Comentários
Jéssica Ohara Jéssica Ohara Author
Title: O ASSASSINATO DO COMENDADOR: A BELEZA DA ARTE
Author: Jéssica Ohara
Rating 5 of 5 Des:
No meio de uma crise conjugal, que o marido nem sabia que estava acontecendo, um casal se separa. O marido abandona Tóquio e pas...




No meio de uma crise conjugal, que o marido nem sabia que estava acontecendo, um casal se separa. O marido abandona Tóquio e passa a viver em seu carro, viajando pelo Japão. Pintor de retratos reconhecido no meio, ele acaba por conseguir uma casa que pertenceu ao famoso Tomohiko Amada. A casa fica nas montanhas, e lá ele pode se dedicar a própria pintura.
Nessa casa de paredes vazias, ele começa a ouvir ruídos estranhos e descobre um quadro inédito intitulado O assassinato do comendador. Ao tirá-lo de seu esconderijo, ele entra em um mundo estranho em que a ópera Don Giovanni de Mozart, a encomenda de um retrato, uma adolescente tímida e, claro, um comendador passarão a fazer parte de sua vida.
O assassinato do comendador, primeiro romance longo de Murakami após 1Q84, é ao mesmo tempo uma aventura emocionante pelo mundo da pintura e uma busca por aquilo que nos torna únicos.



"-Sim. Em vez da verdade estática, opto pela possibilidade com margem de movimento. Opto por essa incerteza. Você acha isso estranho?"

Eu tenho a clara sensação de que toda vez que eu leio Murakami é como se eu encontrasse aquele velho amigo excêntrico. Ele me conta uma história absurda, mas de acordo com a forma que ele fala, parece bem plausível. Em O Assassinato do Comendador temos a certeza de que a cada página o enredo fica mais anormal, mas mesmo estamos tão envolvidos com os personagens e os cenários que simplesmente tomamos como um fato definitivo e inquestionável o insano.

Desde a primeira página, sabemos que haverá um final, por assim dizer, feliz para a história, porque ela é contada a partir das reminiscências do narrador. Um pintor, no meio dos seus trinta anos, se vê abandonado pela esposa, sem uma explicação coerente, além de um sonho que ela teve. A partir daí a história se desenrola com uma viagem encontrando personagens exóticos pelo Japão e depois o estabelecimento do artista na casa de um amigo, casa essa que pertenceu ao famoso pintor de nihonga Tomohiko Amada

Situações aparentemente simples levam a um desenrolar complexo, no qual o pintor se vê perdido no meio de mistérios maiores que ele. Com Murakami, é normal sentir que o leitor está embarcando em um universo alternativo, onde o mundo "real" simplesmente não parece mais importar. Experiência que muitas vezes é deslumbrante, nesse livro torna-se assustadora. Me peguei, muitas vezes, com medo por tudo e por todos, sentia que me escondiam fatos importantes e macabros, há um mistério vil nessa história. Mesmo sabendo que o protagonista estaria vivo no final, não consegui deixar de ficar preocupada com o futuro daqueles personagens.

A escolha do personagem principal ser um pintor foi um toque perfeito, a escrita parece uma pintura, nos levando a um estado de fruição que só um obra visual pode provocar. Murakami repete muito os fatos, o que causa um incômodo até você perceber que a repetições servem para marcar um ritmo, definir fronteiras entre o suposto real dos fatos e o absurdo do que verdadeiramente acontece.

A música clássica tal como o jazz e o rock é muito presente na obra dele, não foi diferente aqui. Na verdade, a história está intrinsecamente envolvida com a ópera Dom Giovanni de Mozart, na qual há o assassinato de um comendador por Dom Giovanni, essa cena tem uma importância gigante nos livros que aos poucos vai sendo desvelada. Eu já estou bastante ansiosa com o volume dois, só vem Murakami.

"É um conceito baseado em um acordo vago. Não é marcado por uma linha clara, apenas por uma divisão que surge no contato entre a pressão interna e a externa."

Esse livro foi cedido gentilmente para resenha <3


AUTOR(A): Haruki Murakami
TRADUTOR(A): Rita Kohl
PÁGINAS: 360
EDITORA: Companhia das Letras
LANÇAMENTO: 2018
ONDE COMPRAR: Aqui


Reações:

Sobre o Autor

Postar um comentário Blogger

 
Top