, sem deixar falar mais alto a amizade, o respeito, e o amor em todas as formas, como deveria ser a vida. Ah, quer mais um motivo para ver? Depois de mais de 10 anos, Will & Grace (and Karen & Jack) foi revivida, e serão transmitidos novos 10 episódios na temporada 2017/2018!





TRANSPARENT  (por Camila Rheinheimer) 


Falar de Transparent é sempre complicado, a vontade é tamanha, mas as palavras não chegam, nada do vocabulário alcança a dimensão que essa série consegue atingir. Esse presente que a Amazon nos entrega todo ano é isso mesmo: Um presente. Em suas três temporadas já exibidas, a série atirou no nosso colo inúmeros dilemas e temas tabus, assim como várias verdades esfregadas em nossa face. Transparent lida profundamente com o egoísmo, com a acomodação, com o conformismo, com a liberdade sexual, com o novo, com a Transfobia envolvendo Travestis, Transexuais e Transgêneros, com a Bissexualidade, com a Poligamia, com a Religião e SIM, você terá que sair da sua zona de conforto.

Ali & Syd <3



ONE DAY AT A TIME (por Camila Rheinheimer) 


É uma série ao estilo Sitcom, que gira entorno de uma família Cubana/Americana. Tal família liderada pelas monarcas mais religiosamente católicas que você possa imaginar, e mergulhadas profundamente em sua cultura latina natal. A obra consegue lidar com humor leve temas corajosos, como estresse pós-traumático, discriminação e diferenciação de salários entre mulheres e homens, a sexualidade entorno de mulheres solteiras e/ou divorciadas. E ah! Não vamos esquecer da juventude da série, a juventude que vai se abrindo, vai revelando pouco a pouco o que sente de forma tocante.  






EXTRA

BLACK MIRROR - SAN JUNIPERO (por Camila Rheinheimer)


Esse extra se trata do 4º episódio da 3º temporada da merecidamente aclamada série Black Mirror. Enredo propício para mexer com todos os nossos sentimentos e extravasar reações, ao usar tecnologia - como é de praxe da série - para instigar temas religiosos em batalha com a ciência e o amor. Vida? Morte? VIDA APÓS A MORTE? Quais são as possibilidades? Duelamos com com o passado o presente e o futuro, e apimentamos com um punhado de egoísmo. Ou não? Será? Opiniões... Muitas sensações você encontrará nesse e em todos os outros episódios dessa série. Prepare-se pra ficar atormentado.

Kelly & Yorkie <3


[...] Abra sua mente
Gay também é gente
Baiano fala "oxente"
E come vatapá

Você pode ser gótico
Ser punk ou skinhead
Tem gay que é Mohamed
Tentando camuflar
Alá, meu bom alá [...] ♫ ♪
Reações:

Sobre o Autor

Postar um comentário Blogger

 
Top