Comentários
Ayla Tereza Cruz Ayla Tereza Cruz Author
Title: DESTINO: É NECESSÁRIO ESCOLHER A PRÓPRIA VIDA.
Author: Ayla Tereza Cruz
Rating 5 of 5 Des:
No futuro a Sociedade escolhe: Onde você mora. O que você come. Onde você trabalha. Como você se diverte. Com quem você se casa. ...


No futuro a Sociedade escolhe:
Onde você mora. O que você come. Onde você trabalha. Como você se diverte. Com quem você se casa. Quando você morre.

Cassia tem absoluta confiança na escolhas da Sociedade. Ter o destino definido pelo sistema é um pequeno preço a se pagar por uma vida tranquila e saudável, um emprego seguro e a certeza da escolha do companheiro perfeito para se formar uma família.

Ela acaba de completar 17 anos e seu grande dia chegou: o Banquete do Par, o jantar oficial no qual será anunciado sem companheiro. Quando surge numa tela o rosto do seu amigo mais querido, Xander – bonito, inteligente, atencioso, íntimo dela há tantos anos –, tudo parece bom demais para ser verdade.

Quando a tela se apaga, volta a se acender por um instante, revelando outro rosto, e se apaga de novo – o mundo de certezas absolutas que ela conhecia parece se desfazer debaixo dos seus pés.

Agora, Cassia vê a Sociedade com novos olhos, e é tomada por um inédito desejo de escolher. Escolher entre Xander e o sensível Ky, entre a segurança e o risco, entre a perfeição e a paixão. Entre a ordem estabelecida e a promessa de um novo mundo.


Um país onde um sistema te induz a acreditar que não fazendo escolhas como o que você janta (pois a Sociedade produz a sua comida ideal para o seu corpo, com todo o carboidrato e proteína necessária) ao seu parceiro para a vida toda (visando melhores casamentos e filhos) nunca pode ser bom.

Mas as pessoas, pelo menos a maioria, aceita de boa, e contribui com a Sociedade, uma sociedade que é dividida, tem os que nunca cometeram nenhuma infração, e contribuem diariamente com o sistema, indo trabalhar e etc, até os que cometem algo, e os que fazem algo seríssimo, acabando sendo expulsos e indo viver nas terras livres ao lado de outras Aberrações.

E a Cassia é uma das pessoas que contribuem feliz com isso, e está bastante ansiosa para o dia que irá saber com quem vai passar o resto do da vida. Quando chega o dia, ela está nervosa e ansiosa, e ao ser chamada, o anuncio de seu futuro marido demora um pouco mais que o normal, já a deixando alerta, até que ela e o Xander são designados um ao outro e a Cassia relaxa.

Mas ao chegar em casa, e abrir as informações dadas sobre o Xander, a mesma achando até engraçado, pois os dois se conhecem bem o suficiente desde pequenos, por uns segundo aparece a imagem e informações sobre outro garoto, que ela também conheceu quando criança, o Ky, que por um erro dos pais, foi taxado de aberração, mas conseguiu, quando criança, ir morar com os tios e foi criado por eles, mesmo sendo um paria por si só. Cassia entra em choque, por motivos, pois ela nunca viu a Sociedade errar tanto.

Com isso, a bola de neve começa a se formar na historia. A Cassia não consegue esquecer essa informação, e pequenas atitudes de outras pessoas começam a dar a ela a necessidade de questionar o por que de tudo, absolutamente tudo na sua vida, tem que ser previamente escolhido pela Sociedade, e você nunca pode escolher nada.

A Cassia começa a interagir mais com o Ky, mesmo sem falar sobre aqueles segundos em que ele foi designado como seu par, e aos pouquinhos começa a se apaixonar pelo mesmo, e a necessidade de questionar tudo vai crescendo exponencialmente dentro dela. E os pequenos atos de rebeldia, até mesmo do Xander, o tão porto seguro dela, cometeu um pequenino ato, a deixam necessitada de mais respostas, com a necessidade de se aproximar ainda mais do Ky.

Os pequenos atos de rebeldia são uma das melhores coisas do livro: o avô da Cassia, que se recusou a morrer nos termos da Sociedade, o pai dela, que ajudou o próprio pai, o Xander, ajudando uma amiga, e a própria Cassia, com os atos, os quais a levam a necessitar ir contra a Sociedade.

Por exemplo, na Sociedade atual, se exclui a futilidade, desde a música a literatura. Para tentar salvar o que interessa, para o povo surgir mais forte, o sistema selecionou 100 musicas, 100 livros e assim foi, de cada parte da Arte, mas, como alguns cidadãos tem o direito a algum artefato da sociedade prévia ao novo sistema, a Cassia tem um que se usava para maquiagem, que pertencia a bisavó dela. E foi onde o avô dela escondeu dois poemas escrito a mão, por anos, e que não fazem parte dos 100 poemas escolhidos. E nessa nova era, a nova geração não sabe como escrever, apesar de saber ler, pois eles só digitam em terminais de computadores e nunca em papel.

E o Ky, por ter vivido uma parte da vida entre os povos que vivem a margem da tão utópica sociedade, sabe como escrever, é sonhador e questionador, inflando os mesmos sentimentos na Cassia. Assim, a menina começa a entrar em dúvida entre a segurança que a Sociedade supostamente oferece, e a liberdade que o Ky exala.

A historia te instiga junto com a Cassia, para que ela se liberte das amarras do que a Sociedade ofereça e veja o quão errado é tirar o seu livre arbítrio, de escolher tudo. Nenhuma sociedade funciona por muito tempo no sistema utópico perfeito. Em algum momento ela desanda até quebrar. Então, o livro te leva para esse lado, que mostra que mesmo uma sociedade que vende uma ótica de perfeita, ela não é, tem falhas, e que ela irá fazer de tudo para proteger esse sistema. Foi uma história intrigante de ler.



TÍTULO: Destino

AUTOR: Ally Condie
TRADUTORA: Lívia de Almeida
EDITORA: Suma de Letras
PÁGINAS: 247
ANO: 2011
ONDE COMPRAR: Amazon

Livro cedido pela editora para resenha. 


Reações:

Sobre o Autor

Postar um comentário Blogger

 
Top