Comentários
Lilian Zin Lilian Zin Author
Title: [REVIEW] NCIS: NEW ORLEANS - S03E22: KNOCKOUT
Author: Lilian Zin
Rating 5 of 5 Des:
 “That’s a dangerous game we’re playing.” – Christopher Lasalle Esse episódio tomou um rumo que foi bem interessante a meu ver. C...
 “That’s a dangerous game we’re playing.” – Christopher Lasalle

Esse episódio tomou um rumo que foi bem interessante a meu ver. Comecemos pelo fato de que eu não estava mais aguentando toda a insistência de King em achar qualquer coisa que incriminasse Hamilton. Ele não queria saber como, só queria arrumar qualquer coisa para colocar o prefeito atrás das grades. Não vou dizer que também não estou esperando para que isso aconteça há um bom tempo, mas assim também ficou bem exagerado.

O caso foi até interessante, mas essa perseguição incansável de Pride acabou tirando um pouco o “brilho” do que aconteceu com o Capelão Morgan. Gostei muito do Petty Officer Rudd. Apesar de ele querer a todo custo o eye for an eye, achei bem digno que ele conseguiu se segurar e deixar a equipe cuidar de quem havia matado Morgan. Espero muito que ele tome conta da igreja porque, pelo que deu para ver no funeral, ele leva muito jeito.


O plot twist desse episódio veio de forma semelhante ao anterior: alguém da equipe sendo acusado de algo. Se não tivesse aparecido aquela cena em que Washak encontrou com Douglas depois de apanhar de King, o “anonimato” da culpa dele poderia se arrastar um pouquinho mais, pelo menos até Karen aparecer acusando Patton de cyber crime relacionado à corrida de cavalos. E, para quem se lembra da obra prima que foi Let It Ride (S03E11), Pride pediu a ajuda de Hamilton para enganar Javier Garcia, o que talvez possa ter sido o que deu a abertura para o prefeito partir para cima do agente com toda a força.

Acredito que Triple P deu sorte de não ter o mesmo destino de Sonja, podendo ainda ajudar King a achar a tão esperada conexão ao prefeito. E por falar nela, agora sim ela vai ver o que é a prisão de verdade. Achei injusta a transferência dela para o bloco “comum”, mas valeu a pena só por ter visto ela descendo a porrada no guarda. Quando Chris falou que ela deveria fazer qualquer coisa para se manter a salvo, admito que pensei sim em ela fazer alguma coisa e ser mandada para a solitária, mas meu primeiro pensamento foi: fala logo onde a Nadine está. Porém Jailbird não vai ferir seu orgulho de jeito nenhum.


Chris estava bem menos insuportável nesse episódio, o que já é um imenso ponto a favor dele. Ou foi o fato de eu ter sonhado com ele na noite passada, mas aí já não sei. O que importa é que a preocupação dele com a Percy nesse episódio foi deixada um pouco de lado devido às broncas que ele tinha que dar em King. E ele estava coberto de razão, porque o chefe estava apelando demais com todo o fanatismo cego em conseguir o que queria. Não só Lasalle, mas todos aqueles que deram um puxão na orelha de Pride merecem meu mais profundo agradecimento.

Já meu badass baby não anda sendo tão badass quanto há alguns episódios, mas só de ter falado sobre a vontade de quebrar a cara de alguém já me conquistou em segundos. Tammy também anda sendo de extrema ajuda, não só para Sebastian, mas apoiando Chris nas broncas ao chefe. Até Loretta teve algumas cenas a mais nesse episódio, sendo as melhores aquelas em que ela xingava Patton por não seguir o que o FBI havia exigido que ele fizesse e as em que ela decidiu ficar ao lado dele, mesmo sabendo que poderia ir pelo cano também. Como Plame mesmo disse, o que interessa a carreira quando é King que está em jogo?

“It’s about losing sight of who you are. What you do. How can you take care of your team – or yourself – if you’re blinded by rage?” – Loretta Wade
Reações:

Sobre o Autor

Postar um comentário Blogger

 
Top