Comentários
Ayla Tereza Cruz Ayla Tereza Cruz Author
Title: ANO UM: QUANDO O FIM É APENAS O COMEÇO.
Author: Ayla Tereza Cruz
Rating 5 of 5 Des:
Tudo começa na noite de Ano Novo. Uma doença se alastra rapidamente. Em questão de semanas, a rede elétrica para de funcionar, as lei...

Tudo começa na noite de Ano Novo. Uma doença se alastra rapidamente. Em questão de semanas, a rede elétrica para de funcionar, as leis e o sistema de governo entram em colapso e mais da metade da população mundial é dizimada.

Enquanto a ciência e a tecnologia perdem influência, a magia cresce. Por toda parte, pessoas descobrem em si poderes que jamais imaginaram. Alguns procuram fazer o bem, como Lana e o namorado, Max, mas a súbita onda de poder também deturpa mesmo aqueles que pareciam incorruptíveis.

Fugindo das autoridades que patrulham as ruas devastadas, Lana e Max resolvem deixar Nova York e rumar para um lugar seguro. Outros viajantes também seguem esperançosos: Chuck, um gênio da tecnologia que mantem o bom humor em um mundo off-line; Arlys, uma jornalista que insiste em buscar e registrar a verdade; Fredinha, uma jovem com habilidades fluorescentes; Rachel e Jonah, uma médica e um paramédico determinados a proteger uma mãe e seus três bebês recém-nascidos.

Em um mundo em que cada estranho no caminho pode representar a morte ou a salvação, uma profecia ancestral é capaz de transformar a vida de todos os sobreviventes.

O fim chegou. O início é o que vem agora.


Eu ainda não tinha visto a Nora escrever livros sobre o Apocalipse, e mais doido, o apocalipse que tem como consequência a magia retornando. Então não posso me basear em outros livros dela, mas o que eu posso dizer é: eu amei! Toda a ação, o suspense dos primeiros capítulos, tudo foi bem construído.

A história começa nos mostrando como a doença, que seria conhecida como Catástrofe, chegou ao nosso mundo. A doença chegou de fininho, através de um descendente de escoceses e lendas antigas do país. É um começo que evoca o medo e o perigo. Assim, segue a história para nos ir mostrando os personagens principais, que irão sobreviver a Catástrofe, além de serem fugitivos num mundo que se tornou sombrio e perigosamente maligno.

Através da doença que se espalhou pelo mundo, matando bilhões globalmente e reduzindo a humanidade a pouca coisa, o que sobrou dos seres humanos começou a se dividir, entre seres com magia, e seres humanos comuns. Mas pior ainda, a própria humanidade começou a se dividir ainda mais, entre pessoas boas, que só querem se esconder em um local seguro para passar pelo caos e esperar tudo se acalmar, e também vê se consegue ajudar a quem pode, e em pessoas, que já era malignas antes, usando do caos do planeta para cometer atrocidades.

E é nesse cenário em que um nerd hacker, uma jornalista, uma fadinha brilhante, um paramédico e uma médica, uma grávida prestes a parir gêmeos, e um casal de bruxos poderosos são jogados nesse caótico cenário mundial e têm que lutar pela própria sobrevivência. E nesse meio, o senhor que começou com isso, ouviu uma profecia antiga, em que uma criança que nasceria em meio a doença, seria a cura e a chance desse mundo em guerra se salvar.

Em Ano Um nós vemos uma história em que é ao mesmo tempo introdutória, de como a doença se espalhou e a humanidade sobreviveu, de como tentou se organizar mesmo em pequenos grupos, mas também cheia de ação e perigos, ao ver como o Max e a Lana escaparam por pouco da morte ao fugir de um grupo de Rapinantes (humano, e às vezes humanos com magia que caçam por diversão outros seres humanos, mágicos ou não). E do perigo que a Rachel e o Jonah passaram, ao proteger a Katie, os dois filhos biológicos, e a bebê recém nascida que ela acolheu como filha, e dos momentos de tensão em que a Arlys e a Fredinha se meteram para conseguir chegar ao Chuck e fugir.

Dentre as pessoas no grupo principal, tem 4 pessoas com dons especiais: Jonah, Fredinha, Lana e Max. Jonah sabe quando alguém está condenado a morte, ou está cheio de vida, as vezes o levando a ter visões tenebrosas, Fredinha é uma fadinha luminosa e Max e Lana são bruxos.

E até esses grupos se reunirem, não foi um caminho fácil. Lana e Max acharam o irmão perdido do Max, mas mesmo já relativamente seguros, a magia negra seguiu o casal sorrateiramente na sombra, os levando a fugir, e acabando indo para no assentamento que estava montando em uma pequena cidade no interior dos EUA, pelo nosso grupo anterior, formado pela Arlys, Fredinha, Chuck, Rachel, Jonah, Katie e bebês. Todo mundo passou por poucas e boas pra conseguir se juntar, abrir uma cidade pequena, e assim dar acolhimento a quem precisar.

O plot que gostei muito mais de ler foi o do Jonah com a Rachel e a Katie, não sei por que, e olha que amei de todo o coração a Lana.

O interessante dessa nova trilogia é que a Nora colocou mais personagens, com mais plots, e com mais histórias, e no final acabou que a gente vai ver a história se desenrolar de 2 pontos distintos. Ao menos eu acho. Enquanto a garota enunciada pela profecia estava para vim ao mundo e ajudar a selar uma guerra antiga, quanto da parte do grupo sobrevivente dos sobreviventes na nova cidade fundada pelo nosso grupo. Guiada pela visão boa dos principais.

E olha, se no começo já não tivesse tanta ação, do meio para o final, em que a gente poderia achar que estaria tudo ocorrendo bem, o mundo explode de novo, por que né, nem todo mal dura para sempre, assim como nem todo o bem perdura. E do meio pro final, foi tanta coisa doida, tanta ruindade, ainda que entremeada com ações tão fantásticas, que sei nem descrever. O plot twist final, com o Sam foi muito bom, ainda que um pouco apressado.

A única crítica que tenho que fazer a autora é que ela continua com o problema de que em alguns momentos fica um pouco confuso os diálogos, e a gente acaba sem saber de quem é a fala, e tendo que voltar um pouco, mas essa é uma crítica que eu faço a ela de um modo geral nos livros da Nora.

Ano Um é uma história de apocalipse, a qual tem essa veia humana, em que mostra não apenas o terror de um apocalipse jogado nas suas pernas, do nada, em que você não tem sequer um aviso prévio, e assim, vê o pior do pior da humanidade, ao mesmo tempo em que vê os relances do melhor que nós temos, ao ajudar o próximo, mesmo que em um mundo caótico.

E é também o que a história quer passar: que mesmo no pior momento, ainda podemos contar com o que nos define, que ser humano e ajudar ao próximo, as vezes sem ver a quem.

A Crônica da Escolhida é uma trilogia que já estou ansiosa para o segundo livro, De Sangue e Ossos, estrear aqui no Brasil, por que o final de Ano Um foi tão fantástico quanto “preciso do próximo para ontem!”. 


TÍTULO: Ano Um
AUTOR: Nora Roberts
TRADUTOR: Simone Reisner 
EDITORA: Arqueiro
PÁGINAS: 400
ANO: 2019
ONDE COMPRAR: Amazon

Livro cedido pela editora para resenha.


Reações:

Sobre o Autor

Postar um comentário Blogger

 
Top