Comentários
Ayla Aguiar Ayla Aguiar Author
Title: UMA COISA ABSOLUTAMENTE FANTÁSTICA. OU NÃO?
Author: Ayla Aguiar
Rating 5 of 5 Des:
Enquanto volta para casa depois de trabalhar até de madrugada, a jovem April May esbarra numa escultura gigante. Impressionada com ...


Enquanto volta para casa depois de trabalhar até de madrugada, a jovem April May esbarra numa escultura gigante. Impressionada com sua aparência – uma espécie de robô de 3 metros de altura -, April chama seu amigo Andy para gravar um vídeo e postar no YouTube.
No dia seguinte, a garota acorda e descobre que há esculturas idênticas em dezenas de cidades pelo mundo, sem que ninguém saiba foram parar lá. Por ter sido o primeiro registro, o vídeo de April viraliza e ela se vê sob os holofotes da mídia mundial.
Agora, ela terá de lidar com os impactos da fama em seus relacionamentos, em sua segurança, e em sua própria identidade. Tudo isso enquanto tenta descobrir o que são esses robôs - e o que querem de nós.
Divertido e envolvente, o livro de estreia de Hank Green trata temas muito relevantes nos dias atuais: como lidar com o medo do desconhecido e, principalmente, como as redes sociais estão mudando os conceitos como forma, retorica e radicalização.



Imagina você morar em Nova York, a cidade que nunca dorme. Está vindo do trabalho de madrugada, quando de repente dá de cara com essa estatua gigante, de seus 3 metros de altura. Por morar onde mora, e viver nessa era da informação rápida demais, por alguns segundos você só continua a andar, seguindo a vida pensando “é só mais um artista que colocou isso ai”, mas surge aquele estalo, para e volta para analisar a tal estatua, constatando que ela é muito mais que isso.
E é ai que sua vida muda para sempre! April, por ter sido a primeira a ter contato com o Cal (como ela e o mundo passam a chamar os robôs), tem a vida mudada em 360º. É chamada para talk shows, entrevistas, e começa a ser bombardeada com e-mails perguntando sobre o contato e sobre como foi e tudo o mais.
Mas, a April é aquela pessoa que se recusa até a ter redes sociais, por achar que a vida merece ser mais vivida pessoalmente, ela mal tem um Facebook e email, e só por que insistiram para isso. Ela se sentia bastante incomodada no começo, com a explosão do sucesso, a ir a todas essas entrevistas e aparições públicas, mesmo ganhando dinheiro com isso.
Não vou mentir ao dizer que eu me incomodei um pouco com a personagem em quase todo livro. Não com relação a redes sociais e tudo mais, mas com esse puritanismo com relação às coisas, a tudo no modo geral, a explicação dela é como se ela se esforçasse para ser cult e de querer ser a diferentona, se “recusando a usar redes sociais por que eu não sou assim pipipi e popopo”.
Enquanto ela lida com todas as situações das entrevistas, sem querer ela esbarra em um errinho na Wikipedia, na página do Freddie Mercury, ao procurar coisas sobre o Cal, e rebatizada de “Sequência Freddie Mercury”, foi mais uma onda doida na vida dela. E com uma cientista via email, a Miranda, que a contatou para tirar duvidas sobre o robô e o que ela tinha achado sobre as propriedades do mesmo, para que ela assim descrevesse sua experiência, o erro que ela achou.
E como se a vida dela já não tivesse virada de cabeça para baixo, a April aceita se tornar assinar um contrato com uma agência, e ela termina de mudar para pior completamente. A personagem já estava mudando aos pouquinhos, e isso só empurrou de vez.  
Eu me apeguei completamente aos personagens secundários: ao melhor amigo dela, a Miranda, e ao assistente da April. Eles foram as melhores pessoas desse livro e história. O melhor amigo da April, o Andy, foi um maravilhoso no livro inteiro. A Miranda foi o meu escape a raiva da April em 80% do livro, assim como o assistente dela.
O livro em si, o jeito que ele te pega, foi diferente sabe. É uma maneira de mostrar uma história que eu ainda não tinha visto, é inteligente e sarcástica. Eu gostei bastante em como o autor se valeu da personagem para contar a história, em te fazer ficar com raiva dela (a própria April avisou disso no começo do livro kkk), e da própria história dos robôs, e do por que eles vieram a Terra. E o final, meus amigos, é de tirar o chão.
E os robôs, os Cal do mundo. Achei maravilhoso como eles foram encontrados, a crítica por trás do encontro da April com o primeiro Cal. A dúvida não posta fora da boca, de “Será que são alienígenas? Ou é tão obvio assim? Se forem, o que eles querem?”. A crítica do livro, sobre você está tão focado no seu aparelho debaixo do nariz, que basicamente abstrai até as presenças de robôs gigantes, e simplesmente começa a achar normal, já que eles não atacaram de primeira. É bizarro isso.
É uma história que vale a pena. Demais. É um pequeno tapa, junto com um ótimo sci-fi.  


TÍTULO: Uma coisa absolutamente fantástica 

AUTOR: Hank Green
TRADUTORA: Lígia Azevedo 
EDITORA: Seguinte
PÁGINAS: 384
ANO: 2018
ONDE COMPRAR: Amazon

Livro cedido pela editora para resenha.


Reações:

Sobre o Autor

Postar um comentário Blogger

 
Top