Comentários
Dessa Piccinini Dessa Piccinini Author
Title: A FILHA DAS TREVAS: O QUE VOCÊ É CAPAZ PRA CONSEGUIR PODER?
Author: Dessa Piccinini
Rating 5 of 5 Des:
Lada Dragwlya e o irmão mais novo, Radu, foram arrancados de seu lar em Valáquia e abandonados pelo pai – o famigerado Vlad Dracul –...


Lada Dragwlya e o irmão mais novo, Radu, foram arrancados de seu lar em Valáquia e abandonados pelo pai – o famigerado Vlad Dracul – para crescer na corte otomana. Desde então, Lada aprendeu que a chave para a sobrevivência é não seguir as regras. E, com uma espada invisível ameaçando os irmãos a cada passo, eles são obrigados a agir como peças de um jogo: a mesma linhagem que os torna nobres também os torna alvo.

Lada despreza os otomanos. Em silêncio, planeja o retorno a Valáquia para reclamar aquilo que é seu. Radu, por outro lado, quer apenas se sentir seguro, seja onde for. E quando eles conhecem Mehmed, o audacioso e solitário filho do sultão, Radu acredita ter encontrado uma amizade verdadeira – e Lada vislumbra alguém que, por fim, parece merecedor de sua devoção.

Mas Mehmed é herdeiro do mesmo império contra o qual Lada jurou vingança – e que Radu tomou como lar. Juntos, Lada, Radu e Mehmed formam um tóxico e inebriante triângulo que tensiona ao limite os laços do amor e da lealdade.

Sombrio e devastador, este é o primeiro livro da mais nova série de Kiersten White. Cabeças vão rolar, corpos serão empalados… e corações serão partidos.


Até hoje, ninguém havia feito juz a esse livro quando falavam dele. Tanto que, lendo a sinopse e ouvindo alguns booktubers falarem dele, não havia ainda tido vontade de lê-lo. No entanto, o livro acabou chegando as minhas mãos em sua total beleza - a edição é linda, a Plataforma21 vem fazendo um excelente trabalho tanto na seleção dos livros quanto em suas edições - e eu decidi que, se havia uma protagonista forte, talvez valesse a pena dar uma chance ao livro. 

Eu sabia pouco: um reconto da vida de Vlad Dracul, só que quem se tornaria o temido Vlad, o empalador seria sua filha Lada. Sabia de um possível romance homossexual e de intrigas da corte. E nenhum desses tópicos parecia me fazer querer ler, parecia tudo muito desconexo e eu estava pronta para me importar 0% com os personagens. 

Felizmente eu estava completamente enganada. 

Lada é, de longe, minha personagem preferida. Quando nasceu, seu pai, revoltado por ter uma menina, pediu que ela fosse linda para que pudesse se casar e o tiro saiu pela culatra. Todos consideram Lada uma garota feia, até ela mesma que, crescendo longe da mãe, não entende o significado de ser mulher, apenas as coisas terríveis que virão em consequência. Ansiosa para impressionar o pai, Lada, desde criança é uma garota forte que responde a qualquer situação com violência. É assim que torna-se, em certo momento, uma comandante. 

O engraçado de Lada é que ela se vê como vilã, mesmo que justificando seus motivos. Ela não acredita que outros possam gostar ou cuidar dela, pois é feia. E sabe que é rude e não entende os jogos da corte, que são especialidades de Radu. Muitas vezes é cruel com o próprio irmão, mas ela vê isso e ao mesmo tempo acredita que isso o protege. Ela sabe que é ela que tomará as decisões difíceis e, por mais que acredite que Radu seja fraco e tenha a traído, ela o defenderá em todas as situações. 

Radu é seu oposto. Chamado de Radu, o belo, ganha o coração da corte por seus trejeitos gentis e a astúcia de jogar em outra fronte o mesmo jogo que Lada: as intrigas. Enquanto a irmã apenas usa a força, Radu precisou aprender a usar as palavras. O personagem tem um interessante desenvolvimento: o garoto era um chorão mimado, legítimo filho da mamãe (ou da ama, no caso). Sofreu nas mãos do irmão mais velho e maldoso e nas mãos de Lada e Bogdan, que viviam o usando como alvo pra prática. Quando levado junto de sua irmã ao império Otomano, encontrou um lar que nunca havia tido em Valáquia e também encontrou um amor, de certa forma proibido, e que o torna deveras egoísta em certos momentos. 

Radu se vê como o mocinho. Como o coitado que precisou sobreviver a irmã (mesmo que em certas ocasiões, sua dor física o tenha protegido de algo muito pior, e graças ao planejamento de Lada) e a tudo ao seu redor para se tornar assim. Não consegue entender a dureza da irmã ou o seu desejo de voltar para Valáquia, sendo que se mostra mimado e muitas situações. Em certa ocasião, vira as costas para a irmã sem realmente tentar entender seu lado. Lada precisa então descobrir como viver em um lugar onde ninguém mais se importa com ela de verdade. Radu consegue deixar de ser um prisioneiro em uma terra estranha e faz o império seu lar, mas Lada constantemente anda com um alvo nas costas, por mais que tenha a amizade de Mehmed. 

Mehmed é o filho do sultão e é outro que é mimado. Se eu fosse ser sincera foi o personagem que mais me tirou do sério ao decorrer da leitura. Ele é bom por natureza, mas inocente em alguns momentos. E, mesmo entendo que é cultuar e da religião ter o Harém, em certos momentos ele se esconde atrás disso e usa de palavras doces para manipular inconscientemente um personagem o que me deixa furioso, já que é culpa dele que uma fenda havia surgido entre os irmãos. 

Mas ao mesmo tempo que é mimado por todos, protegido até mesmo por Lada e Radu, Mehmed ainda é um doce zelote que virá a tornar-se sultão no meio das intrigas. Na realidade, as intrigas são sobre isso: sobre ser Mehmed tornar-se sultão (ou ficar vivo até que consiga isso) para que Lada e Radu estejam protegidos. sem Mehmed, Lada não terá mais nada e tudo que Radu terá serão amigos na corte que podem facilmente se virar contra ele. 

Existe um nível de feminismo intrínseco na leitura. Enquanto Radu e Mehmed são beneficiados pela cultura, Lada é constantemente desafiada por ser mulher. Ela não aceita seu papel feminino (e as vezes, por nunca alguém ter lhe explicado, é meio idiota de não utilizar as armas que apenas uma mulher tem), morre de medo de casar com alguém e não entende o que é uma paixão até certo beijo. Em muitos momentos Radu gostaria que Lada fosse mais como uma mulher deveria ser, mas Lada não queria ser mulher, ela queria ser como qualquer outro homem. E por isso batalha para conseguir cada mínima centelha de poder que conseguir colocar as mãos sobre, ao contraponto que Radu já nasceu com o poder nas mãos, pois nasceu homem. 

A escrita é deliciosa. Sabia que acompanharia a história dos irmãos desde a infância e temia que fosse chato ou maçante, mas a autora soube trabalhar muito bem com isso, fazendo as passagens de uma forma orgânica, como se fosse impossível não ser dessa maneira. Ela utilizou-se de um personagem histórico para criar um novo e completo enredo que, sinceramente, não sei para onde irá. Estou ansiosa para o próximo livro, pois, diferente de muitas séries por aí, essa aqui me fisgou como muito tempo não fazia-se. 

Cruel, tenso e maravilhosamente escrito, A Filha das Trevas é uma excelente introdução a sua história e a seus personagens. Kiersten White, de longe, construiu um novo mundo que estou ansiosa para desfrutar ao lado de Lada, Radu e Mehmed (e Nicolae - eu realmente adorei Nicolae). E estou ansiosa para ver Valáquia cair aos pés de Lady Lada Dracul, a empaladora e conquistadora, mulher e poderosa. 


Autora: Kiersten White 
Tradutor: Alexandre Boide
Páginas: 472
Editora: Plataforma21
Lançamento: 2017
Compre aqui.

Reações:

Sobre o Autor

Postar um comentário Blogger

 
Top