Comentários
Jéssica Ohara Jéssica Ohara Author
Title: NÃO PARAREI DE GRITAR: EXISTIR/RESISTIR
Author: Jéssica Ohara
Rating 5 of 5 Des:
Quando a quarentena começou, as pessoas que amam ler como nós acharam que pelo menos poderiam ter uma oportunidade de colocar a leitura e...

Quando a quarentena começou, as pessoas que amam ler como nós acharam que pelo menos poderiam ter uma oportunidade de colocar a leitura em dia. Mas no meu caso, e de muitos outros, não foi bem assim que aconteceu. A constante sensação de perigo atrapalha muito as leituras, a ansiedade vai devorando aos poucos, tirando nosso foco e concentração. O que era antes um refúgio pode se tornar um martírio. Para contornar esse sentimento, eu comecei a escolher livros que me dessem força de alguma forma, que me inspirassem a continuar mesmo com tudo parecendo perdido.

Tambor
Tambor
dá asas a nosso grito contido há séculos grita
nada de pequenos lamentos
inúteis nada de pranto
grita tambor
grita
estamos do lado de fora
com as mãos vazias
e as portas estão fechadas
com chaves de desamor
grita
tambor
grita
temos sede de vida
e estamos cansados de tanta dor

Os poemas de Não Pararei de Gritar não oferecem um acalanto, um lugar de descanso. Eles dão vigor, você se emociona com eles, melhor, você se revolta com eles e essa sensação te dá ânimo para persistir lutando. Às vezes, a gente pensa que não ganharemos a batalha, mas o melhor é pensar que ela ainda não está perdida apesar do desespero.

Identidade
Muita gente esquece irmão
Esquece maldosamente Que negro
tem coração Tal como tem toda
gente

Há anos que Carlos de Assumpção aborda em sua escrita a situação do negros e das populações mais vulneráveis à violência da sociedade. Ele propaga a ideia de união entre os oprimidos para combater aquilo que nos destrói. Como mulher negra consegui me enxergar em diversos dos questionamentos e situações apresentadas.

Eu sou negro
Eu sou negro sim sou negro E não admito chacota
Minha cor é linda firme É saúde e não desbota

Sou negro cor de fumaça Até na sombra meu bem Meu bem eu trago nas veias Sangue doutras raças também

Há gente que ainda que insiste em nos chamar de vitimistas, sem por um dia ter vivido em nossas peles. Eu considero a leitura de um poema um ato de empatia muito forte, um compartilhamento emocional imenso. Talvez uma saída para essa falta de reconhecimento da dor do outro. Carlos brinca com a escrita, suas palavras são intensas e avassaladoras. Li o livro todo em um dia e fiquei sendenta para que houvesse mais.

                                                                                                                        Título: Não Pararei de Gritar                                                                      Autor: Carlos de Assumpção                                                                              Editora: Companhia das Letras                                                                          Páginas:176                                                                                                          Ano: 2020                                                                                                            Onde comprar: Companhia das Letras                         

  


Reações:

Sobre o Autor

Postar um comentário Blogger

 
Top