Comentários
Leandro Cardoso da Cruz Leandro Cardoso da Cruz Author
Title: OS PORTAIS DA CASA DOS MORTOS E A INSIGNIFICÂNCIA DA VIDA
Author: Leandro Cardoso da Cruz
Rating 5 of 5 Des:
Já se passaram dez anos desde que Laseen tomou o trono com um ardil traiçoeiro, mas, à medida que o Ano de Dryjhna se aproxima, o I...


Já se passaram dez anos desde que Laseen tomou o trono com um ardil traiçoeiro, mas, à medida que o Ano de Dryjhna se aproxima, o Império Malazano se vê à beira da anarquia, enfraquecido pelos acontecimentos na cidade de Darujhistan. Muitas das regiões controladas pelo punho de ferro da imperatriz ameaçam acender a fagulha da revolução.

No meio do vasto domínio das Sete Cidades fica o Deserto Sagrado Raraku, onde estão os resquícios de incontáveis civilizações extintas há muito tempo. Nesse lugar repleto de segredos e magia, a Vidente Sha’ik e os seguidores do Apocalipse preparam um levante contra o poderoso império, conforme previsto nas antigas profecias.

Enquanto as forças convergem contra Laseen, ela reúne um exército de assassinos, feiticeiros e espiões para combater a rebelião e ampliar seu império cruel. Em meio a uma fúria e um poder jamais vistos, o mundo está prestes a mergulhar em uma guerra sangrenta, capaz de mudar os destinos de homens e civilizações, criando lendas que atravessarão os séculos.

Dando sequência à incrível jornada iniciada em Jardins da Lua (resenha AQUI), Steven Erikson subverte mais uma vez tudo o que sabemos sobre esse fantástico universo e parece começar uma nova história, ao mesmo tempo que avança e muito na criação de suas lendas.

A história se inicia exatamente de onde Jardins da Lua encerrou, com seus protagonistas, se é que eles existem nessa vasta trama, separados e com objetivos diversos. O livro apresenta diferentes pontos de vista, mas que não se convergem em capítulos próprios. Diversas vezes vocês estará acompanhando uma trama, sedento por saber seu desfecho e então será jogado para outro lado do vasto Império Malazano.

O mais curioso desse livro, em relação ao seu antecessor, é como ele segue a mesma toada de não nos pegar pela mão. Mais uma vez a trama vai se desenvolvendo e temos de entendê-la por conta própria. As dicas estão ali, colocadas de maneira esperta e convincente, mas ainda assim sempre existe a estranheza ao iniciar a leitura. 

Os pontos de vista da trama se dividem entre Duiker, o Historiador (que logicamente me causa uma simpatia), Violinista, o Sapador, Kalam, o Assassino, Mappo, o Tell, e Felisin, a Escrava. É incrível como todas as histórias e tramas são capazes de nos prender e interessar. Algumas irão convergir agora, outras deixam pontas para o futuro, outras podem até mesmo se encerrar, mas o que importa é que existem boas histórias para se contar.

Visitamos o interior dos Labirintos, lutamos com Demônios e Cães da Sombra, somos enganados por armadilhas de Ascendentes e Deuses. Tudo isso enquanto vemos nosso personagens sendo jogados por um tabuleiro mais vasto do que é possível se imaginar. No fim do livro existe uma frase que muito exemplifica o que é essa história:

"O mundo continua vivendo, além de nós, e suas incontáveis histórias se desenrolam. Na olhos de sua mente, viu os horizontes se estenderem para todos os lados e, conforme cresciam, ele, por sua vez, se via cada vez menor, cada vez mais insignificante."

Isso é ler a saga dos Caídos. Entender que toda trama é importante, ao mesmo tempo que todas elas parecem ser insignificantes no todo. Parece que o Império está lá e vai ficar, nada e ninguém pode impedir isso. Mesmo que esteja à uma distância de 3 ou 4 passos...

Em sua fantástica trama, Erikson nos faz confiar no Punho Coltaine, temer a Casa de Azath e Icarium. Nos faz crer que Felisin é cruel e que não vale a salvação. Nos faz entender o papel de Trono Sombrio e de Cotillion. Nos faz temer por Kalam. Nos faz sentir, como um livro deve fazer, centenas de sentimentos ao longo de suas páginas.

Sobre a trama em si, nada melhor que a leitura para entender os caminhos. Até mesmo a sinopse pouco me preparou para a jornada e não quero tirar esse prazer dos leitores. Só vale a pena saber que o Raraku é vasto e cheio de mistérios e que Coltaine é um homem único na história. 

É praticamente impossível fazer uma resenha sem spoilers de tal livro, mas o que posso dizer sobre essa fabulosa história é: tudo vale a pena.



AUTOR(A): Steven Erikson
PÁGINAS: 816
EDITORA: Arqueiro
LANÇAMENTO: 2018
ONDE COMPRAR: Aqui
Reações:

Sobre o Autor

Postar um comentário Blogger

 
Top